quinta-feira, 19 de junho de 2014

LEILÃO DE ESPOSAS EM UM SWING

Me chamo Adriano vou relatar uma aventura que aconteceu comigo, primeiro quero dizer que eu e minha esposa somos casados a mais de 10 anos, temos 2 filhos pequenos, apesar dos dois filhos nossa vida sexual sempre foi bem ativa e nunca foi monótona, acho que achei a companheira certa para as realizar fantasias e aventuras, não temos um casamento aberto mas somos bem liberais.

Na hora das nossas transas quase sempre rola fantasias como menage, ou troca de casais, então eu sempre pergunto a minha mulher que se um dia acontecesse de a gente poder realizar as nossas fantasias secretas se ela toparia... minha mulher é muito cúmplice e sempre me diz, amor, se for pra ver você feliz eu topo, mas ela sempre impôs uma condição e a condição era que, jamais realizaríamos qualquer fantasia com alguém conhecido ou na nossa própria cidade, ela me dizia que não queria que nenhuma mulher depois de transar comigo voltasse a me procurar, e o mesmo do lado dela, não queria que nenhum homem depois de transar com ela num possível menage voltasse a procura-la ou mesmo ela não queria correr o risco mesmo de por acidente encontrar em algum lugar público, e o mesmo valia para uma possível troca de casais também, e eu acho que essa é uma preocupação e muitos casais que pensam em realizar tal fantasia, mas no fundo tem medo de um futuro comprometimento ou que um dia isso venha a público, talvez por isso muitos casais ainda não tenham realizado tal fantasia.

É claro que nessas condições a coisa só poderia rolar em outra cidade, então comecei a pesquisar pela internet anúncios de casais de casas de swing, mas tudo que eu encontrava a mim parecia meio estranho, me achava vulgar ou coisa assim, e no fim eu mesmo não tinha coragem de ir até o fim,.. então desde que nós começamos a pensar na possibilidade real até decidir e até fazer acontecer demorou quase dois anos, mas a cada vez que transávamos e fantasiávamos mais a vontade de realizar se fazia presente entre nós dois...

Depois de pesquisar bastante descobri  em São Paulo,  um grupo de casais praticantes  e simpatizantes, de Swing, travei amizade, tomei informações, me disseram que eles regularmente umas duas ou tres vezes por ano marcavam um passeio em algum lugar qualquer, sempre em hoteis fazendas ou pousadas no campo ou praia, e que eles estavam marcando o proximo passeio eles iriam para a festa do peão em Barretos, e nesses passeios sempre rolava uma troca de casais, o Romualdo que era meu contato perguntou se eu tava interessado, perguntei como funcionava a coisa ele me disse que cada um ia com seu carro e se encontravam lá, que eles tinham alugado um chalé pra 7 pessoas numa pousada da região,   as despesas seriam divididas, 

da pousada, do churrasco da bebida enfim seria uma confraternização, perguntei das acomodações, ele disse que tinha 7 chalés para 7 pessoas cada, eles haviam reservado todos para ter exclusividade, mas que só iam 4 casais incluindo a mim se eu fosse, era só um fim de semana mas valeria a pena, eu ainda estava meio receoso, mas ele me tranquilizou e falou que era apenas um passeio com possibilidades, mas nenhum casal era obrigado a participar  mas se quisessem , teria a chance mas que no fim normalmente todos acabavam entrando no clima, perguntei-lhe, como eu nunca participei de algo assim me de uma ideia de como a coisa vai acontecer... ele me orientou e falou, que a coisa sempre acontecia normalmente, não havia roteiro, vendo que eu estava relutante ele me disse o máximo que vai acontecer se vocês não participarem e perderem a chance de realizar suas fantasias. nós vamos pra passear e passar um fim de semana normal, e o que acontecer entre os casais vai acontecer naturalmente, depois cada um volta pra sua cidade sua casa e sua vida normal, ele tinha razão, ninguém conhecia ninguém pessoalmente era nossa chance de realizar uma fantasia sexual.

E se houvesse concordância dos envolvidos, perguntei-lhe,  digamos que haja concordância como seria? No que ele me respondeu isso é fácil, num motel, no chalé, depende da situação do momento, eu não entendi direito a segunda parte, mas iria entender no momento certo.

Depois que conversei com ele fui trocar uma ideia com Sandra minha mulher, falei-lhe da viagem, de como seria, e que aconteceria, falei-lhe que estava como ela queria seria em outro lugar e ninguém conhecido, perguntei se ela topava, ela me respondeu assim... amor você quer isso??, Falei-lhe estou bem entusiasmado com a ideia, ela ainda argumentou,
- você tem certeza??? Tem certeza de que vai ter suporte pra aguentar , me ver sendo possuída por outro homem?? (e olha que minha mulher é do tipo bem gostosona)
- Certeza não tenho de nada, mas como te falei to bem entusiasmado
- Então amor eu vou  por você, pode confirmar... mas não prometo nada.
A simples concordância dela já me deixava com tesão, de duas formas... a primeira era porque eu imaginava comendo alguma gostosa, a segunda era só de imaginar minha mulher sendo comida por alguém, nessas horas parece até que a gente aceita a ideia de ser corno... claro que ser corno quando os dois concordam de certa forma não encaro isso como ser corneado ou corneá-la..

A viagem só seria um mês depois, mas durante aquele mês, transei varias vezes com a Sandra e as nossas fantasias já passavam de simples fantasias para uma possibilidade, fantasiamos muitas vezes as várias formas de sexo, perguntei a ela e se de repente achar um cara bem dotado... ela pra esquentar mais o clima dizia, -
- eu vou adorar...
-  mas um pau grande vai te  arrombar..
- que nada.. eu tiro de letra ...
- E se ele quiser comer o cuzinho???
- Eu dou oras... quem brinca com fogo tem que estar preparado pra se queimar...
e completou... ainda dá tempo pra você desistir... se quiser...
eu falei... agora não tem desistência.. vamos até o fim, mas você pode desistir que eu não vou lhe cobrar, de repente a fantasia é só minha.... mas ela não desistiu.. 
e assim foi o mês inteirinho até que chegou o grande dia ... da minha cidade até Barretos dava umas 4 horas de viagem cheguei no local meio por volta das 11 hs da manhã, ainda receoso  afinal era uma aventura muito louca, logo localizei o Romualdo que me apresentou a sua mulher, e apresentou mais 2 casais que formavam o grupo todo, enquanto eramos apresentados eu  fiquei só observando as mulheres  e pra minha sorte todas eram gostosas, mas tinha uma ruiva que se destacava das demais, era baixinha 1.60 mais ou menos, seios empinados, coxas bem roliças e uma bundinha que era de dar inveja as outras mulheres, bem redondinha e saliente,  e tenho certeza que os outros caras também ficaram observando a Sandra, porque minha mulher também não era de ser ignorada... afinal essa era uma viagem de possibilidades, e  quando ficamos a sós, olhei pra Sandra e perguntei, então achou alguém interessante???
Ela meio que acabrunhada disfarçadamente olhou de lado apontou e  cochichando ao pé do ouvido aquele ali, era o mesmo casal da ruiva que eu achei mais gostosa que as outras, era  um casal na mesma faixa etária que a gente passado dos 35 anos, e ela aparentava um pouco mais nova.
Em pouco tempo já estava na hora do almoço, na churrasqueira eu vi uma bela costela envolta em celofane espetada já estava ali assando desde bem cedo quando chegaram, e não ia demorar muito pra ficar pronta, enquanto isso  seria um bom momento pra nos conhecermos e assim termos as primeiras impressões numa espécie de pré entrevista dos casais, todos querendo se conhecerem  mais intimamente, rolou brincadeiras, papos de sacanagem como já era de se esperar, quando nos demos conta já eram 15,30 mais ou menos, como estávamos numa pousada sem fazer nada  alguém sugeriu que a gente fosse até a cidade ver a feira, visitar o parque durante o dia já que as noites haveria shows aberto ao público, fomos em dois carros para poder ter mais facilidade de estacionar, visto que por perto era muito dificil de achar vagas, e foi assim dividido, no meu carro fomos eu minha mulher e a Ruiva e o Marido dela.

Chegando lá  tinha muita gente zanzando pra lá e pra cá, e assim passamos a tarde, ao cair da noite sentamos num dos barzinho existentes no local, matando o tempo até chegar a hora do show da noite, bebemos alguns drinques e algumas cervejas, até que chegou a hora do show, então fomos até o local do show, que tinha tanta gente que um espremia o outro, era num ambiente bem favorável para azaração, quando o show começou no palco, o pessoal todo pulando 

e dançando homens e mulheres se abraçando, a musica rolava solta então os casais foram se formando naturalmente, aproximei-me da a ruiva começamos a dançar discretamente ao ritmo da musica,  a Sandra ficou com o marido dela que se chamava Charles, conversando depois descobri que o nome dela era Viviane, depois de  umas duas três musicas já todos nós estávamos no clima , eu estava quase abraçado com a Viviane, falei-lhe que era nossa primeira vez, perguntei se eles eram realmente casados ou se era mais  um casal apenas  ela confirmou que eram realmente casados, perguntei lhe se ela e o marido já tinham participado de Swing antes, ela respondeu que era a segunda vez, a conversa rolava naturalmente perguntei-lhe ainda se foi bom da primeira vez, como foi etc e tal... ela contou alguns detalhes, disse que não foi numa viagem como essa, que ela e o marido tinham ido a uma casa de Swing, e estando lá encontraram outro casal, cada um foi pra um quarto e transaram etc e tal... foi lá que conheceram também o Romualdo nosso anfitrião, perguntei o que ela estava achando desta viagem... ela falou que era legal unir o útil ao agradável, depois de bastante conversa lancei o xaveco, disse que tava a fim dela e que pelo jeito o marido dela também gostou da Sandra minha mulher e pelo jeito  minha mulher tinha agradado do marido dela, arrisquei a falar,  acho que vamos terminar a noite juntos...  ela sorriu e disse que também tinha gostado de mim como pessoa então tava tudo bem...  olhei pro lado vi que os casais estavam praticamente todos formados, eram os mesmos de cada carro, acho que isso aconteceu naturalmente como me dissera o Romualdo.

Os casais  já estavam se formando, porque vi o Romualdo com a mulher trocada, inclusive nós, disfarçadamente olhava pra minha mulher e com o sinais no olhar a gente se comunicava silenciosamente, então no clima da musica abracei por traz da  Viviane, ela aceitou passivamente, percebi que o Charles fazia o mesmo  vi o Charles também abraçando por traz a Sandra com suas mãos apalpava discretamente a barriga e os seios da  minha mulher enquanto  beijava o pescoço e protegido pelo tumulto e pela escuridão, apertava um dos seios da Sandra, observei que o outro casal também  faziam mais ou menos o mesmo, eu que já estava de pau duro por causa da Viviane, aproximei meu rosto do dela levantei seu queixo e beijei o seu pescocinho bem perto da orelha deixando-a arrepiada,  ela correspondeu e se virou pra mim beijamo-nos dessa vez  nossas línguas se entrelaçavam... , Por volta das 2 da madrugada  já se sentia um clima favorável no ar, o Charles se aproximando da gente sugeriu que saíssemos dali, entendi o recado..  e saímos, no carro a Viviane já assentou no banco da frente comigo enquanto a Sandra no banco traseiro com o Charles, dentro do carro o clima era favorável, eu estava louco de tesão, o Charles tambem, eu percebi sua excitação pelo volume indisfarçável dentro da sua calça, a Sandra e a Viviane estavam visivelmente excitadas, então  perguntei por perguntar porque já sabia a resposta, vamos por motel?? Então me dirigi a um Motel que já havia visto quando iamos.

Mal entramos no quarto,  Charles abraçou a Sandra Por trás, encoxando-a na minha frente num claro sinal explicito de que estava com tesão a flor da pele, abraçou a Sandra e começou a tirar a sua roupa apressadamente,  e eu que já estava com a mão nos ombros da Viviane abracei-a mais forte, parecia que todos estavam com pressa de consumar o ato,  já prevendo que  aconteceria, me preveni  peguei umas camisinhas e dei pra Sandra colocar em sua bolsa, eu estava certo porque 
Mal entramos o charles começou a beijar avidamente a Sandra, eu que estava com o Pau duro a noite toda peguei a Viviane e fiz o mesmo... levantei sua saia,  comecei a tirar a minha  roupa e a dela simultaneamente, a beijar-lhe os seios, enquanto beijava olhei para o lado vi a Sandra  nua e o Charles em cima dela com seu pau encaixado na buceta da minha mulher bombando furiosamente, fiquei bem mais aliviado ao perceber que eles estavam usando camisinha quando vi a embalagem rasgada jogada no chão  e eu sem muita pressa queria aproveitar bem dei o maior amasso na Viviane, enquanto ele apressadamente comia a Sandra, acho que ele não sabia controlar bem o tesão que sentia vendo minha mulher sendo comida me deu um tesão enorme maseu queria aproveitar muito bem a mulher dele, a intenção era que ele ficasse me vendo foder a Viviane quanto ele tivesse terminado porque  ele foi mais afoito quando caiu em cima da Sandra na posição de papai e mamãe mesmo, mas percebi que ela gemeu de prazer, rebolou embaixo dele, isso me deu um tesão de tal maneira que eu também queria comer a Viviane logo, mas não sem antes pedir pra ela me fazer um boquete gostoso e ela ajoelhou na minha frente e começou a chupar gostoso... de tão excitado que eu estava não demorei muito para gozar em sua boca, mas ela não gostou muito porque tirou na hora do meu gozo....

Em seguida coloquei ela ali na mesma cama deitada meio desajeitadamente mas... parti pra cima dela, comer aquela buceta. que naquele momento era um manjar pra mim..era uma buceta ruiva, carnuda, e molhada de tanto que estava excitada também... . não tive nenhuma dificuldade para penetra-la, ela se abriu toda pra mim, bombei várias vezes bem forte... até que gozei pela segunda 
vez.... depois de gozar naturalmente fiquei bem relaxado, olhei ao lado e vi que a Sandra e o Charles já tinham terminado a foda na buceta, e o maledito estava comendo o cú da minha esposa... eu não podia deixar barato, apesar de já ter gozado duas vezes coloquei a Viviane de 4 e apontei minha pica para aquele cu piscando pra mim, ela sabia que ia ser enrabada, então já estava preparada,  quando a cabeça passou pelo seu anelzinho ela deu um leve pulinho pra frente, mas depois que a cabeça passou o resto foi sem dificuldades, atolei meu pau até os grãos, sorvi cada momento de prazer que ela me proporcionava, fiquei ainda mais maluco quando ela começou a rebolar e a gemer, não demorou muito e eu gozei pela terceira vez, fazia tempo que eu não gozava três vezes numa mesma transa, estávamos cansados, caímos os 4 na mesma cama, só não dormimos ali mesmo porque o período era de 4 horas tínhamos que sair ou pagar novo período mas mesmo assim cochilamos um pouco, já estava quase amanhecendo quando fomos pro nosso chalé na pousada os outros dois casais ainda não tinham chegado, 

Chegando lá ainda demoramos um pouco pra pegar no sono, cochichando trocamos ideia sobre aquela noite, perguntei para a  Sandra o que ela tinha achado da experiencia.. ela respondeu que foi diferente... perguntei ainda se ela tinha gostado e se tinha gozado, ela falou que sim, notei que ela não estava muito a vontade pra falar sobre o assunto, talvez porque o Charles e a Viviane também estavam no mesmo chalé, acabamos por adormecer. 

No dia seguinte acordamos tarde já era quase hora do almoço quando fomos todos tomar café o Romualdo e a mulher dele estavam de pé, trocamos algumas palavras sobre a o dia e a noite anterior, ele deu uma risadinha e comentou, eu não disse que tudo aconteceria naturalmente!!, Então gostaram da experiencia?? A Sandra ficou vermelha na hora não disse nada mas eu completei, é foi diferente de tudo que já tinha feito antes..., então tá valendo a pena? Respondi que sim... ele me disse, é só o começo ainda temos hoje sábado, e amanhã domingo, muitas coisas ainda podem acontecer...

Realmente ainda tinha coisas a acontecer que eu nem imaginava, porque no sábado o dia transcorreu normalmente, dormimos até tarde almoçamos mais tarde ainda passamos o resto da tarde na pousada tomando umas cervejas e jogando baralho  até chegar a hora da gente sair, como a gente tinha bebido um pouco a mais, ninguém quiz ir  dirigindo, chamamos dois táxis e fomos pra balada curtir, devido a noite anterior todos já estavam mais soltos  principalmente depois de várias drinques que tomamos durante a tarde.., e na balada durante a noite todo mundo estava mais solto que na noite anterior, já havia intimidade explicita entre o 4 casais principalmente porque já tinha rolado o sexo que cada casal estava pré disposto quando embarcaram nessa aventura, depois da balada na madrugada voltamos pro nosso chalé
Como eu e minha mulher eramos calouros no grupo era normal que a gozação recaísse sobre nós, eles zoavam com a gente, o  Charles a certo momento embalado pela bebida falou na frente de todo mundo Adriano, adorei foder com tua mulher, ela é muito gostosa, eu meio sem jeito não deixei barato, também gostei de comer a Viviane sua mulher que também é muito gostosa, então o Romualdo com o qual eu tinha mais intimidade falou, eu também vou querer experimentar a gostosa da sua mulher, respondi oras.. se ela topar... só então que o Joca (João Carlos) entrou na brincadeira e falou se ela é tão gostosa como eles falaram eu também quero experimentar e a conversa então girou em torno disso, olhei pra Sandra e perguntei... e dai amor tá vendo eles querem você... vai ter que escolher um.. então tive uma ideia... e falei.. quem quiser comer a Sandra vai ter que fazer um lance..  quem der mais vai ter o direito de comer ela..

Começou um leilão então o Romualdo disse dou 100, o Joca embalado falou 200, o Charles que já tinha transado na noite anterior falou dou 300 pra dar outra foda com ela, os 3 queriam comer a Sandra e os lances do leilão foram aumentando até chegar a valores impagáveis, mas o clima estava muito animado, a Viviane e a Luiza mulher do Joca interromperam e reclamaram porque o leilão só pra Sandra, e nós ninguém vai querer dar lance nenhum?, no que eu peguei a gostosa da Luiza pela cintura e falei não se preocupe, eu te quero e você não vai ficar sem consolo... aquela brincadeira foi até o momento que o Romualdo de surpresa pegou minha mulher e falou vence o leilão quem tomou a iniciativa, eu .... e tascou um beijo, como estávamos todos meio bêbados a
partir daquele momento ninguém era de ninguém, minha mulher correspondeu ao beijo, eu de pau duro peguei a Luiza e tasquei aquele beijo também enquanto minha mão já apalpava os seios o Charles por sua vez pegou a mulher do Romualdo e assim os casais se formaram de novo, só que desta vez estávamos os 4 casais no mesmo ambiente, tudo conspirava para uma bela madrugada de sexo, 4 casais juntos no mesmo lugar com o mesmo proposito que era curtir.
Vendo minha mulher sendo despida pelo Romualdo, fiquei todo excitado, peguei a Luiza encostei na parede encoxei ela ao mesmo tempo que imobilizei suas mãos, de relance percebi que o Charles comia a Mulher do Romualdo e o Joca comia a Viviane, os dois casais na mesma cama,eu estava muito excitado meu pau tava durissimo, fiz a Luiza ajoelhar e apontei meu pau pra sua boca, no que ela não recusou tal oferta, chupou deliciosamente furiosamente as vezes eu até sentia um pouco de dor pela forma voraz que ela me chupava, e as vezes ela dava uma mordiscada no meu pau causando certa dor, mas o prazer era maior, em pouco tempo eu já tinha deitado a Luiza e estava em cima dela fodendo aquela buceta arreganhada que ela oferecia pra mim, eu tinha que caprichar pra causar boa impressão, afinal era nossa primeira vez praticando swing, mas no fundo eu não queria que depois em comentários ela não gostasse do meu desempenho, enfiei meu pau até o talo, e ela gemia de prazer, isso me excitava, excitado fiquei mais ainda ao ver os outros casais fodendo ali todos no mesmo lugar, eu até já tinha fantasiado situações semelhantes, mas nunca imaginei que ia realizar mesmo porque é difícil, mas eu estava ali, fodendo a mulher do próximo, e o próximo fodendo a minha mulher.
 O cheiro de sexo estava impregnado no ar, aquela aventura não foi um simples swing, uma simples troca de casais, foi uma suruba generalizada, porque depois de foder a Luiza só faltava foder com a mulher do Romualdo e eu queria foder com ela também, então dei um jeito de me aproximar co Charles, falei agora é minha vez de foder com essa gostosa, ele deixou mas pegou a Luiza que se demonstrou uma verdadeira puta porque queria foder com todos os homens presente.. ela falou que queria chupar e ser chupada, e experimentar até uma dupla penetração então nós 4 nos aproximamos dela, enquanto um chupava a buceta, ela masturbava o outro chupando mais um, foi uma suruba generalizada, as demais mulheres também entraram no clima então cada um fodeu com todas as mulheres e todas as mulheres foderam com todos os homens... 

Depois dessa aventura viramos praticantes, sempre que havia uma oportunidade a gente tava dentro


.


quarta-feira, 4 de junho de 2014

NA PROPRIA CAMA DO CORNO


Dizem que todo homem é um garanhão de natureza e a maioria das mulheres dizem ainda que homem nenhum presta, porque quando uma mulher dá bola pra ele ele não perdoa e cai matando... o que não deixa de ser uma verdade.. mas a mulher também quando quer ela sabe botar um chifre legal no marido.. e tem umas que gostam da emoção que a adrenalina causa quando ela sai com outro homem que não é seu marido... e aceitam o risco mesmo quando recebe uma proposta pra transar na sua própria cama ou seja a cama que ela dorme com o marido, candidato a futuro corno.
E foi assim que aconteceu comigo, conheci uma mulher casada, começamos a sair.. saímos umas duas ou tres vezes fomos a um motel, até que um dia estávamos na web cam ela estava em sua cama em cima de um lençol bem vermelho que se destacava na cam, brinquei com ela que parecia cama de motel, então eu falei.. Eliane... eu  quero transar com você na sua cama.. e com essa colcha vermelha,  percebi que ela gostava duma adrenalina... topou na  hora... e me falou mas vai ter que ser um dia que meu marido vá viajar, e quando ele for eu te aviso... dai voce vem e passa a noite comigo, eu perguntei mas e os filhos....  como vai fazer, ela na hora respondeu, não tem problema dou um jeito deles dormirem na avó.

Até que chegou o dia, o marido dela que era supervisor de obras rodoviárias, vivia viajando por isso não foi dificil, um dia eis que ela me manda uma mensagem dizendo que na semana seguinte o marido tinha uma viagem prevista, que era pra eu me preparar, logo dei um jeito de dizer em casa pra minha mulher que tinha que fazer uma viagem de emergência porque eu também trabalhava por conta e tinha clientes em muitos lugares, as vezes eu ia atender um ou outro e ficava dois ou tres dias fora...

Chegando o dia marcado deixei o carro em um estacionamento e ela foi me buscar, quando chegamos eu do lado do passageiro me sentia um tanto desconfortável, afinal era a primeira vez que eu ia comer minha amante na casa dela na cama dela e do marido, já tinha anoitecido quando chegamos, ela abriu o portão eletrônico, entramos, ela tinha preparado um lanche bem gostoso, terminamos de lanchar, não perdemos
muito tempo e fomos pra cama... ela parecia uma adolescente que tava enganando os pais.. no caso dela o marido, notei em seu sorriso meio artificial  que ela estava muito nervosa, mas já estávamos ali não tinha mais retorno, então deitei-me ela veio começou a me beijar me acariciar, me deixar louco, baixou minha cueca e caiu de boca na minha pica...  ela fez um boquete caprichado demorou bem uns 15 minutos chupando e massageando minhas bolas, eu estava extasiado e pedi pra ela fazer movimentos mais rápidos com a boca ajudada com as mãos me punhetando e chupando ao mesmo tempo até que eu gozei gostoso, enchi a sua boca com minha porra, ela adorava que eu gozasse na sua boca, para logo depois ela me beijar era um fetiche dela deixar eu gozar na boca dela só pra me beijar fazer eu sentir o meu próprio sabor, e assim foi até que eu não aguentando mais de tesão deitei-a e por cima dela enfiei meu pau duma só vez, com
certa violencia até tal era minha excitação, meti minha vara naquela buceta sedenta de pica, bombando várias vezes, enquanto eu bombava falava pra ela dizer quem era o seu macho naquele momento, e ela é voce... é voce ... eu a provocava mais ainda e ordenava que ela dissesse quem era o corno naquele momento, ela dizia o Afonso, meu marido, ele é um corno, eu pra provocar mais falava, voce nãot em vergonha, cornear seu proprio marido na sua própria cama... ela respondia que se foca.... agora eu quero é voce não quero nem pensar ... mas su provocava mais ainda, então repita pra eu ouvir quem é o corno, e ela é meu maridooooooo,
- eu ... mais alto.....
-Meu maridoooooo
- Mais alto.... ela  seu maluco os vizinhos vão ouvir...
- Se voce não disser eu tiro meu pau de dentro e voce não vai gozar,,
- Meu maridooooo é o corno.... e voce um safado me fazendo dizer essas coisas...
Nesses momentos a adrenalina está a mil, dois dois lados, eu gozei.. e ela já tinha gozado várias vezes, ela é
 daquelas mulheres que tem muitos orgasmos numa só transa por isso eu adoro fazer sexo com ela... em seguida coloquei a de ladinho e apontei meu mastro para o seu cuzinho, fui enfiando primeiro a cabeça, depois o resto entrou facilmente, ela gemia dizendo que tava doendo, eu falava voce quer que eu pare, mas ela insistia que eu não parasse, ela queria era sentir toda minha vara dentro mesmo que doesse então eu enfiei tudo até sentir que só as bolas ficaram de fora... demorei um pouco pra gozar porque já tinha gozado duas vezes então  bombei bombei muito até gozar, ela estava torcendo pra que eu gozasse logo e quando gozei ela sentiu como um alivio,,,,, caímos deitados lado lado a lado, e assim adormecemos... na manhã seguinte ela acordou mais cedo e foi preparar um café, tomamos o café e aproveitamos demos mais uma logo pela manhã, .... eu tinha que voltar pra casa.... então logo pela manhã por volta das 10 hs ela me levou de novo até o estacionamento eu peguei o meu carro e fui pra casa... até hoje não repeti mais, prefiro a tranquilidade do motel apesar da adrenalina..
.
.
.
.
.
.

terça-feira, 3 de junho de 2014

CINIRA E DÉBORA, MEU PRIMEIRO MENAGE

Existem certas passagens na vida da gente que nunca esquecemos, e o primeiro menage é como o primeiro sutiã, a gente nunca esquece mesmo, e tudo começou assim:

Eu tinha um pequeno escritório de vendas num prédio de dois andares, ali funcionava um escritório de imobiliária em baixo, e em cima tinha um corredor com vários conjuntos comerciais dos quais aluguei duas salas e montei um escritório de vendas de produtos a domicilio por isso tinha sempre muito movimento pela manhã e pela tarde mas durante o dia eu ficava sozinho.

Tinha ao lado um salão de beleza, e a dona chamava-se Cinira, ela era a cabeleireira, tinha ai seus 40 e poucos anos uma mulher enxuta casada, e tinha também uma manicure que se chamava  Débora tinha  uns 22 anos eu acho, uma morena de tirar o folego daquelas que a gente baba quando vê, tipo uma globeleza sus curvas eram perfeitas, e seus cabelos armados lhe davam um charme especial,  ela chamava a Cinira de mamy, como referindo -se que ela (cinira), cuidava dela como se fosse filha, a Débora frequentava  uma igreja crente e era bem recatada, eu tinha 30 anos na época nunca fui do tipo atlético, alias sempre fui meio gordinho mas eu sempre soube como lidar com as mulheres,  como a maior parte do dia eu não tinha muito o que fazer, e não rara as vezes elas também não tinham clientes, ficávamos horas  batendo papo, jogando conversa fora, e com isso fiquei bem intimo das duas, eu e a Cinira que era mais velha, falávamos abertamente sob re sexo, referindo aos cônjuges, já Débora nunca foi assim participante ativa do tema, mas ficava ouvindo-nos  já que nós três eramos casados tínhamos certa liberdade para falar sobre o assunto.

Sempre íamos fazer lanche juntos,eu sempre pagava para as duas , as vezes encomendava pizza e comíamos lá mesmo... e com isso a amizade entre nós três foi crescendo crescendo, mas entre  eu e a Cinira  tornou-se uma amizade colorida isso porque a Cinira sempre demonstrava que tava a fim de mim, ela mesmo falou uma vez abertamente que tava muito a fim de dar pra mim , e eu por minha vez estava a fim da Débora mas a Débora era jogo eu pensava que seria quase impossível, principalmente por causa do seu credo religioso, , a Cinira por sua vez não era de se jogar fora tambem, era magrinha, estava sempre bem arrumada, apesar de eu estar mesmo era a fim da Débora, de tanto a Cinira dar em cima de mim 
resolvi comer ela ali mesmo no salão, era um fim de tarde eu já tinha dispensado meus vendedores, me preparava para ir embora, a Débora já tinha ido quando a Cinira começou a provocar-me resolvi que era aquele dia que eu ia dar um trato nela,  entrei fechei a porta do salão puxei a Cinira pra mim e disse agora você vai me dá uma amostra do que voce é capaz de fazer?  Ela não ofereceu resistencia, me beijou, eu apalpei os seios delas então forcei ela ajoelhar-se e abri meu ziper e ofereci a ela meu pau que tava duro pra ela chupar ela não se fez de rogada, fez um boquete delicioso, depois disso sentei numa cadeira falei pra ela abaixa a calça e senta em meu colo, então ela abaixou a calça e a calcinha,  veio sentou em meu colo, encaixou-se gostoso e ali mesmo demos uma rapidinha.

E assim continuamos por meses até que um dia a conversa entre nós pendeu pra o tema sexo começamos a falar  sobre oral e anal, então trocávamos experiencias nossas que fazíamos com nossos cônjuges, cada um concordou que pra satisfazer o parceiro tudo era valido até que a conversa chegou na fantasia em fazer sexo  tres, a Cinira era a mais atirada e botou fogo na conversa dizia que ela até toparia, perguntou pra Débora o que ela achava, ela falou que nunca concordaria em ver o marido dela ela e outra mulher na mesma cama,  foi então que falei não precisa ser com seu marido especificamente e a Cinira completou nós tres por exemplo seria uma amizade colorida e deu risadas, percebi que ela ficou ruborizada tentou disfarçar então eu falei não precisa ficar envergonhada, foi nesse dia que eu  descobri que o motivo dela ficar assim é porque era crente.

Algumas semanas seguintes eu estava sozinho com a Cinira era fim de expediente  meus vendedores já tinham todos saído pra rua, fui até o salão da Cinira pra dar aquela tradicional rapidinha que a gente já fazia a algum tempo na hora do rala e rola toquei no assunto de sexo a tres, perguntei se ela topava, ela falou que sim mas disse só falta a terceira pessoa, eu falei que queria envolver a Débora,  a Cinira me disse que a Debora nunca vai topar ela é bem careta sem contar que é crente, eu insisti que poderíamos tentar seduzi-la,  que tal? A Cinira falou que por ela tudo bem se a gente conseguisse , então decidimos que íamos a partir daquele dia aos poucos fazer a cabeça da Débora e a Cinira tinha mais facilidade nessa tarefa porque  ela era bem chegada e confiava na Cinira.

Nas semanas que seguiram, sempre que dava estávamos lá nós conversando e a conversa preferida, então aos poucos a Débora estava ficando mais maleável, eu diria mais sem vergonha já que ela falava mais abertamente e sobre o assunto claro que sempre em tom de gozação e até já admitia até que em fantasias imaginava a situação, mas sempre insistia  que era só fantasia, ela nunca teria coragem.

Normalmente o salão não abria pra clientes nas segundas feiras , e rara as vezes alguém vinha, combinei com a Cinira que arranjaria uma desculpa para que numa segunda feira ela viesse e desse um jeito de trazer a Débora, e não demorou muito a Cinira disse que precisava fazer uma mudança dos moveis do salão mas que precisavam de alguém forte pra ajudar, claro que ela referia-se a mim, e conforme o planejado ela convenceu a Débora a vir e naquela segunda feira, despachei meus vendedores de forma que até umas 9,30 da manhã eu já estava livre.

A Cinira que já sabia do plano tinha comprado um carpet uns dias antes pra colocar no salão mas reservou pra esse dia,  ao chegarem ela falou pra Débora,  tirar a roupa para não sujar e colocar camiseta e bermuda,  logo estavam elas de camiseta e bermuda que por sinal era quase um shorts que deixava boa parte das pernas a mostra, até meio dia trabalhamos ali  mudamos a as cadeiras de lugar, arrumamos os porta livros, colocamos o tapete que elas tinham trazido, enfim fizemos uma pequena mudança que até meio dia já estava pronta tinhamos a tarde toda livre pelo menos até as 5 hs quando meus vendedores começavam a chegar, então eu disse já que estamos em roupa de trabalho, sugeri que pedissemos um lanche e comessemos ali mesmo, elas concordaram e logo o entregador estava ali, com o lanche e bebidas.

Depois de comecei a provocar elas e agora que terminamos bem mais cedo que o previsto que vamos fazer? A cinira falou ora o que fazemos sempre fazemos, conversamos e deu uma risadinha, logo falei sobre o que Politica Religião ou Sexo,? Elas riram uma falou Politica não por favor a outra disse muito menos religião, então eu ri e falei só sobrou sexo então, e rimos logo a Cinira falou é o nosso assunto preferido né, no que eu respondi melhor que falar sobre e praticar, a Cinira logo entrou na brincadeira e disse estamos sozinhos sem ninguem por perto, eu ainda estava com o copo de refrigerante na mão fiz que tropecei e derramei propositalmente na camiseta da Ci, ela falou e agora? eu falei tira que eu limpo, ela sabendo da provocação tirou na hora ficou só de soutiem e disse agora pode limpar, a Debora vendo aquela cena ficou meio sem saber o que tava acontecendo.

Fui em direção da Cinira e falei em vez de limpar sua camiseta vou lamber seu corpo pra tirar com a lingua, ela rindo disse duvido, não hesitei e parti pra cima dela comecei a lamber e abracei-a e tirei o soutiem tb, e ela não perdeu tempo tirou minha camisa e afrouxou o cinto da minha calça que eu deixei ela retirar ali mesmo, a Debora vendo isso falou hei gente eu to aqui calma deixe pra fazer isso noutro lugar, então foi que fomos até a ela e ambos a abraçamos e falamos bobinha, é aqui mesmo que vai acontecer, porque acha que viemos na segunda feira e colocamos aquele tapete ali, a arrumação era desculpa pra nos tres ficarmos sozinhos juntos, ela ficou toda vermelha na hora, então eu dei um beijo nela, ela a principio resistiu falou que era loucura, então a Ci falou, lembra-se de nossos papos sobre sexo a tres, pois demos um jeito pra isso acontecer hoje, aqui nós tres, no que ela falou, eu to fora, falar sobre é uma coisa fazer já é outra bem diferente e tentou ir rumo a porta pra sair

Foi então que eu  segurei firme a Debora pelos ombros puxei-a pra mim e comecei a beijar enquanto a Cinira tentava encoraja-la a não resistir, falava que era a chance que não tinha problema ninguem ia saber de nada que que contecesse ali que ficaria entre nós, aos poucos fui sentindo que a resistencia diminuia e eu aproveitei que as defesas dela estavam abaixadas  pra tirar a sua roupa tambem, primeiro a camiseta, depois o soutiem e comecei a beijar seu pescoço enquanto a Cinira me abraçava por traz, beijando minhas costas estava uma delicia eu feito um sanduiche entre as duas, beijei a boca e ela já correspondia, abaixei a bermuda e a calcinha dela, foi quando vi o corpo que eu já sabia ser escultural, era ainda mais, fiquei ainda mais tarado.

Então deitei-a no tapete, puxei a Cinira, tirei a bermuda e a calcinha da Ci, estava ali as duas na minha frente deitada e eu deitado do lado,  então comecei a acariciar o corpo da Debora pra deixa-la mais relaxada, com minhas mãos toquei seu sexo masturbando suavemente seu clitoris, depois com a boca dei um trato na sua buceta, enquanto a cinira acariciava o seu corpo, derramei um pouco de liquido do refrigerante sobre seu corpo e comecei a lamber, essa foi a gota dagua que fez com que a Debora baixasse toda sua guarda se entregando finalmente por completo gemia como quem diz pode possuir sua femea que está no cio, mas eu não queria possui-la ainda queria deixa-la mais louca ainda com a ainda, então as duas deitadas do meu lado e eu no centro com uma mão eu masturbava a Debora e com a Outra eu masturbava a Cinira.

Depois sentei numa cadeira e a a Cinira de joelhos me chupava gostoso enquanto eu e abraçado ao corpo da Debora beijava seus seios e com a mão continuava masturbando, senti sua bucetinha morena toda molhada, falei entãopra Ci, deixa a Debora tomar seu lugar, então aquela morena gostosa ajoelhou-se na minha frente e me fez um boquete gostoso, eu segurava em seu cabelo e forçava meupau entrar todo na sua boca, as vezes parecia que ela ia engasgar eu afrouxava, depois desta sena fiz Debora sentar em meu colo, parece que a Ci ao ver aquela cena ficou maluca de tesão e deitou no tapete e começou a masturbar-se enquanto eu fodia com a Debora, aquela mulher menina de 22 aninhos que era crente e praticamente recem casada estava ali encaixada em meu pau num rebolado que até então eunão tinha sentido prazer tamanho,eu estava sentindo-me até meio culpado de ter armado aquele plano pra seduzi-la, só que ela era tão gostosa e era minha naquele momento, sentada em meu colo rebolando em cima do meu pau e senti que ela estava se soltando e gostando da situação pelo menos naquele momento, porque ela rebolava e gemia, enquanto eu metia na Debora via a Cinira no chão se contorcendo de prazer em assistir a cena,ela começou a cavalgar num sobe e desce repetidamente até que gozou, eu  ao sentir ela gozar também  gozei junto. Quando ela saiu do meu colo, veio a Cinira e disse agora é minha vez, putz, eu
estava exausto e tinha que dar conta de outra femea com uma vontade insaciavel, então a Debora foi até o banheiro se limpar e eu por minha vez estava metendo na Cinira que já estava deitada no tapete, posicionei meu pau na porta da sua buceta e enfiei sem do nem piedade, claro que é modo de dizer porque ela estava encharcada e não tive dificuldade nenhuma pra penetrar, então em movimentos rapidos de vai e vem.... transamos até gozarmos, depois de gozar na buceta falei baixinho em seu ouvido, agora pra o serviço ser completo quero comer seu cu, ela no auge dos seus 40 e poucos anos experiente disse que tudo bem desde que fosse devagar, lubrifiquei com saliva mesmo e posicionei meu pau na porta do seu cuzinho, aos poucos ele foi entrando e ela fazendo movimentos pra facilitar a entrada quando dei por fé já estava todo dentro, e a sensação e comer um cuzinho é indescritível, é bem mais apertadinho e isso dá um tesão enorme, depois de sentir o meu pau todo dentro, comecei a bombar, cada vez mais forte até que eu sentia que não ficava nenhum milimetro fora só as bolas do saco batendo nas nádegas, quando finalmente gozamos percebi que a Debora estava de pé olhando.
Eu me dirigi a ela dei um beijo comecei a acaricia-la novamente e falei vc já fez assim? Ela respondeu negativamente então eu provoquei vem eu quero vc assim também, ela disse não de jeito nenhum, já foi muita loucura participar do menage, agora dar o rabo estava fora de questão, na verdade eu estava provocando ela mas estava exausto não sei se daria conta do recado pra mais uma, mas a Débora era um mulherão que valia apena um esforço final, deitei ela no tapete então comecei a acaricia-la por traz, como ela se recusava a me dar o cuzinho enfiei na buceta mesmo, meti gostoso, era minha realização, depois dessa sessão  nos recompomos e nos vestimos e nossa tarde acabou assim.

Depois disso sai algumas vezes com a Debora outras com a Cinira mas nunca mais repetimos o menage.

UM SITE DE CONTO ERÓTICO ME RENDEU UMA AVENTURA

Corpo do conto

Eu trabalho no ramo de instalação e manutenção de alarmes, e dou assistência a domicílio, então é comum eu atender clientes de ambos os sexos..., como minha área está intimamente ligado com informatica, porque tenho que configurar computador para acessar câmeras remotamente, os clientes sempre me solicitam algo mais, e minha aventura foi quando numa dessas instalações uma cliente na faixa dos seus 36 anos me perguntou se eu sabia como fazer uma limpeza dos programas que não precisa no dia a dia porque o micro dela que estava muito lento, pra mim era fácil.... comecei passando um anti vírus, desinstalei alguns fiz uma faxina geral, perdi uma hora mais ou menos e ela ali do meu lado sempre perguntando sobre alguma coisa... eu já estava excitado porque ela estava sozinha e era uma gordinha daquelas gostosonas, fiquei imaginando se eu teria coragem de passar uma cantada...

E por ela valia a pena correr o risco porque ela tinha mais ou menos 1,65, calculo uns 65 kgs, bunda  arrebitadinha e os seios pareciam duas chupetinhas, porque os bicos se destacavam, provavelmente ela estava excitada também.. notei que ela tinha as  pernas bem torneadas e lisas,  cabelos na altura dos ombros.  boca bem carnuda, e sensual.

Fiquei ainda mais excitado porque ela usava um  short bem folgado e uma blusinha de seda bem fina quase transparente, dando pra ver discretamente seus lindos peitos , eu não conseguia relaxar diante de tamanha tentação, ela me disse que estava sozinha em casa que o marido só chegava tarde da noite então eu estava ali sozinho com aquela gostosa pensei, não vou aguentar.
O computador estava no quarto deles, numa pequena escrivaninha ao lado da cama, quarto era apertado por causa dos muitos móveis, pode-se dizer que  folgado mesmo só em cima da cama de casal que era bem grande,  tomava quase todo o espaço, depois que coloquei tudo em ordem comecei a configurar o computador para acessar as câmeras pela internet, e ela  na cama atrás de mim quase dava pra sentir sua respiração por sobre os meus ombros, ela falou que não queria perder nada pois não sabia praticamente nada de computador e queria aprender, aquilo me deixava nervoso e dava vontade enorme de lhe passar a mão, pegar nos seus peitos que de vês em quando ela encostava em mim, comecei a navegar na internet para ensina-la algumas coisas a mais, visitei alguns sites  para ensina-la a navegar, em meio a essa navegação ela falou... que na internet tinha uns sites bem quentes..eu lhe perguntei e vc quer conhecer alguns desses sites? Ela respondeu que sim, encorajado com essa afirmativa  eu fui direto para um site de contos eróticos que conheço, ao entrar normalmente vem aqueles banners de propaganda erótica ela se demonstrou interessada no tema, sugeri ler um conto, já que estávamos no site pedi pra ela escolher um titulo, notei que ela estava maravilhada com tudo o que lia ao meu lado, ela ja estava sentada ao meu lado apoiando-se no meu ombro direito e com as pernas dobradas em cima da cama, seus peitos me furavam as costas e seu perfume me enlouquecia,

Confesso que tremia de nervoso , minha respiração estava acelerada, então ela me sugeriu uma bebida, aceitei e ela saiu logo  veio com o copo, e colocando sobre a mesa do computador, sentou-se ao meu lado continuou lendo as sacanagens dos contos, naquela hora eu perdi o receio e pousei minha mão na sua perna, ela retribuiu colocando a mão no meu joelho, começou a alisa-lo devagar eu fui acariciando explorando nessa altura já não lia
mais conto nenhum porque eu tinha feito ela deitar na cama fui descendo e cheguei a sua bunda, meu pau estava muito duro naquele momento, ela começou a roçar a cabeça no cacete e alizar minhas coxas demonstrando estar muito a vontade, eu fui invadindo a sua privacidade, enfiei minha mão no seu short e comecei a acariciar sua bunda por sobre a calcinha, depois entrei por baixo dela e cheguei ao seu cu com o meu dedo, ela ja estava com a mão acariciando o meu pau,  até que ela o beijou, depois virando-se de bunda pra cima abriu a minha bermuda e puxou o mastro pra fora ,  e caiu de boca engoliu tudo e começou a mamar, a sugar, eu desci seu short para as pernas e comecei a cultuar aquela bundinha gostosa, quanto mais ela chupava mais meu pau crescia e ela ficava admirada segurando firme no pé do cacete e enfiando quase tudo na boca, eu enfiava um dedo no seu cu e outro na boceta, ela gemia e pedia mais em seguida me deitei na cama, terminei de tirar as peças de baixo de sua roupa e começamos um belo sessenta e nove, ela em cima me oferecia sua boceta raspadinha, limpinha, e seu cuzinho, tudo cheirava sexo dos mais gostosos, eu a lambia toda, do grelho até o cu, e ela chupava e
tocava punheta até que a gente gozou juntos, ela dava estocadas como louca de encontro a minha boca e seu corpo se contorcia num gozo violento, eu enchi sua boca de esperma, que ela engoliu tudo, deixando meu mastro limpo, e sempre espremendo querendo que saísse mais leite.
Não satisfeito coloquei ela na cama e dei uma chupada fenomenal naquela bucetona, era minha intenção deixa-la bem louquinha, para depois enfiar meu pau sem dó, ela estava la deitada na cama de pernas bem abertas buceta arreganhada pra mim, logo depois de chupar e lamber a vontade..... dar aquela metida bem gostosa e eu tava taradão, encostei em seu ouvido e falei to percebendo que tu é bem safadinha né... gosta de uma aventura... ela respondeu claro quem não gosta de ter prazer, falei-lhe então em tom de brincadeira se prepara que la vai vara..... ela respondeu só se for bem grossa e dura, então a coloquei de
4 e enfiei meu pau numa só estocada até o fundo ele gemia e arfava igual a uma gata no cio, mas que mulher mais gostosa nunca tinha antes comido uma mulher que nem aquela, ela rebolava e gemia, até que eu quase exausto ainda quiz comer o seu cu, falei putona agora voce vai ver o que é bom, vou arregaçar o seu cu, ela toda cadelona dizia vemmmm, não fala nada, vem pode comer a vontade eu aguento e ainda quero mais voce que não vai aguientar, e ela tinha razão depois de eu gozar umas tres vezes já estava batendo biela, mas ela insaciavel, caiu de boca novamente em meu pau fazendo ficar duro de novo, e não tive como dizer não, tive que dar outra metida gostosa, até não aguentarmos mais.

Quando sai daquela cliente, estava satisfeito em todos os sentidos porque ela me pagara bem em dinheiro e ainda me deu um bônus de transar com ela 

segunda-feira, 2 de junho de 2014

MEU CUNHADINHO

Sou casada.....baixinha tenho apenas 1,52.......loira....não tenho corpo de violão...mas sinto que  os homens gostam, pelos assovios que ouço quando passo pela rua,  então  pra contar minha história começa que tenho um cunhadinho 17 anos do tipo safadinho  e é muito lindo e gostoso.....como já estou casada  há 8 anos o conheço-o desde criança....acompanhei seu crescimento então jamais pensei na possibilidade de transar com ele, ainda mais por ele ser muito novo, alem de ser cunhado .. sempre nos damos muito bem e  sempre fomos muito amigos,  morei na casa dos sogros por um período porque era um sobrado grande, isso até construirmos a nossa própria casa..  nessa época ele tinha 15 pra 16 anos.. quando morávamos juntos nunca nada aconteceu, ate que me mudei, mas íamos visita-los sempre 

Então passado um ano mais ou menos  fui  passar um final de semana na casa dos pais dele.... porque meu marido ia ter que passar a noite montando umas maquinas na empresa que ele trabalhava que estavam mudando de local, precisavam do meu marido .. como era um fim de semana pra não ficar sozinha decidi ir dormir na casa dos sogros.. meu marido me levou de carro um pouco antes de ir pro trabalho depois ele ligou pra mim por volta das 8 da noite, eu estava jantando,  e depois da janta ajudei minha sogra lavar as louças depois fomos assistir a novela na sala de TV que era na parte superior do sobrado onde tinha um grande sofá,  eles tinham o costume de estender um colchão no chão pra alguns assistir deitados que era mais confortável...coloquei então uma camiseta e um shorts de malha já me preparando para depois ir dormir... naquela tarde havíamos ido a locadora locamos uma porção de Dvds para o fim de semana.. começamos a assistir o DVD que meu cunhado havia locado naquela tarde, eles queriam assistir um de ação... mas eu falei que preferia um estilo mais romântico, para agradarem-me porque eu era visita deixaram-me escolher... mas com o passar do tempo meus sogros já cansados da lida do dia foram dormir, fiquei apenas eu e meu cunhado assistindo... deitados naquele colchão, reinava um silencio.. eu meio cansada também virei para o lado e cochilei meu cunhado  encaixou-se de conchinha em mim e começou por me fazer um cafuné.... acariciando meus cabelos e minha nuca discretamente .. acabei por acordar mas não abri os olhos porque estava muito gostoso aquele carinho, deixei rolar... a certa altura já levemente excitada instintivamente me ajeitei acabei fazendo um movimento com o bumbum encaixando melhor nele    percebi pela sua respiração que estava mais ofegante que ele tava ficando com tesão. 

Ele me abraçou de uma forma mais forte, ate ai sem problemas, se não fosse pela mão dele que começou a percorrer suavemente meu corpo por cima da camiseta, chegando  na minha perna ele foi sutil e passou a mão bem de levinho me deixando arrepiada, senti que sua respiração estava cada vez mais ofegante até senti em meu pescoço, ai quem ficou com tesão fui eu, como eu não o repreendi  ele percebeu que se insistisse um pouco mais teria sucesso foi quando ele começou a provocar um pouco mais, deslizando bem devagar a sua mão pelo meu corpo, foi mais ousado e  colocou a mão por baixo da minha blusa na altura da cintura e eu fingia me ajeitar e ele roçava seu membro duro nas minhas nádegas,  num explicito jogo de sedução, sentia o roçar de seu pau que estava duro, mesmo excitada eu estava com muita vergonha eu estava ali passiva gostando daquele joguinho com meu cunhado, e ele muito sem vergonha começou a acariciar minha xaninha enfiando a mão dentro do shorts e mesmo por cima da calcinha que estava molhada, ele passava a mão na minha xota, que já naquela altura já estava encharcada, ambos estávamos calados a escuridão do recinto nos encobria, e estávamos numa explicita  cumplicidade, sentindo que as barreiras estavam vencidas ele baixou meu shorts e tirou minha calcinha  e por trás enfiou seu pau na minha xaninha me levando a loucura,  estavamos sozinhos no maior silencio, só dava pra ouvir a respiração 

ofegante dos dois... ele bombou varias vezes até gozar, senti seu esperma quente dentro de mim....

De repente ele tirou seu pau e queria enfiar no meu cuzinho, a principio eu não queria, tentei impedir mas não podia fazer barulho porque meus sogros estavam no quarto proximo, acabei por ceder aquele assédio, quando ele enfiou meio forçado eu não curti muito, mas quando me acostumei com aquele volume dentro de mim, comecei eu mesmo a me masturbar, ai que eu gozava mesmo, nesse vai e vem eu gozei umas 3 vezes, e  ele gozou dessa vez dentro do meu cuzinho, já que eu tinha deixado ele me comer, eu queria mais  e ele ainda um pouco cansado comecei a excitá-lo de novo, foi quando ele começou a  falar baixinho no meu ouvido a chamar  de puta safada, de cadelinha gostosa e outros palavrões, eu não aguentava mais de tesão e sua mão foi direto para minha boceta que já estava fervendo novamente. Ele enfiou seus dedos no meu clitoris, llogo enfiou a cabeça por baixo do cobertor e  chupou minha boceta como ninguém, fiquei louca, nunca imaginei que ele tão novinho soubesse fazer tão bem,  e eu sabia que não tinha muita experiência, mas enfim, me surpreendeu e com isso fiquei ainda mais com tesão, gozei em sua boca ele delirava, eu  não conseguia ter reação ao que estava acontecendo, estava enlouquecida, ate esqueci que meu marido foi quando ele me falou que queria comer de novo meu cuzinho e eu sem reclamar dei novamente....transamos muitas vezes durante a madrugada, logo de manhã decidi tomar banho para não deixar marcas do que tínhamos acabado de fazer 

SEXO DEPOIS DAS AULAS


Eu já estava sem sexo em casa por mais de duas semanas, não era porque eu queria, mas o maridão depois de 20 anos de casada já não me procurava mais assiduamente, eu sempre fui ativa, mais ativa que meu marido, e 15 dias sem sexo pra mim era uma eternidade..


Eu lecionava numa escola de adolescentes, de 5 a oitava série, período noturno, e uma vez por semana em vez de dar aula eu ficava na permanência, uma especie de reserva se outro professor faltasse só então que eu o substituiria, e nessa permanência eu ficava na sala dos professores sempre corrigindo provas ou adiantando aulas do dia seguinte isso era uma rotina, coincidia que nas minha permanências quase sempre o professor Murilo também tinha permanência junto com outros professores professores, mas como sempre faltava alguém era comum os professores da permanência voltarem pra sala de aula, e era comum também eu ficar sozinha com o prof. Murilo, que me paquerava discretamente mesmo sabendo que eu era casada, mesmo porque o fato de ser ou estar casado não impede ninguém de desejar outro alguém .


Ele também era casado, e muito discreto por sinal, tinha uns 45 anos bem apessoado e muito gentil, eu jamais imaginaria que teria algo com ele, e como dizem a ocasião faz o ladrão, um belo dia em fim de expediente restando apenas nós dois na sala dos professores, eu estava guardando as coisas me preparando para ir embora quando ele se aproxima de mim e diz..
-Amanda... voce é uma mulher muito atraente sabia...
-Obrigada, gentileza sua..
-Não é gentileza é a verdade te acho uma bela mulher
-Bela?? Já passei dos 40...
-Mas ainda mantem o charme... respondeu ele
-Fico lisongeada com seu elogio.. Murillo
-Sabe Amanda.. eu queria tanto saber o gosto dum beijo seu...
Pensei que ele estava brincando, mas segurou me bem forte  e puxou-me para si me tascando um beijão na boca, só que na hora pega de surpresa eu fiquei estática e não correspondi... e ele falou credo mas que frieza... no que eu imediatamente interpelei.. Murillo, você é doido é...
- Sim sou doido, mas doido pro você Amanda...  em seguida me puxa e me dá outro beijo tenta invadir minha boca com sua lingua, nesse momento eu retribuo discretamente... ele envolve o braço pelo meu corpo e beija mais forte ainda.. acabo retribuindo... mas quando dou por fé do que eu tava fazendo me afasto.. e falo-Murillo é melhor parar......, ele então com uma carinha de garoto que cometeu um deslize me fala... - Ah!! Amanda, deixa eu te acariciar só um pouquinho... e dizendo isso me abraça novamente
- Para Murillo a porta tá aberta alguem pode chegar ..
Ele então vai até  a olha pros dois lados  porta e a fecha...  pronto.. não tem ninguem por perto, vai só um pouquinho não tira pedaço é rapidinho depois vamos.
Sem que eu  diga nada ele me abraça e beija enquanto me beija toca meus seios... fiquei com a calcinha molhada na hora... depois ele levanta minha saia tento evitar mas ele implora.. acabo cedendo, ele toca minha calcinha por cima da minha vulva, afasta um pouquinho e toca com a ponta do dedo na minha vagina, toda molhada, no que eu recuperando a razão falo..
- Pronto chega, por hoje já foi até demais.... pego minhas coisas e saio.

Nesta noite ao dormir lembrando-me do ocorrido a tarde, não resisti a tentação, me masturbei gostoso pensando no Murillo, impossível foi não imaginar-me transando com ele afinal ele não era um mau partido, era atraente gentil e discreto, o que mais uma mulher poderia querer, gozei me masturbando ao lado do meu marido  que já estava roncando.. nem percebeu...

No dia seguinte sexta feira eu procurei evita-lo o dia todo, cumprimentamo-nos formalmente até que no fim das aulas eu peguei minhas coisas rápido e sai.... na semana que se seguiu, foi normal, nos falamos mas não tocamos no assunto o silencio reinava e eu fiquei mais tranquila por isso, até que chegou a 5 feira, dia da permanência, eu teria que ficar com ele novamente na sala dos professores, talvez sozinha, e isso eu queria evitar.. mas não tinha jeito, então depois do recreio os alunos entraram em sala, eu fui pra sala dos professores, peguei um monte de provas e comecei a corrigir.. o Murillo chegou alguns minutos depois, ficamos só nós dois.. eu estava assentada numa mesa aos fundos comecei a corrigir as provas, Ele sentou-se do meu lado... sem dizer nada colocou a mão sobre minhas coxas... falei pra ele parar mas não adiantou... meu medo era que alguem entrasse de repente.
Mas na posição que estávamos mesmo que entrasse alguém não conseguiria ver a mão dele nas minhas coxas como eu não o impedi ele continuou, e  rapidamente subiu para “ela” que já estava de novo molhadinha, eu fingia estar corrigindo  provas e ele fingia também que estava lendo alguma coisa, e seus dedos  me acariciavam. Ele colocou seu dedo de lado da minha calcinha e começou a mexer no meu grelinho. Não conseguia mais me controlar. Abri totalmente minhas pernas e deixei ele fazer o que quisesse. Ele então enfiava o dedo completamente e eu já estava gemendo baixinho de repente ele se levantou e me pediu para ir com ele que me levou até o almoxarifado que situava-sew nos fundos do corredor da sala dos professores olhamos pra ver se não tinha ninguem por perto observando, entramos  e o Murillo  trancou a porta por dentro mal entramos já começamos a nos beijar loucamente. eu já estava em brasa. ele conduziu minha mão para acariciar seu penis… por cima da calça eu fiquei mais louca ainda ele abriu o zíper e o tirou  pra fora rijo, cheio de tesão. Era um belo membro. Eu comecei então massagea-lo e fazer movimentos de masturbação indo e vindo, pra ele enquanto ele levantava meu vestido e enfiava a mão por dentro da minha calcinha em cima da minha bunda.
Eu gemia e mordia meu lábios. ele então me virou de costas pra ele e colocou mesmo sem tirar minha calcinha colocou seu penis.. no meio das minhas coxas, enquanto ele enfiava sua mão dentro da minha calcinha e começou a masturbar meu grelinho.
Sua respiração ofegante na minha nuca me deixava mais alucinada ainda. Sentia o penis dele quente e duro raspando em mim por cima da calcinha, não resisti falei
- Mete Murillo, vamos acabar logo com isso antes que alguem nos pegue. no fragra
pode me possuir, a vontade sou toda sua
- Não,....  quero te foder bem gostoso, mas não aqui, vai ser numa cama.
- Mas.... não agüento de tanto tesão, Murillo..
- Ele então apontou o penis pra minha boca e falou ...Chupa Amanda  Chupa pra mim… Aquilo foi quase uma ordem. Me abaixei e enfiei-o duro e inchado na minha boca. ele gemia alto.
- Isso Amanda Como você chupa gostoso. Vai, chupa mais… Aquilo me deixava ainda mais louca e eu lambia ele todo. Não demorou muito e comecei a sentir os jatos  inundando minha boca. Foi tão forte que quase engasguei.
Ele estava saciado, mas eu não mas ele não me deixou assim...  ele levantou  meu vestido… e me masturbou bem  gostoso até que gozei... minhas pernas amoleceram
- Amanda, eu quero mais de você. e sugeriu... Vamos para um motel...
- Não,  Preciso ir para casa.
- baixei minha saia, respirei um pouco e saimos.... já era quase hora de ir embora...

No dia seguinte qual não foi minha surpresa quando lá pelas 3 da tarde toca a campainha. Era o Murillo,  ao ve-lo a  principio fiquei assustada com a sua ousadia, mas meu marido só voltaria depois das seis da tarde deixei o Murillo entrar e ele não perdeu tempo  foi logo me abraçando e me despindo. Quando me dei conta já estávamos os dois nus na minha cama ele então começou a me chupar com maestria e me levando a loucura. Gozei feito louca! seu pau pulsava de tanto tesão. quando chegou hora de sentir ele dentro de mim. Fiquei de quatro e ele veio por trás… e fez gostoso!! Ele estava me possuindo na cama como ele queria, só que era a minha cama....
- Amanda..
- O que??
- Vou meter gostoso dentro de você.. posso??
- Sim  Murillo, pode, pode  meter tudo, pode não deve.. .. . Aaaiiiiiiiiiii. Deliciaaaaaaaa.
ele enfiou em mim aquele penis que não era avantajado, não era tão grande mas era de bom tamanho pra me dar prazer...., pude sentir cada centímetro entrando e saindo.... num ritual safado de prazer...

Gozamos praticamente juntos e fizemos muito barulho. Quase todos os dias a gente dá uns malhos lá na escola. E de vez em quando ele vem me comer aqui na minha casa. e meu marido nem desconfia de nada..


MINHA MANA, EU E UM FILME PORNÔ


Minha Irmã Sara, chamamos de Carlinha por ser a caçula, é do tipo decidida ela recém completou 18 anos, mas desde adolescente é namoradeira a danadinha... e não é porque é minha irmã, mas ela é gostosinha, loirinha olhos azuis, e eu sou tres anos mais velha que ela, e num belo dia chegando em casa depois do trabalho ao entrar no meu quarto dou de cara com ela de mini-saia azul mexendo no meu armário.quando me viu entrar nem se abalou, virou-se pra mim com alguns DVDs pornôs que eu guardava no fundo de uma das minhas gavetas onde eu esperava que ninguém fosse  mexer, principalmente ela, e principalmente porque eu sempre mantinha meu quarto trancado, não sei como ela conseguiu a chave, então ela olhou pra mim como inquiridora...
- O que esse tipo de DVD faz em seu quarto ...
- Voce não tem nada com isso, e nem devia ter mexido nas minhas coisas (disse esbravejando)
- Eu tinha a certeza que você tinha  deste tipo de  filmes aqui guardados porque todas as noites quando me deito ouço gemidos do tipo pornográfico mesmo você deixando o som bem baixinho.. só podia ser de filmes fiquei com curiosidade e quis assistir a um também. porque nunca vi nenhum.

- Agora que vc chegou que tal  ver um desses filmes juntos
- Você tá louca... de jeito nenhum !!!!
- AH mano que que tem.... quero ver um...
- Não de jeito nenhum.. já falei ...
- Então que tal eu contar pra mamãe hem!!!
Minha irmã estava me fazendo uma chantagenzinha, não que eu me importasse, mas eu não queria pagar esse mico com minha mãe acabei concordando....

O quarto de minha irmã era junto ao meu, não admirava que ela tivesse ouvido muitas vezes o som dos filmes, pois não havia noite alguma que eu não tocasse na cama duas ou três punhetas enquanto os via, minha irmã apesar de mais nova do que eu, era bem apetitosa e já tinha tido vários namorados, de curta duração, e eu já várias vezes flagrei  ora com um, ora com outro, em amassos quentes com os namorados

Estávamos só nos dois em casa. e ver um dos meus filmes porno na companhia da minha irmã novinha e boazuda era muita tentação por isso  procurei fazer ver que aquilo talvez não fosse muito boa ideia.
- Porquê, quis saber ela.
- Porque não me responsabilizo pelo estado em que o filme me deixar,  maninha
- E qual seria esse estado.... perguntou ela
- Você sabe.... esse tipo de filme excita muito

- Ora, não acredito, vocês rapazes andam sempre com o sangue à flor da pele mas não tem problema. se ficar num estado digamos aflitivo podes  fazer o que imagino deves fazer toda noite,  tua maninha não se vai importar, nem ficar escandalizada, afinal pensa que não ouço voce quase todas as noites..  afinal qual é o dvd que mais gostas de ver? Quero ver  contigo.

Bom, postas as coisas naquele pé, respondi qualquer um , ela por acaso escolheu um que á uma loira transava com 3 sujeitos ap mesmo tempo, inclusive com dupla penetração e os caras eram bem dotados e no decorrer do filme com cenas quentes de sexo anal enquanto a atriz chupava o outro..assistimos o filme assentados os dois sobre a minha cama, bem próximos um ao outro.

Carla apesar das suas experiências com namorados ficou ainda mais fascinada do que eu com as peripécias do filme. Parecia-lhe inconcebível como uma sujeita pudesse aguentar  tantos machos inclusive metendo no cu dela caralhos tão avantajados.

Uma cena em particular a deixou alucinada, como também a mim me deixara na primeira vez que eu vi o filme, foi quando a loira levou duas picas enormes uma na buceta outra no cu enquanto chupava o terceiro

- Não acredito! – comentou minha irmã, de olhos arregalados
– A sujeitinha deve estar toda arrombada para conseguir aguentar duas picas daquele tamanhão, ao mesmo tempo na frente e atrás.

- Eu aproveitei e comentei ora  se saem bebes bem maiores  por aquele buraco, imagino que também possam entrar por ele uma pica grande como aquela – observei-lhe.eu estava excitado que se estivesse sozinho já teria tirado o pinto pra fora e tocado uma  por dentro das cuecas meu caralho pulsava de tanto tesão e de vez em quando eu fazia uma leve pressão mesmo por cima da calça.  Carla como é óbvio notou meu estado de excitação.

- Não admira que a mamãe reclame de  teus lençóis estarem sempre manchados – disse-me rindo de uma forma atrevida e apontando para o volume que se formara – aposto que tua cueca está  toda molhada. e ela tava certa, depois de ver aquelas cenas quentes  eu estava quase ejaculando na cueca mesmo.... ela comentou... é  vocês rapazes têm de fazer algo pra se  aliviar né. Queres que eu saia por uns momentos para tu resolveres esse problema da forma habitual, ou queres ir pro banheiro?

Não era bem  o filme que me estava deixando naquele estado também era  a sua presença na minha cama com suas pernas morenas nuas, o cheiro do seu perfume, o contato do seu corpo próximo ao meu, tudo isso me causava desejo mesmo sendo minha irmã mas ela era uma mulher... gostosa por sinal... . eu percebi que o filme também estava deixando-a tão excitada como eu e que provavelmente tal como eu, também minha irmã iria se tocar  no final dele quando fosse pro seu quarto,  instintivamente  pousei uma das mãos sobre a sua perna e chegando-me mais para ela disse-lhe:
- Eu aguento até ao fim. Prefiro ficar aqui contigo, maninha.

É claro que o meu interesse era outro. Eu estava com uma garota super gostosona, por quem todos os rapazes da escola suspiravam, estava vendo um filme bem porno na sua companhia, a principio pensei que não deveria me aproveitar da situação, mas estava farto de tocar punhetas sozinho o fato dessa garota  ser minha irmã nem me passou pela cabeça, ou se passou apenas me fez sentir mais tesão. Assim sem me preocupar em lhe ocultar  meu tesão, comecei a apalpar-lhe a perna e como notei que Carla estava gostando dos meus toques,  fui subindo até lhe tocar na coxa. Ela então abriu um pouco mais as pernas num convite explicito, tateei até a calcinha, mesmo por cima.. Foi nesse momento que Carla me deu um beijo. na boca.
- Querida mana  isso não vai dar certo– disse-lhe, mas meu desejo é grande por ti
- E eu por  ti, maninho. Mas é isso que nós somos: manos. E é melhor, por isso mesmo, não irmos muito mais longe do que isto – advertiu-me.
Mas eu, como qualquer rapaz naqueles momentos, não queria saber de preconceitos morais.
- Agora é tarde disse-te que não me responsabilizava pelos meus atos não disse, e agora quero beijar de língua.. que mal há em que dois irmãos se beijem?
Carla, apesar de suas palavras, não se fez de difícil e demos um bom banho de língua um no outro. Minha mão agora já lhe entrara por baixo da calcinha, e lhe tateava os lábios da vagina que estava úmida e inchada. tentei enfiar um dedo dentro mas  minha irmã me deteve.

- Não mano, isso não! Aí dentro não deves meter  nada. ainda sou virgem e quero conservar assim até encontrar o rapaz a quem me entregar. E esse rapaz não serás tu,  pode acariciar apenas   com a mão.

Não foi apenas a vagina que lhe acariciei. enquanto nos beijávamos, apalpei-lhe igualmente as mamas, primeiro por dentro da camisa, mas como notei que minha irmã cada vez estava mais receptiva aos meus avanços, eu mesmo lhe desabotoei a blusa e as tirei para fora! As mais lindas mamas do Mundo, ou assim me parecia, quando as apertei nas minhas mãos. E que durinhas estavam!
- Sua vez de pegar em minha rola e fazer caricias mana – Aposto que me sabes fazer coisas tão boas com as tuas mãos como te estou a fazer com as minhas.

Carla rindo-se abriu-me o fecho e tirou minha rola pra fora
- Grandinho! – comentou  - Ainda que para chegar ao tamanho da dos atores do filme te falte um bom pedaço.

E com a mão, puxando-me a pele do prepúcio para trás, começou a tocar-me uma punheta.
- Isso, Continua que vai indo  bem! – incentivava-a eu, acariciando-lhe os biquinhos das mamas como se me quisesse aleitar neles. Nessa altura já nenhum de nós estava ligando  para o filme.

- Só há uma coisa que não me parece bem, observou-me Carla – daqui a pouco eu vou ter de tomar um banho de água bem fria para me fazer passar o calor que os teus toques e os teus chupões nas mamas me provocam
- Não me importo nada em meter  nessa tua rachinha virgem, e  te acalmar meu docinho
–  Mas isso para Carla, nem pensar.

- Duvido que me satisfizesse –  Pelo que ouço dizer os homens sem experiência nessa matéria não se aguentam muito tempo dentro de nós sem se gozarem,  Tens que começar a  treinar com suas namoradinhas antes de pensares em meter na minha rachinha, se o fizeres e quando eu perder a virgindade talvez te deixe enfiar sua rola na minha rachinha..
Entusiasmado com aquela promessa ofereci-me então para acalma-la de outra forma.
- Baixa a calcinha, Carla – falei – Baixa a calcinha que eu vou passar-te dar um banho de língua no filme que assistimos.

Carla falou, mas só chupar tá... tirou então a mini-saia e a calcinha e eu, depois de a ter beijado longamente fiz-lhe um oral como já vira fazer muitos nos dvd’s que tinha escondidos no armário.

- Coloquei-lhe com as pernas para cima, apoiada em meu ombro.. Carla colocou-se tal como eu a mandara, os lábios inchados da vagina bem à mostra, e eu ajoelhado comecei a lambê-la. Minha irmã devia estar adorando e quando estava pra gozar  apertou-me a cabeça com força entre as suas coxas como se me quisesse estrangular com elas.

- Isso! Lambe-me toda, maninho lambedor! Aii! Que língua mais gostosa! Ahhh, maninho! Que Bom! Lambe, lambe gostoso! Lambe mais!

Quando gozou senti um líquido aacido escorrer-me pelos lábios que saia  da rachinha virgem de minha irmã!
- Gostaste, querida maninha? – perguntei-lhe no final.

- Muito, – confirmou-me ela – Tanto que vou de te retribuir  e tratar de apagar teu fogo, uma vez que pretendo continuar virgem só vejo um jeito de te aliviar. Acabando o que comecei a fazer com as mãos... uma punheta tocada pelas mãos da minha irmã ali  nua na minha frente.. era tudo que meu tesão queria..

- Chupa-me Carlinha – pedi-lhe chegando-lhe o caralho na boca – Fazes isso para o teu mano!

Carla rindo disse que imaginava que  eu lhe fosse pedir tal coisa, disse-me que pusesse de pé sobre a cama pois me queria chupar o pau quando ela começou a lamber a cabeça do pau sentiu aquele liquido transparente que escorria ....

- Que porra salgada  tens, mano! –

- É a primeira vez que provo porra  na boca. E calhou logo de ser a do meu irmão mais velho, falei-lhe ainda não é a porra esse é apenas um liquido lubrificante.. a porra vem logo
A ideia de estarmos cometendo incesto, embora não totalmente consumado uma vez que não havia penetração, excitou-nos  a ambos, Carla enquanto chupava tocava-se-se na vagina com as mãos, e eu lhe dava uns bons amassos nas mamas.
ela falou-me vou apressar na punheta pra vc gozar logo.... então lhe falei...

- Não mana, não quero gozar com uma punheta, punhetas toco-as eu mesmo deixa-me encostar a pica na rachinha do teu cuzinho e gozar em cima dele – pedi-lhe, assim continua virgem ..
Mas Carla não queria tal coisa.

- Não, maninho, é arriscado –  A porra pode escorrer para a minha vagina, e eu  acabar grávida. Seria o cúmulo, grávida e  virgem. E ainda por cima gravida de ti, meu irmão.

Minha irmã tinha razão, não havia necessidade de o fazer, nem eu queria ser o responsável por lhe ter tirado a virgindade falei então... mana tem outro jeito vc continua virgem e eu gozo dentro de voce.. e o melhor não tem perigo de ficar gravida...  ela me perguntou como... falei-lhe lembra-se do filme, pois vou meter por trás penetrar-lhe no cuzinho.... prometo ir bem devagarinho,  que tal agradastes da ideia???

A principio ela não gostou, mas consegui convence-la tal era o estado de excitação que ela mesmo não pensou muito antes de dizer sim parecia a solução perfeita....  pedi pra ela se deitar de bruços e ela mesma
se ajeitar pra receber minha pica.... ela deitou-se... pedi pra ela arrebitar o bumbum rpa cima pra facilitar ela o fez... como não tinha nenhum tipo de lubrificante no quarto cuspi em seu buraquinho... encostei a cabeça e aos poucos fui enfiando bem devagarzinho... não tive muitas dificuldade em penetrar naquele território que eu pensei era inexplorado.... enfiei tudo.. senti que só as bolas ficaram de fora... comecei a bombar cada vez mais forte até gozar.... inundei o cuzinho da maninha com minha porra... gozei gostoso.... minha mana também tinha gozado.. senti pelas contrações do anel anal que prendia o meu pau...

Depois que ambos tinhas já gozados várias vezes... curioso perguntei... Carlinha.. seu cuzinho não era virgem ou era? Ela meio envergonhada me disse que eu não fora o primeiro... que ela queria manter-se virgem mas... que gostava de sexo.... e já tinha feito com namorados.... respondi eu tinha quase certeza, ela me perguntou porque, lhe respondi novamente, porque não tive muitas dificuldades em penetrar.... não resisti e falei-lhe.. viu no que deu.. você querer assistir o filme pornô junto... ela com uma carinha de safada respondeu, porque tá arrependido!! Não lhe disse nada....

Desde esse dia em diante, eu e minha irmã  ainda ficamos mais chegados e amigos que antes embora ela tenha  namorado,  suas maminhas, a sua boca ,as suas delicadas mãozinhas ed principalmente seu cuzinho, continuaram a servir-me tão bem enquanto vivemos em casa dos meus pais até Carlinha se casar, se Carla ainda fosse solteira e estou certo ainda hoje me continuaria servindo, tão gostosas foram para mim as aventuras sexuais que vivi com ela. E tudo por causa de um filme porno que a assanhadinha quis assistir comigo, no meu quarto