terça-feira, 16 de dezembro de 2014

COMENDO A CRENTE E A IRMÃ DELA

Minha historia começa quando fui fazer um serviço de reparo na casa de  uma mulher casada e crente, então deixa eu começar desde o inicio, eu trabalho com manutenção de computadores e especializei-me em configurar modens e redes para internet, eu trabalho para uma empresa que fornece internet a rádio para aqueles locais mais longe onde ainda não tem via cabos e por isso é comum eu voltar várias vezes ao mesmo cliente para resolver pequenos problemas que o cliente usuário não tem capacidade pra resolver sozinho, eu atendo mais pessoas físicas, tenho que dar o suporte a domicílio quando surge o problema, entre tantos
clientes que já atendi na minha vida aconteceu de que certa vez eu fui até a casa da dona Suzana, permitam-me trocar os nomes para que não venha a ter problemas futuros, então voltando a dona Suzana, uma coroa na faixa dos 42 anos eu tenho 33, não era tão gostosa assim, mesmo porque ela era do tipo meio cheinha, só que não deixava de ter um certo charme e por ser crente e e ter aqueles longos cabelos loiros e também por usar aquelas roupas do tipo compridas mexeu com meu libido, fiquei só imaginando como seria aquela mulher por baixo da roupa, mas ficou só na imaginação ela não me deu nenhuma brecha para qualquer investida da minha parte, resumindo na primeira vez que eu fui, fiz todos os testes, demorei uma meia hora para resolver o problema, e ela estava sozinha em casa, ela não ficou praticamente muda o tempo todo e eu não perguntei nada afinal não era da minha conta, ao sair eu lhe dei meu cartão de visitas dizendo que se ela precisasse de algo era só me ligar porque era eu que atendia aquela região.

Aconteceu de eu ter que ir mais de uma vez, já da segunda vez estava um calorão de lascar, foi quando ela me ofereceu se eu queria um suco ou uma água gelada, falei que água estava bom, e completei se bem que pelo calor que tá um suco ia cair bem, ela não falou nada se afastou em poucos minutos me trouxe um suco geladinho, tomei agradeci foi então que ela começou a conversar um pouco enquanto eu tentava resolver o problema, descobri que ela tinha um casal de filhos que estavam na escola, que o marido trabalhava o dia todo e por trabalhar longe só chegava a noite bem depois dos filhos que vinha da escola por volta das 19 hs quando a Van deixava eles em casa, conversa vai conversa vem, falei que minha família também era crente e que eu fui criado numa igreja, mas por contingencia do destino eu estava afastado ela me falou que era da
Igreja tal, (não vem o caso o nome), mas era duma dessas bem rigorosas que as mulheres não podiam cortar cabelo nem usar calça comprida, porem eu notei que ela usava uma saia longa mas que tinha uma bela fenda atrás de forma que quando ela andava dava pra ver boa parte das suas pernas, que por sinal não eram feias não, talvez o fetiche da saia me deixasse com mais tesão, conversa vai conversa vem tocamos no assunto do marido, notei que ao falar do marido ela falava com um certo desprezo, então teci  alguns comentários e ela sempre naquele tom tipo conformada, foi quando arrisquei, pelo jeito vocês não vivem muito bem né? Parece que é o que faltava pra ela desabafar, não falou mal acho que por causa da religião, mas notei que ela ficava desconfortável quando eu tocava no assunto.

A partir daí fiquei alguns meses sem ir lá de novo até que um dia aconteceu de abrirem um novo chamado, e quando eu vi era o endereço da Dona Suzana, lembrei da ultima vez e de certa forma eu fiquei entusiasmado com a possibilidade de de repente rolar algo, alias eu fui decidido a se houvesse uma brecha eu ia cair matando, ao chegar notei que ela estava com um vestido um pouco mais curto e mais florido que dantes  e como das vezes anteriores fiz meu serviço rapidinho, como estava calor e ela ofereceu um suco como das vezes anteriores, imagino que foi só por cortesia, aceitei e demorei pra tomar com isso tive a chance de conversar um pouco mais com ela, acho que ela precisava alguém pra conversar tanto que começamos a conversar, já eram quase 4 hs da tarde e eu não tinha mais nenhuma assistência por fazer então ficamos conversando, devido as visitas anteriores já estávamos bem mais íntimos tanto que falamos de igreja de filhos de esposa, e quando entrei no assunto do marido dela ela me falou que nem valia a pena falar dele, dai que fiquei mais curioso, aproximei-me dela peguei em uma das suas mãos, e falei, sabe Suzana, posso te chamar de Suzana?, Acho que te entendo, e acho ainda que ele não dá valor para a mulher que tem, percebi que ela ficou vermelha mas não disse nada, foi quando vi que o sinal estava ficando verde pra mim avançar, acariciei seus cabelos e ela aceitou de forma passiva, enquanto acariciava falava palavras de elogio tais como, você me parece ser uma mulher maravilhosa, notei uma lagrima correr em seus olhos perguntei o porque daquela lagrima ela não disse nada, então peguei um guardanapo de cima da mesa e enxuguei, ela ficou toda encabulada mas eu continuava segurando sua mão e ela não fazia menção de soltar também, eu estava excitado porque estava vendo ali uma oportunidade de comer a cliente crente, era a minha fantasia.
Não demorou muito para que eu fosse mais ousado, então aproximei-me da sua boca  e beijei suavemente seus lábios, pensei que ela ia me rechaçar, mas pra minha surpresa ela não disse nada então beijei com mais vontade ela não retribuiu mas também não recusou, então baixei minha mão direita e comecei a apalpar os seus seios mesmo por cima da roupa, ela então nesse momento parece que acordou do transe e me afastou então eu me fazendo de arrependido pedi mil desculpas pela minha ousadia falei que estava envergonhado de ter feito o que fiz, peguei minha maleta de serviço, coloquei as ferramentas dentro e fui embora.

Pensei que nunca mais ela iria solicitar assistência, ela sabia que era eu que iria, bem.. demorou um tempinho e eis que pra minha surpresa numa manhã o meu celular toca e era ela, fiquei num misto de surpresa e de alegria, afinal eu imaginava que nunca mais a veria e era ela própria que estava me ligando dizendo-me que tava com problemas e precisava que eu fosse lá para resolver... falei-lhe que só poderia atender mais pro fim da tarde.. claro que eu escolhi de proposito esse horário porque sabia que ela estaria sozinha.. por volta das 3 da tarde eis que eu chego e quando ela vem me atender parecia uma nova mulher os cabelos continuavam compridos mas ela tinha aparado as pontas e estava bem mais cuidado, o vestido um pouco acima do joelho, e ela estava usando um sapato com meio salto de forma que ficou muito mais atraente que antes, fui até o micro dela, era só um cabo de conexão que estava desconectado do roteador, isso me fez pensar que provavelmente ela tinha feito aquilo de proposito pra que eu fosse lá, quando falei pra ela o que era ela se fez de desentendida, alegou que então poderia ser um dos filhos que ao mexer tivesse acidentalmente desconectado pediu desculpas etc e tal..
Perguntou quanto ela tinha que pagar pela visita, claro que não cobrei , mesmo porque quem cobrava era a própria empresa, então falei que se ela me desse um suco estaria pago a divida, ela falou o café está na mesa não quer tomar um café? Eu disse-lhe que preferia um suco por causa do calor, ela  falou então num tom assim bem meloso.. pode  ser um suco com bolo de chocolate, falei tá bom, enquanto tomava o suco conversamos um pouco, a nossa conversa ficou bem animada e ao terminar o suco tomei coragem pensei comigo essa dona tá dando mole pra mim,  levantei-me da cadeira e fui até ela que continuava assentada, apoiei minhas mãos em seu ombro e falei acho que está precisando de uma massagem bem relaxante, e comecei a massageá-lo intimamente eu imaginava que ela não iria aceitar, mas que nada ela respondeu voce tem razão acho que to precisando mesmo, ando meio carente.... essa palavra carente foi o que acendeu meu estopim, meu pau já estava duro em ponto de bala, inclinei-me e beijei seu pescoço e ouvi um leve gemido de satisfação, naquele momento tive a certeza de que eu ia comer a Dona Suzana, então comecei a descer minhas mãos do ombro para os peitos de forma que eu massageava-o também por cima da roupa, dessa vez ela não recuou, então eu enfiei uma mão por dentro do sutiã e comecei a massagear senti ela gemer baixinho, tentei abrir os botões ela não deixou, tentou retirar minha mão alegando que não podia que não estava certo e coisas do gênero, então eu falei.. Suzana, eu sei que você também quer, relaxa e deixa eu te fazer feliz, mas mesmo assim ela não deixou eu tirar a sua roupa.Então eu a coloquei em pé e abracei-a, apesar de relutante ela também retribuiu
continuei dando uns amassos nos seus seios, enfiei a mão por baixo da saia e levantei de forma que fiquei alisando suas coxas, depois quando tentei enfiar a mão dentro da calcinha e tocar seu sexo ela fechou as pernas instintivamente e abaixou a saia tirando minha mão de lá, ela falou que não queria tirar a roupa, poderia alguém chegar de repente etc e tal... fiquei com mais tesão ainda aquela recusa de mulher que sabia que  o que estava fazendo não era certo mas sua carne pedia isso, resolvi então que aquele dia eu não sairia dali sem comer aquela dona, mesmo que pra isso eu precisasse forçar um pouco a barra, enfiei novamente a mão por baixo da sua saia e retirei sua calcinha mesmo sob os protestos dela baixei minha calça e retirei meu pau pra fora coloquei no meio das suas coxas, mas de pé estava um pouco difícil, então conduzi-a para
o quarto e a deitei na cama ela estava vestida mas sem calcinha então abri as pernas e me coloquei no meio, e enfiei todo meu membro pra dentro dela, ela fez menção de fechar as pernas, meio que choramingou, mas eu não perdoei, meti a vara toda pra dentro, apesar de não termos feito nada de extraordinário mas mesmo assim considerando a dificuldade em eu conseguir, foi uma foda maravilhosa ainda mais pela sensação da sedução, do proibido e porque aquela mulher também era proibida, foi uma foda rápida e quando terminamos a foda nos recompomos ela jurava que aquilo não ia acontecer de novo, toda arrependida, parecia que tinha cometido um crime, pedi desculpas e fui embora.

Na semana seguinte liguei pra ela, e ela atendeu, conversamos um pouco toquei no assunto daquele dia, pedi desculpas ela não falou nada então forcei uma pergunta, foi tão ruim assim ela disse-me que tinha sido  bom no sentido carnal, mas que não iria acontecer de novo por ela ser casada e principalmente ser crente que se alguém descobrisse ela iria sentir muita vergonha alem de ficar mal falada na igreja coisa e tal e pediu pra eu não ligar mais, só que continuei insistindo, ela já conhecia o meu numero e já não atendia mais,  eu mandei vários  torpedos dizendo que sabia que ela não atendia minhas ligações, forcei um pouco dizendo que era pra ela atender senão .... e deixei no ar a ideia de que eu poderia contar as coisas que fizemos, mas que nada, eu jamais faria isso, foi só pra deixa-la com um medinho, o fato era que eu queria come-la novamente.  Pela minha insistência  ela voltou a atender minhas ligações, falei que tava querendo ver ela de novo etc e tal, ela falou que na casa dela não queria mais então eu a convenci da gente sair e ir pra outro lugar, eu sabia que ela tinha todas as tarde livres então eu sugeri irmos a algum parque passar a tarde e conversar, ela acabou aceitando combinei de pegar ela duas quadras abaixo da casa dela, era exigência dela não queria que algum vizinho a visse, entrou no meu carro e saímos, onde vamos perguntou ela, onde vc acha respondi, voce logo vai descobrir, e me dirigi a um motel que eu previamente já tinha escolhido, quando ela percebeu que estávamos entrando no motel ficou toda sem jeito reclamou porque eu disse que ia a um parque, que eu estava sendo canalha etc e tal .

La dentro do quarto ela me falou que jamais tinha entrado num motel estava toda nervosa, tentei acalma-la massageando seus ombros depois deitei-a na cama e ela passivamente aceitava meus carinhos só que não esboçava nenhuma reciprocidade, estava ali deitada como uma boneca inflável, mas meu tesão era tanto que eu tava pouco me importando eu queria mais era comer aquela buceta gostosa que eu já tinha comido uma vez, consegui tirar a sua roupa deixando-a totalmente nua, ela tinha um belo corpo, quando me posicionei em cima dela pra meter a vara ela fechou as pernas de forma que dificultava a penetração, abri suas coxas meio que a força e mesmo assim fui até o fim, confesso que essa vez no motel foi meio decepcionante, como sou insistente acabei convencendo ela a ir comigo mais duas  vezes e todas as vezes ela reclamava que
nunca tinha ido a um motel que não era certo por causa da religião etc e tal, até que na outra vez  que saímos ela estava mais solta, parece que já estava conformada em que sair comigo não era um mau negocio e nessa vez ela se soltou completamente, começamos por tomar um banho juntos e fizemos sexo ainda no banheiro dessa vez ela estava totalmente desinibida, ensaboou-me todo e massageou meu pau numa punheta bem gostosa, depois eu pedi que ela me desse uma chupada bem gostosa ainda debaixo da água que jorrava no chuveiro, ela o fez, mas foi uma chupadinha assim sem graça porque  eu acho que ela tinha  certo nojo, mas foi só no sexo oral que ela ficou um tanto inibida porque quando a encostei ela com as mãos apoiadas na parede ali mesmo debaixo do chuveiro ela arrebitou a bunda e eu entrei com tudo naquela buceta e dessa vez ela fez bem gostoso, rebolou gostoso no meu cacete, enfiei com tudo e gozamos gostoso debaixo do chuveiro.
Depois do banho mal no enxugamos e fomos pra cama ficamos conversando um tempinho, ela olhou pra mim e disse-me vamos falar sério agora, até quando você continuar vai me procurando, respondi que eu gostava de estar com ela então... ela novamente me reclamou dizendo que não podia, religião marido e coisas assim, mas eu me fiz de desentendido falei pra ela que queria algo especial, virei a de bruços ela a principio me disse que não gostava de fazer anal, dai eu falei então você já fez com seu marido né, ela disse que ele já tinha tentado mas não tinham ido até o fim, dai eu falei então agora vamos até o fim, mesmo ela protestando eu cuspi no reguinho dela e mandei ver, pensei que ia ser dificil entrar ali no seu traseiro, mas pra minha surpresa meu pau entrou facilmente o que me levou a pensar que ela já estava acostumada a levar pica por traz, dei várias bombadas até finalmente gozar, depois disso nos vestimos e eu a levei pra casa.

Passado algum tempo tentei marcar outro encontro com ela mas ela foi categórica, que não ia se encontrar mais comigo porque não podia etc e tal, e aqueles papos de que ela era casada era crente e não ia mais sair comigo, mas eu sou insistente, deixei a poeira baixar e voltei a atacar, falei que eu queria encontrar com ela nem que fosse pela ultima vez, fiz uma chantagem emocional insisti tanto até que um dia ela me deu esperança dizendo que ia arranjar um jeito, semana seguinte eu liguei e acabamos marcando de novo, dessa vez ela sugeriu que fossemos passar a tarde então no litoral que era perto, a gente podia andar na areia etc e tal, só que ela teria que volar até as 7 da noite porque os filhos chegariam da escola e o marido tb chegaria um pouco mais tarde, peguei o meu carro desci a serra, sempre observando os motéis do caminho para finalizar ela na volta, descemos tranquilamente a estrada estava relativamente tranquila, é claro que durante a descida eu provoquei-a bastante falando em sexo minha intenção era deixa-la vem a vontade.

Como meu carro é isofilmado bem escuro, na volta eu resolvi testa-la um pouco, falei-lhe retira a sua calcinha e me dá.. ela olhou-me meio assustada e perguntou porque? Eu só disse tira e me dá,  vou levar como souvenir novamente ela perguntou é sério, falei claro vai retira, ela então começou a retirar a calcinha por baixo da saia eu falei levanta saia que quero ver a sua bucetinha no que ela respondeu porque??? Se você já viu não respondi e levantei a sua saia e falei reclina o banco ela não entendeu eu então mesmo com o carro em movimento eu estiquei e reclinei o banco, e ordenei que fechasse os olhos, enfiei a mão no meio da sua perna e comecei a masturba-la com a mão direita, a principio ela fechava as pernas mas eu ordenei novamente abre deixa eu te acariciar, ela então abriu, comecei a masturba-la enfiei meu dedo dentro da sua buceta e comecei a massagear seu grelo, ela gostou e em pouco tempo estava gemendo de prazer... subimos a serra toda assim eu a masturbando até ela gozar... depois voltei o banco a sua posição normal e alei pra ela que abrisse a braguilha da minha calça e me masturbasse também, ela então fez pegou meu cacete com uma mão e começou a subir e a descer a subir e a descer, eu não podia largar do voltante embora desse vontade de parar e fode-la ali mesmo, mas não dava, então pedi que ela chupasse, e ela o fez só que meio desajeitadamente por causa do movimento do carro, mas de qualquer forma me deu muito prazer, até que ao longe eu avistava a placa de um motel, e entramos.

A primeira coisa que fizemos ao entrar no motel foi irmos ao banheiro porque tanto ela como eu estávamos fedendo sexo por causa da nossa bolinação dentro do carro, em seguida eu queria logo trepar em cima dela e dar aquela foda mas ela dessa foi ela que tomou a iniciativa e começou a esfregar os seus peitos em meu peito, a massagear meu pau, a provocar-me sutilmente com seu sexo sentando bem de leve em cima d meu pau mas não deixando eu penetra-la, num claro jogo de sedução e foi assim até que nos dois não aguentando mais finalmente cedemos ao desejo e enfiei minha rola até o fundo e ela gemia de prazer, e depois dessa vez parece que ela perdeu a vergonha de vez, e a gente sempre que está a fim um liga pro outro e acabamos numa bela duma foda.

A Suzana crente tornou-e uma verdadeira puta quando estamos na cama sem limites, mas a irmã dela a Ana Paula que não é crente,  é muito mais boa de cama e muito mais liberada, eu a conheci um dia na casa da Suzana, algum tempo atras na própria casa da Suzana, ela era separada do marido e tinha um filho, a gente sempre se via até que um dia a Suzana me pediu que eu levasse a irmã pra casa, e eu fiz isso, durante o caminho a Ana Paula que é bem mais liberal e desbocada insinuou em tom de gozação, você e minha irmã hem!!!  Perguntei-lhe eu e a Suzana o que que tem, a Paula rindo falou que a Suzana lhe confidenciava tudo, eu fiquei espantado e falei tudo o que??? A Paula respondeu tudo uai, os passeios o motel.. entendi nas entrelinhas que ela também estava querendo uma aventura principalmente por eu ter sido o homem da pura da sua irmã, parece que ela queria experimentar também, acho que aquele ditado que o do vizinho é mais gostoso se aplicava a ela.
Chegamos em sua casa eu ia deixa-la e continuar em frente então ela me ofereceu um café eu imaginei que era pretexto então resolvi entrar, ela colocou o filho que estava dormindo na cama depois veio e colocou água na cafeteira enquanto isso ficamos conversando e ela visivelmente me provocando, decidi então que ia atacar, não lhe disse nada só me aproximei e falei você me provocou a viagem toda agora é minha vez de provocar, peguei-a por traz ainda na cozinha e falei agora você vai sentir o que sua irmã sente comigo que tal? Ela não falou nada e eu fui em frente, amaciando os seus peitos e levantando seu vestido passei a mão na bunda acompanhado de um belo
beijo que foi correspondido, a Paula que estava separada estava muito carente e com um fogo guardado dentro dela pronto pra ser apagado por mim, aproximei-me de seu ouvido e falei, vc quer então vai ter, e vai ser minha putinha, já dei uma com sua irmã hoje mas ainda tem pra voce tambem... e retirei sua calcinha por baixo do vestido, e em pouco tempo retirei todo o resto deixando-a nua e numa pegada forte segurei-a pela cintura para em seguida lhe penetrar com virilidade, eu já tinha transado com a Suzana irmã dela naquele dia mas com um bom intervalo eu lá estava pronto pra batalha novamente, meu pau não me decepcionou e não negou fogo, dando aquela metida muito gostosa até eu gozar, não contentando apenas em comer a buceta falei se voce quer como a sua irmã vai ter que me dar o cu também, ela não fez objeção e ainda falou, manda ver, alias eu quero ver mesmo, ver e sentir esse pauzão todo dentro de mim, quero ver até onde voce aguenta, falei olha Paula, duas eu garanto, mais não garanto nada, afinal não sou de ferro e sua irmã já sugou um pouco da minha força hoje né, e dizendo isso enfiei todo meu pau até o talo, sem dificuldades e sem ela reclamar, depois fui descobrir que a Paula embora mais nova que a Suzana foi quem incentivou a irmã a experimentar  o sexo anal.

Hoje eu ando comendo intercaladamente as duas, mas a minha fantasia é comer as duas no mesmo quarto e isso ainda não acontecer, eu acho que a Paula toparia um menage, mas a Suzana é muito mais conservadora  digamos que ela ter relações comigo ainda é aceitável, mas nos tres no mesmo quarto isso ela não admite, pelo menos por enquanto.




domingo, 30 de novembro de 2014

POR CAUSA DE UMA AVENTURA FORA DO CASAMENTO, ESTOU SENDO CHANTAGEADA

Meu marido é um homem trabalhador, trabalhador até demais, ele sai por volta das 11 hs de casa e só volta a meia noite mais ou menos, resumindo minha vida,  sou casada, tenho duas filhas que estudam na parte da tarde e a Van escolar vem pega-las todos os dias por volta do meio dia, e com isso eu fico com minhas tardes livres, tipica dona de casa, que por sinal até 1 hora da tarde quase sempre já estava bem arrumadinha, e eu passava a maior parte da tarde ociosa e para não ficar sozinha em casa eu as vezes saía ir ao shopping olhar as vitrines, comprar algumas coisinhas, as vezes vou na casa da minha irmã, essa era a minha rotina,  e para passar o tempo eu também gosto de ficar no computador vendo meu facebook, e foi pelo face que tudo começou quando eu criei um perfil fake, só pra curtir, eu mas eu não coloquei minha foto, cheguei até a comprar um chipe de celular novo, para quando entrar  nas salas de bate papo poder conversar sem ter que me identificar, a principio só por curiosidade e pra passar o tempo, mas como passar do tempo eu comecei a ficar   interessada em conhecer algumas das pessoas com quem eu falava e que pareciam legais, e deu que  acabei por conhecer uma porção de gente, no face mulheres e homens que com o tempo de conversação a gente acabava ficando mais intimo e inevitavelmente rolava uma atração a ponto de querermos conhecer pessoalmente como eu tinha comprado um chip desconhecido, e usava nome falso, achei que não haveria problemas, só que por precaução eu sempre escolhia a praça de alimentação do  shopping Iguatemi que ficava mais na mão pra mim que era só pegar o metrô e desembarcar tava na mão, e principalmente por ser um lugar público, e meus encontros era um encontro as escuras, era essa minha condição,  porque eu jamais me revelava nem postava foto, e eu tinha consciência de que esse encontro poderia acabar num motel, alias eu tinha tanta consciência que já ia preparada psicologicamente e na pratica tb porque eu levava camisinha na bolsa.

Eu  nunca escondi o fato de ser casada, quando eu saia já prevendo que ia acontecer  então eu  me cuidava e sempre  levava camisinhas na bolsa pro caso de precisar já que o homem quase nunca pensa em levar, resumindo eu nunca dava o numero do meu celular verdadeiro nem nenhuma informação pessoal porque eu tinha medo de que alguém de repente ficasse que nem grude no meu pé, por eu ser casada eu não queria um romance nem um envolvimento eu só queria curtir o prazer, eu tenho 36 anos mas sempre preferi pessoas bem mais velhas e  casadas também como eu porque eu imaginava que ele sendo casado eu não correria riscos  afinal ambos teríamos um casamento a preservar

Primeiro eu conheci o Douglas, 47 anos um cara legal, grisalho bem vestido, charmoso, não foi difícil da nossa química bater logo de inicio porque afinal eu também não era feia, eu diria que sou uma pessoa normal, baixinha, magrinha mas com tudo no lugar, então eu era assim, com certeza todos os homens gostariam de me levar pra cama mas eu que selecionava com quem eu ia pra cama, afinal tinha que valer a pena, mas eu tinha comigo uma regra, eu jamais me permitia encontrar com a mesma pessoa por mais de duas vezes justamente para não criar nenhum vinculo afetivo, nem da minha parte nem da parte dele(s).

A primeira pessoa que conheci e que rolou sexo foi o Douglas era gentil, um perfeito cavalheiro, sabia como tratar uma mulher, não era do tipo apressado, me lembro da primeira vez que sai com ele, ainda na praça de alimentação me trouxe um milk shak de morango e me disse, morango a cor da sedução, eu logo entendi ao que ele se referia, ele queria e estava me seduzindo, depois ele ele me levou a uma loja de lingerie e disse-me escolha uma bem bonita pra usar pra mim mais tarde, isso é se vc quiser, claro que era uma indireta se eu escolhesse estava automaticamente aceitando o mais tarde, mas ele era realmente encantador escolhi um conjunto preto de rendas, ele disse-me que eu tinha bom gosto...mas ele me fez comprar ainda uma meia 7/8 fumê para completar o visual, claro que saímos dali para irmos a um motel.

Chegando lá ele pediu uma suite com  hidro, me disse que queria passar a tarde comigo em grande estilo, entramos na suite ele gentilmente me abraçou, noa assentamos na própria cama ele começou a passar as mãos em meus cabelos, acariciar meu pescoço, senti que ele estava excitado como era a minha primeira vez fiquei imaginando que ele logo me deitaria na cama e se deitaria a meu lado pra gente fazer sexo, mas não foi
assim, ele pacientemente me acariciava, então ele me pediu que queria me ver usando aquela lingerie que ele tinha comprado, eu nem me lembrava mais do presente então eu me retirei até o banheiro, me despi, coloquei aquele conjuntinho de rendas e quando sai ele deu um assobio de exclamação dizendo que eu estava muito linda e sedutora, e qual mulher não gosta de elogios, fiquei envaidecida, então ele me chamou e disse-me que assentasse de lado em seu colo, então ele começou a acariciar meu cabelo novamente, a massagear meu pescoço de forma que estava muito gostoso e excitante, em meu intimo eu ficava só imaginando qual seria o próximo passo dele, mas ele sem pressa me deixava cada vez mais maluca eu estava toda molhadinha já, só então ele passou a dedicar caricias aos meus seios, eu ali sentada, e com sua mão subiam e desciam na minha barriga, ele não retirou nem o sutiã, calcinha ou as meias, passava as mãos em minha coxa, até que ele me pediu que eu me afastasse e retirasse lentamente as três peças que me cobriam,  ele continuava ali só observando enquanto eu retirava primeiro as meias, depois o sutiã, mas quando cheguei a calcinha fiquei meio que envergonhada ele percebendo disse-me continue, timidamente retirei a ultima peça, quando ele também retirou a sua roupa ligou o som do quarto e se aproximou de mim nua, abraçou-me e começou a dançar comigo, nós dois nus, isso me deixou tão excitada que não via a hora de que ele me penetrasse, ficamos assim dançando por alguns minutos até que ele habilmente me conduziu até a cama deitou-me, afastou minhas pernas, pensei que ele iria deitar-se sobre mim, mas ele ajoelhou-se a lado da cama e simplesmente começou a lamber meu sexo, meu clítoris de forma que eu louca de prazer não aguentei e gozei ali na boca dele, quando pensei que ele iria afastar sua boca por causa dos meus líquidos ele me surpreendeu ainda mais e chupou meu clítoris eu me contorcia toda, até que finalmente ele posicionou seu membro e numa estocada só enfiou até o fundo, eu tive múltiplos orgasmos nesse dia.

Ao fim da tarde nos despedimos, ele perguntou se a gente se encontraria de novo, respondi-lhe que nos falaríamos depois pelo Face então eu decidiria, naquele dia eu só queria era voltar logo pra casa, depois que eu sai do motel dava a impressão que estava sendo vigiada ou coisa assim, na volta  pra casa bateu um certo peso na consciência fiquei pensando no marido, nas filhas, parecia que eu era a mulher mais vadia do mundo no entanto não parei de conversar pelo face eu sia mais uma vez com o Douglas, depois cortei, não nos deixamos de falar mas eu não queria mais sair justamente por causa da minha preocupação em um não envolvimento de ambas as partes, ao passar de uns dois ou três anos tive a oportunidade de sair com mais 3 carinhas que conheci  sempre com a mesma preocupação, por melhor que fosse eram no máximo dois encontros.

Então eu conheci o Carlão, foi a ultima pessoa com quem eu saí, e  foi até engraçado porque ele era bem mais alto que eu que tenho 1.55, ele devia ter quase 1.80, não formávamos um casal heterogêneo, mas ele também era um cara legal, tinha muito charme, e estava na casa dos 45 anos, confesso que fui pra cama com ele mais por curiosidade mas meio com medo, a minha curiosidade era de saber se por ele ser grande 
 por isso se ele era bem dotado, e ao mesmo tempo da curiosidade me dava medo de ele ser dotado até demais e eu acabar não aguentando, mas parece que ele também tinha tara por mulheres pequenas que nem eu e insistiu tanto que eu acabei aceitando ir a um motel com ele, mas pra meu alivio ou pra minha decepção não sei ao certo ele era um cara normal, com o membro apenas pouca coisa maior que a do meu marido então foi fácil eu suportar sem nenhum problema, eu gostei quando ele me pegou no colo encaixou o pau dele em mim me levantou encostou-me na parede e  a gente transou ali mesmo de pé, foi uma experiencia diferente pra mim, até então eu nunca tinha feito nada parecido os outros caras com quem eu tinha ido pra cama pareciam apressados, queriam logo ir aos finalmentes mas com o Carlão não, era algo novo a cada transa, sempre algo diferente, sem pressa, ele beijava-me em toda a extensão do meu corpo de forma que com o Carlão comecei a gostar de fato do modo que ele a ter mais confiança e eu saí várias vezes e esse foi meu mal, porque numa das vezes que a gente se encontrou ele me vendou, como ele sempre criava algo diferente que não estranhei quando ele me vendou, começou a acariciar meu corpo, primeiro passou um
creme e começou a massagear, com um óleo aromático em todo meu corpo, muito bom muito gostoso, me levando ao êxtase, e eu ali vendada deixei ele fazer de tudo comigo,  ele começou a passar o membro em meus lábios fez com que eu beijasse, em meus peitos e fez com que eu o apertasse com os peitos, abriu minhas pernas começou a pincelar com o seu membro em minha vulva., enfiava um pouco só a cabeça ficava um tempinho e depois tirava  como se num ritual me levando ao êxtase, e depois me colocou de bruços começou a brincar no meu buraquinho de traz, também enfiava a cabeça um pouco ficava um tempinho e depois tirava ms não me penetrou até o fim em nenhuma dessas vezes, achei meio estranho mas como ele era criativo pensei ser mais uma das suas seduções, nessa ocasião ele fotografou tudo, todas aquelas poses, mas não me disse nada.

Eu vendo que ele começou a querer-me com mais frequência embora para mim minhas tardes eram sempre livres, mas eu não queria um amante fixo, eu queria apenas me satisfazer quando estivesse com vontade, e a mulher é diferente do homem, o homem quer sempre mas a mulher nem sempre está a fim, e eu já queria por um fim naquele relacionamento estava durando demais para os meus critérios eu não queria de forma alguma um envolvimento emocional nem meu nem dele, fui aos poucos me afastando, arranjando uma desculpa pra não sair, até que por muita insistência dele acabei abrindo o jogo e dizendo que por ser casada aquilo estava se tornando perigoso e eu não queria mais me encontrar com ele a principio parecia que ele entenderia e não iriamos mais sair mas foi só engano porque ele começou a me enviar para o meu e-mail aquelas fotos, uma a cada dois dias, parece que ele de proposito deixava um dia pra eu pensar, ele abertamente nunca  ameaçou era uma especie de chantagem velada  como quem diz você será minha até quando eu quiser, confesso que fiquei imaginando tudo de ruim que ele poderia fazer com aquelas fotos, afinal a gente ve todo dia casos de fotos que vão parar na internet, se isso acontecesse provavelmente eu iria ficar em maus lençois.
O Carlão nunca me falou abertamente mas mesmo eu tendo dito que não sairia mais ele insistia e quando eu negava ele mandava daquelas fotos, isso foi me incomodando de forma que falei com ele que ele não insistisse mas ele continuou insistindo e falou-me que seria a ultima vez se eu concordasse acabei concordando mas com a promessa de que seria a ultima vez.., afinal eu já tinha transado com ele varias vezes e não era ruim não, apenas eu queria acabar com aquela aventura, mas ledo engano, ele não me deixa acabar porque tá sempre querendo mais, e para meu desespero ele descobriu onde eu moro e sabe a hora que meu marido e minhas filhas saem de casa e eu fico sozinha, então agora ele disse que quer transar comigo na minha cama... isso é algo que eu não quero de jeito nenhum, mas também não quero que meu marido veja aquelas fotos... por isso eu vou convencendo ele que no motel é mais seguro, só não sei até quando.



domingo, 16 de novembro de 2014

EU GRAVIDA E MEU CUNHADO MAIS NOVO

Eu estava casada a vários  anos e estava gravida de 5 meses do meu primeiro filho quando tudo aconteceu, eu e meu marido passávamos por certa crise no casamento, discutíamos muito e ele sempre me machucava nessas discussões, e eu sempre chorava quieta em meu canto.  


Me chamo Bete (fictício) tenho 28 anos   e meu marido 35, bem mais velho que eu talvez por isso ele ache que eu deva ser aquele tipo de mulher submissa, mas ele esquece que eu também tenho minhas vontades próprias e tenho personalidade, e isso me chateava só que eu nunca pensei em trai-lo ou coisa do gênero, quando a gente está gravida se sente mais carente e o que vou contar aconteceu quando em um belo dia numa tarde de sábado meu marido tinha saído para jogar bola como fazia quase todos os sábados e depois do futebol passava a tarde toda bebendo cerveja com amigos e eu ficava sozinha em casa e por isso nosso relacionamento estava passando por problemas, as brigas eram constantes, e fazia algum tempo que  não fazíamos sexo. 


E num desses sábados por volta das 2 da tarde toca o interfone ao atender era meu cunhado mais novo que tinha  22 anos que morava do outro lado da cidade perguntando pelo meu marido, eu disse-lhe que não estava mas o Valdo meu cunhado com jeito de decepcionado falou fazer o que, o jeito é ir embora, foi então que lhe convidei pra entrar afinal era da família e sempre me tratou com muito respeito, apesar de eu notar que por várias vezes que ele me  comia com os olhos disfarçadamente, e outras vezes  olhava disfarçadamente  para as minhas pernas,  principalmente quando eu vestia alguma saia mais curta, ele entrou e perguntou onde meu marido tinha ido então lhe falei que  só chegaria na boca da noite ou mais tarde como sempre conversamos um pouquinho então ele me pediu água, fui até a cozinha e ele me acompanhou tecendo  vários elogios, tipo: “que eu estava linda mesmo grávida, e  mesmo gravida eu continuava muito sensual  etc”. para minha surpresa ele falou assim sem nenhum pudor que tinha a maior tara por mulher grávida e que tinha a maior vontade de transar com uma.

 Achei muito estranho aquele comentário e apenas sorri timidamente esbocei um tímido sorriso ele olhou pra mim e deu um sorrisinho bem sacana, mas não disse mais nada, voltamos pra sala e continuamos a conversar, quando a certa altura pediu para ver a minha barriga que está já estava aparecendo bem comentamos coisas de criança bebe etc..  ele  perguntou se já sabia o sexo do bebê e foi puxando conversas, estávamos vendo TV   em dado momento eu me levantei pra ir ao banheiro, e no meu apartamento tem um corredor estreito que liga a sala ao banheiro e aos quartos e na minha volta  ele estava aguardando disse-me que tb deu vontade nele,  porém ao passar  por trás ele propositalmente encostou seu pau duro na minha bunda e ainda disse em meu ouvido:  “Você grávida esta ainda mais gostosa que nunca”. abraçou-me e encaixou seu pau na  minha bunda por cima do meu vestidinho e ousadamente colocou  suas mãos em meus seios enquanto beijou meu pescoço, confesso que não sei o que deu em mim, porque não resisti a sua investida, acho que por eu estár há vários dias sem sexo contribuiu para que isso acontecesse e fiquei muito excitada.  


Depois de certo tempo naquela esfregação ei continuava passiva ele me virou de frente para ele e me beijou, sua língua explorou minha boca enquanto suas mãos  explorava meu seios e a minha boceta já estava toda  encharcada de tesão, estávamos ali no corredor bem pertinho do quarto ele habilmente sem deixar de me beijar conduziu-me  para o meu quarto, afoitamente tirou minha saia e blusa e me deixou só de calcinha, deixei-me deitar  de costas olhando para o teto quando ele caiu de boca na minha buceta toda  molhada, meus líquidos eram abundantes de forma que o cheiro invadiu o quarto
todo, e eu gemia e me contorcia a cada carícia, ele chupou meus seios explorou cada um deles com muita vontade, mamava afoitamente, eles pareciam que ia explodir de tão durinhos que estava, eu gemia baixinho enquanto ele dizia palavras desconexas que eu não conseguia entender até que ele  abriu minhas pernas e finalmente enfiou seu pau na minha  bucetinha toda úmida e acho que por eu estar grávida ele foi bem devagarzinho até entrar tudo,  seu pau não era muito grande, era só um pouco maior do que o do meu marido, só que era  muito mais grosso, e apesar de estar muito molhada ardeu bastante, parecia que ao entrar ele estava me abrindo toda por dentro e aos  poucos ele foi aumentando o ritmo dos movimentos ele estocava desesperadamente, enquanto eu gemia de tesão, eu precisava daquela transa, estava me fazendo muito bem, levantando estima que estava em baixa, ele continuou forte até gozar, eu já tinha gozado antes dele.Quando pensei que ele já tinha se satisfeito ele me colocou-me de quatro

 e novamente enfiou na minha bucetinha, segurou em meus quadris e e bombava forte, percebi que enquanto metia na minha xoxota com o dedo massageava meu cuzinho aproveitava os líquidos que saia da  buceta para lubrificar no meu cuzinho, com o dedo polegar dele enfiado em meu rabinho eu rebolava cada vez mais imaginei que ia ficar só nisso mas ele tirou  da  buceta, e encostou no buraco do meu cuzinho, a principio eu não deixei porque não estava acostumada  meu marido nunca havia enfiado ali, só brincava de vez em quando, quando ele tentava enfiar eu sempre recusei, mas o Valdo foi muito insistente apesar dos meus protestos encostou a cabeça e foi forçando. Gritei e falei ele parar, então ele voltou a meter na  buceta com estocadas ainda mais fortes até eu sentir jatos quentes inundar-me gozei na mesma hora em seu pau.  
Depois de gozarmos ele me abraçou bem forte e ao meu ouvido falou-me você é uma  putinha muito gostosa, e ficamos abraçados  sem falarmos nada, depois de um descanso ele voltou a chupar meus peitos, parecia um bebê com  fome, depois me virou de ladinho e encaixou-se em mim em conchinha,   foi passando de leve seu pau na entrada do meu cu, lubrificou com saliva e meus próprios líquidos e foi forçando aos pouquinhos, eu reclamava da dor e pedia para ele parar mas ele não deu a menor importância, louco de tesão ele empurrou um pouco mais mas quando passou a cabeça eu soltei um grito de dor bem alto mas ele abafou tapando minha boca com uma das mãos  e empurrou até entrar totalmente, eu pude sentir suas bolas encostarem-se à  bunda e com movimentos curtos de vaivém ele praticamente estuprava meu cuzinho virgem aumentando gradativamente  os seus movimentos num êxtase sem igual apesar da dor eu também entrei em êxtase que já nem sentia mais a dor até que ele  inundou meu cu com seu sêmen.  
Após o gozo ele cai sobre mim e me abraça, depois de um tempinho ele me falou, Bete eu sonhava com isso faz muito tempo sabia, no que eu lhe respondi o que fizemos foi errado, não vai repetir de novo, foi um momento de fraqueza e você é meu cunhado, ele perguntou tá arrependida? Não me arrependo do que fiz mas isto foi muito arriscado, já estava quase escurecendo levantamos, ele foi ao banheiro primeiro tomar o banho, voltou se vestiu e antes dele ir embora pedi-lhe que nunca dissesse nada a ninguém porque se fizesse isso meu casamento acabaria, ele concordou e foi embora, depois foi minha vez de tomar banho , enquanto eu tomava banho fiquei só pensando na loucura que acabara de fazer imagino que  ele foi pra casa feliz da vida, afinal tinha transado com a cunhada. 

Depois do acontecido sempre que nos encontramos ele finge que nada aconteceu, provavelmente porque é bem novinho e deve ter medo ou vergonha, mas confesso que eu gostei e sinceramente espero que surja outra oportunidade mas ele que vai ter que tomar a iniciativa porque eu como mulher não posso nunca dar bandeira senão ele pode ficar no meu pé e isso eu não quero.

sábado, 18 de outubro de 2014

PEGUEI MEIO A FORÇA A GOSTOSA DA MINHA CUNHADA MAIS VELHA

O que vou relatar aqui talvez seja a minha maior conquista, aconteceu quando eu tinha recém completado 18 anos, foi assim, eu sou o caçula da família, entre eu e meu irmão mais velho tem uma diferença de idade de mais de 15 anos, porque depois dos dois primeiros filhos meus pais não queriam ter mais eles diziam que por causa de estarem organizando a vida, dividas muitas etc e tal, mas aconteceu da minha mãe ficar grávida de mim por acidente, meus pais me contavam que era porque minha mãe tinha começado um tratamento para emagrecer e a primeira coisa que o médico cortou foram as pilulas, segundo ele contribuíam para fazer a mulher engordar, resumindo foi assim que eu vim ao mundo.

Por eu ser o caçula e por eu não ter nenhum irmão da mesma idade sempre fui muito paparicado, tanto meus pais como meus irmão sempre me tratavam com muito mimo, eu cresci assim, na minha adolescência tive muitas namoradinhas, transei com todas, eu me dava muito bem nesse quesito, acontece que minha cunhada Sandra casada com meu irmão mais velho era um tesão de mulher, eu tinha 18 e ela tinha 32 anos e era uma gata, perincipalmente quando ela colocava salto alto e saia, eu notava aquelas pernas bem torneadas, coxas grossas, cintura marcante, e peitos volumosos mas bem durinhos eu sei porque eu já espiei ela algumas vezes trocando de roupa, e eu já tinha até perdido as contas de quantas punhetas eu já tinha batido em homenagem a ela e ela sempre desconfiou sabia que eu a desejava, a gente tinha uma certa intimidade nas brincadeiras, alias eles sempre tiravam sarro de mim por ser o mais novo eu era o motivo de gozação dos irmãos e as cunhadas as vezes também entravam na onda, quando eu era mais novo ficava envergonhado mas com o tempo me acostumei.

Eles moravam no mesmo bairro, mas não era perto então eu sempre dava uma passada por lá como quem não quer nada, filava um almoço, um lanche, não era muito frequente porque os dois trabalhavam fora, e isso dificultava de eu ve-la com frequência, mas sempre que dava eu dava um jeito só pra olhar ela e depois bater uma punheta já que eu tinha medo de insinuar qualquer coisa e a casa cair pra cima de mim, afinal era mulher do meu irmão, e não ia pegar bem pra mim lá em casa, afinal eu ainda era praticamente um adolescente apesar das minhas namoradinhas com minha cunhada era bem diferente.

Como eu disse no inicio eu tinha recém completado 18 anos me deram uma festa de aniversário e pra variar as gozações não faltaram tipo agora é homem, agora tem que ter mais cuidado senão vai em cana, DNA no programa do ratinho e coisa assim... a festa foi no fim de semana, aconteceu que meu irmão foi viajar ia ficar a semana toda fora e me pediu pra que eu fosse dormir na casa dele pra fazer companhia pra mulher dele a Sandra não ficar sozinha, eu ia só as noites porque de dia ela trabalhava, eu não fazia nada mesmo, mas a
minha maior tortura era ver a Sandra tão perto e não poder fazer nada com ela que  sempre ficava bem a vontade em casa com aqueles vestidos de verão, um dia entrei no quarto dela meio sem avisar eis que a vi deitada em sua cama assistindo TV, estava de vestido, mas só a visão daquelas maravilhosas pernas roliças e grossas me deixavam babando. e quando eu ia dormir  dava uma vontade enorme de ir até o quarto dela  imaginava mil situações mas no fim lembrava do irmão mais velho e eu acabava por desistir de qualquer ideia maluca da minha cabeça.

Até que na quarta feira estávamos conversando e o assunto pendeu sobre minhas namoradinhas, ela meio que em tom de gozação falou que eu devia ser pinta braba e aprontar bastante com as namoradas, me fiz de desentendido e perguntei aprontar.. como? Ela deu uma risadinha e disse ah você sabe, você é rapaz solteiro livre leve e solto, pode ir onde quiser, fazer o que quiser sem que ninguém fiquei em cima cobrando mas esquece falei por falar,  não tá mais aqui quem falou, mas eu que não sou bobo nem nada, percebendo a curiosidade dela aproveitei aquele gancho da conversa e embalei, comecei a contar um pouco de vantagem, falei que sempre dou conta do recado direitinho...e elas gostam principalmente porque..... fiz um suspense pra deixa-la mais curiosa ainda e pra que ela perguntasse o porque,  a Sandra riu e perguntou curiosa principalmente porque o que hem? Eu já excitado imaginando o rumo da conversa, me fiz de tímido e falei, ah.. deixa quieto você não ia gostar de saber.. mas ela insistiu então eu fiz uma cena e falei é coisa intima não fica bem eu comentar... mas ela mais curiosa ainda insistiu eu então falei,acho que é por causa do tamanho do meu brinquedo... e apontei pra baixo quando falei isso percebi que minha cunhada ficou sem jeito e tentou mudar o rumo da conversa, mas eu fui mais sacana e perguntei, matou a curiosidade?, Se quiser posso te dar uma prova.. ela deu uma risadinha e falou-me não pode dar não... retruquei, não porque??? Oras porque sou casada e sua cunhada.. sossega o facho e vai dormir porque aqui o buraco é mais embaixo, aproveitei a deixa e e falei, ah é eu adoraria conhecer o seu buraco, ela ficou vermelha mas naquele dia a nossa conversa ficou por ali, nem preciso dizer que naquela noite toquei uma punheta fenomenal em homenagem a ela, aquela conversa me deixou muiiiiiiito excitado, então na minha mente eu bolei um plano pra comer a cunhada naquela semana que meu irmão estava fora , só faltava 2 dias senão nunca mais.

Ela costumava chegar em casa depois do trabalho por volta das 7 da noite como sempre cheguei logo depois ela já tinha preparado algo pra comer me ofereceu, e lanchamos juntos, durante o lanche pra poder voltar ao assunto da noite anterior, eu falei Sandra, você me desculpa pela ousadia de ontem, ela então disse que tudo bem, que era passado, mas eu continuei e falei só que eu não gosto muito de meninas novas, acho que prefiro as bem mais velhas são mais experientes... e olhei pra ela que ficou desconcertada, ela percebeu que eu nitidamente estava interessado nela, arrisquei uma cantada, você Sandra você sim que é mulher de verdade do tipo de mulher que eu adoro, e mesmo ela estando sem jeito ela não me repreendeu, na verdade não disse nada como já era quase meia noite  se afastou foi pro seu quarto.. fiquei assistindo TV e me 
lamentando porque que minha estrategia não tinha dado certo, então eu também fui para o meu quarto mas quando passava no corredor vi a porta do quarto dela só encostada e uma fresta me deixava ver o interior, eu percebi então que ela estava deitada na cama de bruços na cama parecia estar lendo uma revista, fiquei de pau duro na hora que vi ela só de calcinha e uma camiseta preta, a luz iluminava aquelas coxas grossas gostosas e tesudas que eu sempre imaginei-me entro delas comendo a buceta da minha cunhada, vendo-a pela fresta da porta fiquei imaginando o porque ela teria deixado a porta aberta será que ela estava me testando ou seria um convite, meu tesão era tanto que nem pensei duas vezes entrei... ela ao me ver colocou o travesseiro no colo tampando a frente e falou-me o que você tá fazendo aqui... no ato respondi o que você acha, vim terminar aquela conversa de ontem... sentei-me do seu lado nem dei tempo pra ela falar nada abracei-a e tasquei um belo beijo em sua boca, ela protestou falando que não... e não, mas eu era mais forte e a joguei na cama e cai por cima segurei as suas mãos sobre a cama, olhei em seus olhos e falei Sandra você me enlouquece, sou tarado por voce faz tempo e você sabe disso, ela tentava se soltar mas não conseguia, eu disse hoje vou te comer nem que seja na marra, ela tentou me intimidar dizendo vou contar pro teu irmão, ms eu falei pode contar depois da gente foder, eu vou negar tudo, digo ainda que você que me deu bola e por isso que eu te peguei vamos ver quem vai ficar mais encrencado, então ela resmungava tipo choramingando implorando pra que eu não fizesse aquilo, mas meu pau estava saltando de dentro da bermuda eu tinha ido longe demais pra desistir então falei Sandra fica fria, não vou contar pra ninguém vai ser nosso segredo hoje resolvi que te quero, numa boa ou não, o que eu comecei vou terminar.
Mesmo com ela se debatendo peguei em seus peitos, beijei seu pescoço, senti que aos poucos ela estava aceitando passivamente, não sei o que se passava pela sua mente, mas senti que ela estava afrouxando as defesas, desci beijando sua barriga, até chegar em suas coxas, meti a mão na buceta depiladinha dela, enfiei um dedo e comecei a masturbar, ela já não resistia tanto quanto de inicio, eu tinha certeza que ela estava excitada também porque a buceta estava toda melecada, retirei a calcinha quando vi ela peladinha meu tesão aumentou mais ainda... sem muitas preparações eu abri as coxas dela e meti minha vara pra dentro, minha pica não é tão avantajada como eu tinha dito pra ela, mas acho que no fundo ela imaginava que era, porque ela gozou, eu senti seus espasmos e a buceta dela mordendo meu pau, de tão excitado que eu estava não demorei muito para gozar também, esperei um pouquinho e sem tirar de dentro comecei a bombar forte novamente até gozar pela segunda vez..... 
Depois disto ficamos num silencio mortal, eu não tinha coragem de falar com ela e ela não tinha coragem de falar comigo, vesti minha bermuda fui para o banheiro me lavar e depois meu quarto.. naquela noite não consegui dormir pensando na cagada que eu tinha feito... na hora não pensei nas consequências, mas depois fiquei pensando e se ela contasse pro meu irmão, ele ia me matar, ia contar pros meus pais e a coisa ia ficar feia pro meu lado, essa era minha maior preocupação, nesta noite demorei pra pegar no sono, no dia seguinte levantei mais cedo que de costume pra ir pra casa, a Sandra como sempre tinha saído mais cedo então não nos vimos nem nos falamos até a tarde quando eu liguei pra ela e perguntei
-Sandra, e hoje como vamos fazer? Você ainda quer que eu vá dormir na sua casa.
-Claro David, você tem que ir senão como vai explicar o porque não foi?
-É você tem razão, então eu vou... 
De fato ela tinha razão, como eu explicaria ter dormido a semana toda lá e justo na sexta feira não ir!! Ao mesmo tempo que ela tinha razão eu pensava, se ela está preocupada em que eu vá então a barra tá limpa ela não vai fazer escândalo e nem contar pra ninguém, fiquei bem mais tranquilo, o que eu não imaginava era o que me esperava na noite de sexta feira... 
-




.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

O GOSTOSO DO AMIGO DO MEU MARIDO

Esse é o relato de quando transei com um amigo do meu marido, Eu me chamo Alice, sou casada e o amigo do meu marido em questão é o Martins, (nomes trocados) eu  tenho 32 anos sou baixinha, coxas grossas,  mas tenho um corpo bem definido, adoro tirar fotos e postar, sei que sou atraente e gostosa porque quando ando na rua os homens me olham e sempre mexem, estamos casados a  11 anos, meu marido é um pouco mais novo que eu tem 29 anos mas é bem mais alto tem 1.80 contra meus 1.60 m , só  que na cama nos damos muito bem geralmente o nosso sexo é muito bom pois quando estamos transando sempre fantasiamos e ficamos imaginando um outro  me fodendo e isso era a minha fantasia mais forte, até que aconteceu  nesse dia que vou relatar, eu realizei mas meu marido não sabe, tenho certeza que meu marido tem fantasias apenas na cabeça e apenas imaginação para esquentar nosso sexo. porque conhecendo ele do jeito que eu conheço não consigo ver ele me deixando foder com outro? No fundo ele é muito ciumento... 


Pois bem de uns tempos pra cá ele fez amizade um um rapaz , que eu ao ver digamos que me apaixonei pela figura do tal... ele  tem uma boca maravilhosa, um sorriso lindo e um corpo que me parece muito apetitoso, um olhar penetrante e uma cara de safado  realmente me tira o folego, eu poderia ficar olhando o dia todo pra ele sem me cansar... mas ele tem uma namorada e é  super ciumento para com ela tambem eu acabei fazendo amizade com ela e ela até que é  legalzinha... Semana passada o Martins  chegou  em casa a procura do  meu marido convidando pra chamar  pra tomar uma cerveja juntos... mandei ele entrar e sentar no sofá, falei para ele esperar, meu marido tinha ido na casa da mãe dele e eu disse que ele não demoraria, era mentirinha porque eu sabia q ele ia demorar sim, liguei a TV ofereci a ele uma lata de cerveja que sempre tinha na geladeira pedi licença porque eu já estava me preparando pra tomar banho, ele ficou de boa, quando terminei  propositalmente coloquei  um vestidinho  preto  bem colado e uma calcinha branca embaixo, de forma que contrastava bem se eu me descuidasse, comecei a secar o cabelo na sala na frente dele enquanto secava a gente conversava quando terminei de secar o cabelo sentei numa cadeira que estava de  frente pra ele e comecei a encara-lo conversa vai conversa vem eu já  estava todo molhadinha só de imaginar-me com aquele belo exemplar de homem, nem em minhas fantasias eu imaginei alguém assim, ele realmente me tirava o folego.

Só que até então eu nunca tinha tentado nada do tipo, e nem o Martins se insinuou abertamente apesar de nas entrelinhas ele me dava umas cantadinhas disfarçadas,  mas ele era  muito novo pra mim eu achava, um moleque ainda com apenas 18 aninhos na verdade ele me parecia era que tinha medo do meu marido... a minha  mente fervilhava, fiquei pensando se eu tomava ou não a decisão de investir, ou se provocava um pouco mais, resolvi provocar um pouco mais, comecei a cruzar e a descruzar as pernas bem ao estilo Sharon Stone percebi que ele ficava cada vez mais inquieto notei o volume dentro da calça aumentar apesar de ele tentar disfarçar, pensei comigo  era agora ou nunca eu já estava toda molhadinha, minha adrenalina estava alta, cheguei perto dele e  me sentei em seu colo de frente pra ele e na hora ele gelou me perguntando o que eu estava fazendo e foi onde eu lhe disse Martins voce sabia que é  muito gostoso, ele ficou vermelho eu completei meu marido não vai voltar tão logo quando ele vai na casa da mãe ele sempre janta por lá mesmo chega só por volta das 9 10 hs da noite então fica tranquilo, e continuando a provocar eu lhe perguntei, Martins o que voce acha de mim como mulher? ele respondeu que eu era bonita, perguntei na lata, mas bonita quanto? voce transaria comigo?   Ele respondeu claro que sim, mas voce é casada.... eu falei, ninguém precisa saber né, voce promete não contar a ninguém eu tambem não conto, e quer saber.. e eu estou com uma vontade louca de te provar voce quer????  Claro respondeu ele.


Olha na verdade você ganhou na sorte grande porque eu to muito a fim de dar pra você desde que eu te vi, nunca tive a chance que agora temos, mas você não poderá nunca falar nada a ninguém e vai ter que  fazer tudo o que eu mandar, vai ser do meu jeito, sem que ele esperasse dei um tapa com meia força na cara dele para em seguida beija-lo de língua ele não entendeu nada  e ficou estático sem saber o que fazer ou como agir...  antes que ele dissesse alguma coisa completei olha contar pra alguém um amigo sua namorada ou  pro meu marido eu nego e falo que é mentira sua e  foi você quem veio aqui tentou me agarrar enquanto ele estava fora, convenço ele a lhe dar  uma camaçada de pau de deixar  roxo... coitado... ele nessa hora ele ficou gelado  sem cor no rosto, gelado e com a respiração acelerada, não sei se pelo desejo de transar comigo ou se pelo medo do que eu lhe tinha dito,  ele quis argumentar e perguntar do meu marido e eu respondi na hora já disse q ele ia

demorar... até então ele estava ali sentado comigo no colo, suas mãos ainda agarradas no descanso do sofá   e eu em cima dele olhando dentro dos seus olhos e beijando aquela boca carnuda  como ele não tomava a iniciativa tive que pegar em sua mão e puxa-la para a minha coxa, senti um volume crescendo começamos a nos beijar ardentemente  ele já estava sobre mim em um delicioso amasso, até mque cheguei em seu ouvido e disse bem baixinho que eu queria ser fodida com força sem dó nem piedade mas era pra ele se controlar e não gozar tão rápido porque eu queria sentir aquela pica dele bem dura por um bom tempo dentro de mim... nisso ele tomou coragem e começou a me esfregar em seu pau... passando suas mãos por dentro das minhas coxas e por cima da minha calcinha, colocou meu peitos d fora por cima do vestido mesmo e chupou gostoso nossa nessa hora eu quase gozei eu apertava meu corpo no dele e beijava aquela boca carnuda  eu mordia e chupava... ele esfregando minha bucetinha por cima da calcinha que por sinal já  estava encharcada... pedi pra ele enfiar dois dedos dentro de mim e meter forte... até hoje só de lembrar eu gozo... era uma sensação maravilhosa mas  tadinho era bem inexperiente realmente um moleque tive que ir orientando o que ele tinha que fazer e onde  e como tocar uma mulher, ele aprendeu rápido porque ele soube enfiar os dedos e mexer gostoso.

Até que ele tirou aquele pau duro que nem marfim pra fora da calça, ele era forte e me levantou e de pé  em seu colo e eu trancei as pernas  eu seu quadril e ele segurando minha bunda com as duas mãos afastou a borda da minha calcinha e enfiou aquele pau em mim nessa posição, ... nossa meu marido nunca me pegou assim  ainda em pé  o Martins tentou bombar forte me encostando na parede para depois me jogar no sofá   onde fiquei sentada de pernas abertas e ele na minha frente começou a tirar a calça jeans que era bem justa  só estava com  a  a pica pra fora que por sinal  era tudo q eu imaginava... grande, grossa e a cabeça brilhante e veias saltando.. nada parecida com a pica do meu marido... claro que não me aguentei, peguei com as duas mãos puxei até minha boca nossa  comecei a chupar furiosamente gulosamente exageradamente enquanto eu chupava sentia que ele  soltava gemidos de prazer   chupei e chupei aquela tora dele colocando tudo em minha boca e engolindo cada centímetro que as vezes me dava até ânsia mas eu continuei firme  de repente ele me surpreendeu e me virou com tudo de quatro no sofá? com as mãos  na guarda e a empinou minha bunda puxou meus cabelos segurou forte com uma das mãos como se fossem rédeas me forçou a ficar numa posição em
que minha cabeça forçada pra traz, com a outra amão retirou minha calcinha  achei que ele ia enfiar aquela tora imediatamente mas não, ele começou a beijar meu pescoço minhas costas eu que queria comandar mas na verdade fui dominada e ele que estava no comando e falou em meu ouvido  quem ia obedecer quem hem??? Não respondi mas sabia que a comandada ia ser eu  realmente senti um n?ódentro d mim, uma mistura medo e de tesão.. ele puxou mais forte meu cabelo e me deu um tapa forte na minha bunda deixando uma marca vermelha dos dedos dele, dei um grito de susto e prazer... implorei pra ele me comer logo e ele rindo falou não era voce que me pediu pra me controlar? Disse ainda que ele não ia me comer ele ia me foder com força como eu tinha pedido , quase gozei com aquelas palavras, era tudo o que sempre fantasiei  sem eu esperar ele meteu de uma vez a pica grossa dentro da minha buceta puxando ainda mais forte meu cabelo  nessa hora meu corpo tremeu e eu gozei de verdade... muito gostoso ouvir ele falando em meu ouvido que eu era gostosa pra cacete e que se meu marido com o pau pequeno não me satisfazia ele daria um jeito de me satisfazer, só com as palavras eu gozava que nem louca  ele dizia ainda  que minha buceta já estava larga de tanto eu foder com os outros machos o que não era verdade porque eu tive poucos parceiros alem do meu marido.. e só quando solteira, pra não dizer que nunca tive um caso quando casada tive um amigo colorido quando eu estudava a noite, mas isso já fazia muitos anos, mas eu estava ali extasiada de prazer . nossa que gozada maravilhosa, realmente nunca tinha sentido tanto prazer... e também nunca tinha experimentado  tinha achado nenhuma pica do tamanho da do Martins... ele ficou um pouco mais com a pica dentro de mim sentindo meus espasmos de gozo e u já tinha gozado não sei quantas vezes e ele também, já estávamos ali a mais de meia hora, achei que tinha terminado, normalmente com o marido não dura mais que 15 minutos, foi quando ele veio
mordendo minha orelha falou-me agora voce vai ver, agora que eu vou te foder de verdade  e puxou forte meu cabelo e deu outro tapa na minha bunda ao mesmo tempo que começou as estocadas bem mais fortes, enfiando dentro de mim e tirando  aquela pica grossa... fiquei pasmada pela sua performance,  sem brincadeira eu acho que ele meteu  por mais uns vinte minutos sem parar comigo ali de quatro sempre no mesmo ritmo que começou, que folego aquele rapazola tinha, que sabia meter gostoso... nossa eu ja estava indo pra minha quarta ou quinta gozada nem me lembro de tanto que gozei, quando ele fala em meu ouvido que ia gozar dentro de mim para mim sentir sentir a porra dele lá dentro e ele torcia pra que eu engravidasse dele, nessa hora fiquei apavorada porque nem me passava pela cabeça que realmente havia  esse risco já que ele não usava camisinha, mas o tesão era tanto que acabamos  gozando juntos... nem com meu marido a onze anos nunca gozamos juntos ele sempre goza primeiro... mas que maravilha que foi essa gozada com o Martins.. até ele desmorona em cima de mim e ficamos mais uns cinco ou 10 minutos assim... mas ele sai de dentro de mim com a pica ainda dura e fala que pra encerrar com chave de ouro ainda tinha uma ultima coisa que ele queria fazer... fiquei imaginando o que seria....
Para minha surpresa ele novamente me coloca de 4 arrebita bem as minhas nádegas e abre-as com as duas mãos, dá uma salivada pra lubrificar, na hora eu imaginei que ia ser enrabada... bem feito pra mim quem mandou eu brincar com fogo, eu fazia sexo anal normalmente mas a piroca do Martins era bem maior do que a que eu estava acostumada..   não deu outra.... tive que aguentar aquela tora oura vez... doeu pra cacete mas no fim acabei gozando... 

COM O PRIMO NO SITIO ENQUANTO O MARIDO PESCAVA..

MEU MARIDO FOI PESCAR, ME DEIXOU SOZINHA, ENTÃO ..... O PRIMO DELE ME CONSOLOU


Sou casada, 43 anos meu marido 47,  um casal de filhos, a filha tem 21 anos e o filho 19, moramos na capital e temos uma chacara de veraneio no interior, vamos pra lá quase todos os fins de semana prolongados, e alguns fins de semana quando estamos enjoados da agitação da cidade grande, não é longe da capital e fica numa cidadezinha do litoral, a uns 30 kms apenas da praia, muito pacata e tranquila, e tem um condomínio de chácaras na qual compramos uma.

No carnaval de 2012 eu e  meu marido decidimos que iríamos tirar uma mini férias e passar uma semana e meia  lá, e planejamos ir na sexta feira e voltar só na quarta feira de cinzas, iriamos na frente depois os filhos iriam, e assim foi, chegando lá estava muito gostoso, dias e noites muito quentes! Passávamos o dia ocioso só passeando, pegávamos a nossa caminhonete e íamos as cidades circunvizinhas almoçar jantar, ou simplesmente passear, outras vezes a gente selava os cavalos e passeávamos pelas redondezas, e por coincidência o primo do meu marido trabalhava em  um outro sitio não muito longe dali, e antes de comprar a nossa chácara íamos visitar-los de vez em quando e foi justamente por causa deles que compramos, e  foi ele que ajudou-nos na negociação quando apareceu a oportunidade de alguém vendendo, nesses dias que lá estávamos fomos duas vezes almoçar e passar o dia com os primos, e só voltávamos a noite pra dormir na nossa chácara, e o primo do meu marido era um homem , moreno, que apesar de não ter 40 anos ainda  tinha os cabelos bem grisalhos,  muito charmoso e gentil, tanto ele como sua esposa era muito gente boa.

Na quinta feira logo depois de almoçarmos tocou o celular do meu marido, era um amigo convidando-o para aproveitar o feriado prolongado de carnaval, eles tinham alugado um motor home e iam pescar no Pantanal Mato-Grossense como meu marido adora pescar, ficou maluco para ir olhando pra mim quase implorando perguntou-me  se eu não ficaria chateada se ele fosse e completou que eu só ia ficar sozinha por uns dois ou três dias  pois os filhos logo viriam me fazer companhia.

Mesmo contrariada eu concordei, ainda falei fazer o quê?  No dia seguinte pela madrugada os amigos passaram por lá pra pega-lo e eles  foram me deixando sozinha, voltei a dormir e lá pelas 10 da manhã levantei tomei meu café e fui tomar sol na varanda quando vi de longe um homem a cavalo, que ao aproximar-se notei que era  o primo dele o  Pedro aproximou-se cumprimentou-me com um  bom dia! Perguntou do meu marido falei que ele tinha saído de madrugada que foi pescar e ia ficar o feriadão todo fora, então ele convidou me para que eu fosse jantar a noite  na casa dele, como eu estava sozinha aceitei, ele então ficou um pouco mais de tempo comigo conversando, elogiando meus atributos e censurando a atitude do meu marido em deixar-me sozinha, falei-lhe que os filhos viriam me fazer companhia que chegaria no dia seguinte, sexta feira então eu iria ficar apenas uma noite sozinha, e ficamos um bom tempo conversando, então ele me propôs que fossemos andar a cavalo aceitei eu adoro andar de cavalo, ele disse-me que iria me mostrar um lugar muito bonito na fazenda vizinha, perguntei o que era ele falou que era surpresa, mas que eu ia adorar.

Ele então selou uma égua bem mansa que a gente tinha, eu falei que enquanto ele selava eu ia colocar uma roupa adequada, fui coloquei uma calça jeans e uma blusa leve, eu estava me preparando para sair cavalgar quando tocou meu telefone, era a filha dizendo que umas amigas a convidaram pra sair e que provavelmente não viria, perguntei se o filho viria ela me disse que ele não estava querendo vir sozinho que provavelmente também não viria, claro que fiquei chateada, e o Pedro percebeu que eu fiquei jururu, perguntou o que era eu lhe contei então depois de algum tempo com ele tentando me acalmar, ele me disse vamos cavalgar isso acalma e saímos, no caminho passamos pela casa dele para avisar a prima, ele falou para ela que o almoço seria um pouco mais tarde, e ainda falou se ela não quisesse cozinhar a gente iria até a cidade almoçar fora, mas a mulher dele preferiu ficar e cozinhar, então explicou que ia me levar pra conhecer a cachoeira da fazenda do seu Jorge, perguntou se ela queria ir junto, ela preferiu ficar em casa disse que já conhecia, foi só então que eu soube nosso destino.
 Então cavalgamos por uma hora mais ou menos até chegar ao destino, eu não estava acostumada e sentia-me cansada, mas quando chegamos lá o local compensava a canseira porque era lindo era uma mata ciliar nativa, deixamos os cavalos pastando e andamos uns 100 metros numa trilha mata adentro até chegarmos a tal cachoeira que também era linda, a água bem cristalina com algumas pedras, apesar de estarmos na sombra o calor era de uns 30 graus, o primo então me provocou, que tal um banho de cachoeira, reclamei e falei se voce tivesse me dito em casa eu teria trazido um maiô mas agora to desprevenida embora a vontade seja enorme, aproveitando essa dica ele me falou deixa de ser boba, você não está com roupa de baixo, falei que sim, ele respondeu então .. pronto, ele nem me deixou pensar, tirou a roupa ficou só de cuecas e caiu na agua, eu ainda relutava... mas ele dizia vem prima.... vem a água tá uma delicia ....... de tanto ele insistir acabei aceitando, aproximei  e  ele logo foi me jogando água com as mãos, e entramos numa brincadeira quase infantil e não demorou muito nos abraçávamos e pulávamos  inocentemente eu até tinha esquecido de que o marido tinha ido pescar, que os filhos não vinham, eu estava me divertindo.

O Pedro sempre que podia me abraçava mais forte apalpava-me disfarçadamente mas eu percebia até que em determinado momento ficamos com os rostos muito próximos, então ele olhou-me e sem dizer nada me beijou... a principio fiquei surpresa... ele ficou assim meio envergonhado e instintivamente se afastou eu percebi que ele estava meio envergonhado pediu-me desculpas e falou que não resistiu a tentação, tranquilizei-lhe dizendo que  estava tudo bem eu estava tão feliz que nada ia estragar a minha tarde na verdade eu estava me divertindo como uma adolescente, aos poucos voltamos as mesmas brincadeiras, mas apos aquele fato o primo do meu marido estava nitidamente querendo me  seduzir,  isso estava estampado em seus olhos, eu também encontrava-me num estado de excitação e certa forma eu ficava envaidecida por notar que ele me desejava, minha mente começou a explorar todas as possibilidades, imaginei comigo tal era a minha carência que se ele tentasse de novo provavelmente eu não o repeliria... não demorou muito entre uma brincadeira e outra dentro da água ele me abraçou por traz... envolveu seus braços em minha cintura um pouco abaixo dos seios beijou suavemente meu pescoço e falou-me, prima se você não fosse casada..... não completou a frase mas não me largou...

Notando que eu  estava mais acessível que a vez anterior continuou naquele gostoso abraço, senti o volume do membro dele roçar minha bunda, mas não fiz nenhum movimento para me afastar, ele então sentiu que o sinal que  vermelho passou pra amarelo com possibilidades de ficar verde e com isso passou a ser mais atrevido, e começou a massagear minha barriga com uma mão e a outra tocava levemente meus seios como se testando pra ver até onde eu deixaria ele chegar, e na
verdade eu estava gostando daquele momento de sedução e me sentindo uma adolescente quando o primeiro namorado tenta pegar nos seus peitinhos, porque até aquele dia eu nunca tinha sido tocada daquele jeito por outro homem que não o meu marido, a não ser antes de casar quando tive outro namorado. Eu estava ali passiva em transe, hipnotizada, ele não falava nada apenas me tocava, acabamos nos beijando num logo e gostoso, beijo de língua, quando caiu a minha ficha, me livrei daquele abraço sai da água peguei minhas roupas e pedi pra ele me levar pra casa, ele meio sem jeito também saiu da água subimos em nossos cavalos e voltamos, pedi pra ele me levar direto pra casa, mas ele insistiu que eu almoçasse na casa dele porque a prima já estaria com o almoço pronto se eu não fosse ficaria difícil explicar o porque, acabei concordando e fomos almoçar.

Durante o almoço não nos olhávamos diretamente um para o outro como se envergonhados do que havia acontecido, terminei o almoço já passava das 4 da tarde quando fui pra nossa chácara, passei o resto da tarde pensando no que havia ocorrido, fiquei imaginando que por pouco não fomos alem do beijo, e confesso que fiquei imaginando como teria sido, perdida entre meus pensamentos quando percebi já era noite, isso me excitou de tal maneira que naquela noite depois de eu ter lanchado, fui tomar um banho e ao me deitar novamente os pensamentos me vieram a cabeça, comecei a sentir um tesão indescritível que tive que me masturbar para aliviar a tensão e o tesão.


Na sexta eira como de costume eu dormi até que fui acordada por volta das 11 horas da manhã quando meu celular tocou era a filha me pedindo desculpas dizendo que não iria vir porque surgiram compromissos na firma onde trabalhava e teria que trabalhar no fim de semana  que talvez ela e o irmão só viesse para o feriado de terça feira. Aproveitando que eu estava em pé só comecei a colocar a casa em ordem, fazer uma leve faxina, arrumar as coisas e eu ainda nem tinha tido tempo pra pensar no acontecido do dia anterior, comecei a balançar numa rede que havia na varanda  já eram quase 1 da tarde quando ouvi o barulho do motor de uma caminhonete se aproximando, ao observar melhor pra minha surpresa era o primo Pedro novamente desta vez em vez de vir a cavalo veio com uma pick up desceu me cumprimentou e disse que ia pra cidade fazer compras perguntou se eu queria ir junto, achei melhor não ir, ele insistiu mas eu não fu.

Por volta das 16.00 hs ele voltou e novamente parou em casa, e ficou fazendo hora, perguntei se a prima não o esperava em casa, ele disse que não tinha problema porque normalmente quando ele ia pra cidade ficava até  tarde etc e tal, então como eu tinha feito um lanche da tarde então o convidei, parece que era isso era tudo que ele queria que eu o convidasse pra ficar um pouco mais, durante o café ele não economizava nos elogios a minha pessoa, dizendo que eu era muito atraente, que meu marido era bobo por não ter me levado e por ai a fora,  ele nitidamente  estava me cantando e nem se preocupava em disfarçar, eu só ficava imaginando onde aquilo ia acabar, até que ao fim comecei a retirar a mesa ele se aproximou de mim colocou a mão sobre a minha e falou deixa ai... me abraçou de novo e me beijou deixando-me com as pernas bambas, molinha molinha meu primeiro instinto foi de afasta-lo, mas ele segurando bem forte não me deu chance de qualquer reação naquele beijo, logo em seguida ele mesmo se afastou talvez por estar com a consciência pesada, me pediu desculpas saímos para a varanda e  ficamos conversando um tempão, como era horario de verão e ainda tinha bastante claridade  ele me sugeriu darmos uma volta, eu disse tudo bem então que só iria só colocar uma roupa mais adequada  pedi licença coloquei uma musica  pra ele ficar ouvindo enquanto me esperava, peguei uma roupa limpa e fui até o banheiro, tomei uma ducha, na saida como estava bem calor coloquei uma roupa bem leve comportado mas destacava  certos contornos do meu corpo que apesar da minha idade ainda é bem bonito porque eu não me descuido e malho sempre, quando eu sai do meu quarto que ele viu imediatamente elogiou minha forma física, dizendo que eu era uma mulher muito atraente, e meu marido tinha muita sorte  e outras coisas do gênero.
          Começamos caminhar pelas imediações, quando percebemos já estava quase escurecendo era hora de voltar então voltamos  

Quando entramos,  já estava bem mais íntimos tanto que ele  entrou junto com a mão na minha cintura, eu achei aquilo até natural, então fui até a geladeira pra pegar algo pra beber, perguntei se ele preferia cerveja ou vinho, ele disse que queria vinho, tinto que era a cor da paixão.. bebemos juntos calados um silencio reinava entre nós, terminamos a taça de vinho fui guardar a garrafa na geladeira quando senti um abraço forte por trás, apesar de eu já estar esperando uma atitude assim, fiquei meio sem ação não esbocei nenhuma reação de afasta-lo,  senti suas mãos rusticas  em meus quadris senti um arrepio,  seu queixo apoiado entre minha cabeça e meu ombro, falei Pedro que tá fazendo, é melhor parar, ele respondeu estou fazendo o que quis fazer desde ontem, juntando minhas ultimas forças tentei argumentar... Pedro é melhor voce ir pra casa, eu sou casada você também, não é justo fazer isso com eles... pelo que ele me respondeu, somos casados mas estamos vivos, neste momento somos só nós dois aqui e mais ninguem, ainda preocupada falei, mas o que a prima vai dizer se voce chegar tarde, ele respondeu nada, sempre que vou a cidade chego mais tarde ela tá acostumada, isso de certa forma me deixou mais tranquila.
Ainda com ele abraçado a minha cintura senti um volume roçando minhas nadegas, eu sabia que ele estava excitado, eu sentia, me virei e  ele sem cerimonias me deu um beijo dessa vez foi delicioso porque eu tambem estava excitada, acabei correspondendo nossas linguas entrelaçaram, eu tambem estava com muito tesão... talvez pelo proibido, talvez pela carencia não sei ao certo, Já não estava mais sozinha, meu corpo estremecia de tanto  tesão. nossa respiração estava  ofegante e isso aumentava o meu desejo, eu já estava molhada

Ele levantou levemente meu vestido e começou a acariciar minhas coxas, depois a minha bunda, enfiou a mão por dentro da calcinha e foi acariciando até encontrar minha gruta toda lambuzada, falou baixinho, prima voce é muito gostosa, virou-me novamente de costas pra ele para facilitar o trabalho das suas mãos, seu dedo já massageava meu clitoris, e  penetrava-me com o dedo, eu gemia de prazer ao sentir aquele
dedo dentro de mim. Ele então começou a lamber a  minha nuca e enfiava a lingua em meu ouvido enquanto forçava seu pau duro ainda dentro da calça na minha bunda. abraçados habilmente ele foi me conduzindo até o quarto e assim, ainda naquela posição de costas para ele, retirou meu vestido deixando-me só de sutiã e calcinha, tudo isso sem parar de acariciar, com a mão dentro da minha calcinha masturbava-me de forma a me dar muito prazer, continuou sem pressa mas em seguida retirou o resto da minha roupa deixando-me nuinha em pelo. procurei facilitar, arrebitei bem a bunda para sentir o seu membro mais forte que já estava fora da cueca,  facilitei bastante pra ele que sem pressa ainda passou a língua em minhas costas por toda a extensão da coluna vertebral me deixando em brasa,  me virei e sentei- me na cama fechei os olhos e abri bem as pernas achei que ele ia me deitar e finalmente me possuir mas... para minha surpresa pude sentir para sentir sua língua quente e gostosa, que passava no meu clitóris.

Depois a sua lingua penetrava o buraco da minha buceta em fogo, eu estava delirando, com as mãos acariciava meus seios, depois subiu e chupou meus mamilos já enrijecidos... comecei a alizar suas coxas e pude sentir por cima da sunga seu pau duro, pus a mão dentro e estremeci ao sentir a grossura e o tamanho do seu pau. Abaixei-me e com a ponta da língua comecei a lamber a cabeça do seu membro, depois coloquei-o quase por inteiro na minha boca e comecei a sugá-lo com muita vontade e tesão.
Nosso tesão era intenso! Eu não me lembrava mais de nada do mundo lá fora, da prima, do marido dos filhos o que importava naquele momento era o prazer o tesão que eu estava sentindo, foi então que ele finalmente veio a me penetrar, meteu seu cacete duro e gostoso na minha boceta palpitante de tesão, em movimentos de vai e vem num ritual de prazer, quando percebi que ele estava pra gozar não deixei ele gozar muito rápido porque queria aproveitar mais, muito mais prolongando aquele momento mágico até que não mais agüentando pedi para ele meter com tudo!!! com força!!! me possuir como se eu fosse uma puta!! Assim ele o fez, me penetrou de uma só vez e eu gritei de prazer!!! E fiz algo que nunca tinha feito com meu marido que era gemer e dizr palavras tipo:
Ai gente!!! que delícia! Ele dizia que minha boceta era deliciosa e que não queria parar de comer e meteu... meteeeeu...até que fomos num vai e vem sincronizados e gozamos juntos.

Foi MARAVILHOSO!!!!!, nunca na minha vida tinha transado com tanta intensidade.... Nem com meu marido na lua de mel, quando eu pensei que ele havia terminado ele me falou prima você já deu a bunda antes? Confesso que fiquei apavorada porque nas vezes que meu marido tinha tentado doeu muito e nunca fomos até o fim, então eu menti e falei que não, nunca, ele deu uma risada meio sacana e disse então vai dar agora lembrando das vezes que tentei e doeu eu pedi pra que ele não insistisse, mas ele foi firme e disse não
se preocupe vou comer com jeitinho e acabou me convencendo a deixar, então ele me colocou de bruços, levantou bem minha bunda e cuspiu, no inicio achei aqui meio nojento mas.... ele cuspiu novamente e começou a massagear com o dedo enfiou um, massageou bem, enfiou dois, doeu, reclamei ele tirou, mas em seguida vinha a prova de fogo porque ele colocou a cabeça do  membro na porta do meu cuzinho lambuzada pela saliva e começou a forçar.. travei os dentes resisti como uma guerreira apesar da dor inicial, senti quando a cabeça passou pelo meu anelzinho, quase desisti, fiz um movimento pra frente mas foi inutil porque meu quadril estava entre o pau dele a a cama não tinha pra onde fugir ele me pegou forte não deixou eu escapar nem desistir, vi estrelas, senti até um certo alivio quando senti que ele entrou tudo e meu corpo laceou e se adaptou aquele invasor, eu jamais tinha feito sexo anal até o fim jamais tinha sentido um membro todo atolado dentro, mas no fim até senti um certo prazer misto de dor afinal era a primeira vez, confesso que não gozei, mas meu alivio mesmo veio quando ele gozou e retirou aquela tora que estava atolada dentro de mim....

Depois que ele gozou ainda ficamos algum tempo  ali deitados,  curtindo aquele momento, mas o relogio implacável nos lembrava que o horario já era avançado, ele tinha que ir... que pena.... mas eu fiquei lá sózinha ainda até quarta feira de cinzas e ele veio me visitar todos os dias e cada dia era uma surpresa
diferente, ele tem muita criatividade nos dias que se seguiram ele sempre insistia em comer meu rabinho apesar de eu relutar por achar que ia doer, mas acabava cedendo!!  confesso que  adorei!!! ficamos expert em rapidinhas. Toda oportunidade que tinhamos nós aproveitamos , uma vez fizemos no próprio banheiro da casa dele enquanto a prima tinha dado uma saidinha, outra vez no mato naquela cachoeira, outra vez no carro, alem das transas habituais em casa, tinhamos mais privacidade já que a prima nunca vinha, confesso que foi a semana mais intensa sexualmente da minha vida...
Até hoje quando vamos a nossa chacara, como meu marido adora estar sempre fazendo alguma coisa tipo arrumar a chacara, cortar gramas etc.. eu peço para o primo me levar passear com o consentimento do meu marido que mal sabe que nossos passeios rendem uma bela transa, e aquela cachoeira virou uma especie de nosso ninho de amor.