quinta-feira, 2 de agosto de 2012

TRANSEI COM MEU CUNHADO, ACABEI ENGRAVIDANDO

EM UM MOMENTO DE CRISE NO CASAMENTO, TRANSEI COM MEU CUNHADO, ENGRAVIDEI, MAS MEU MARIDO NÃO SABE .......



        Me chamo Cristina, mas me chamam de Cris tenho 30 anos não me acho feia, alias eu procuro me vestir bem, frequento academia pra conservar a saude e minha forma, não tenho filhos ainda, ou melhor não tinha quando isso aconteceu, não sei se o fato de não ter filho fosse problema meu ou do meu marido porque eu não tomava pilulas, e minha historia começa quando meu casamento estava meio em crise, meu marido se dedicando mais ao trabalho que ao nosso casamento, eu me encontrava numa fase de depressão, pra não brigar com meu marido eu me recolhia e chorava secretamente, quando meu marido ia trabalhar eu ficava sozinha em casa, saia as vezes pra ir a casa da minha mãe dos meus sogros ou mesmo ao shoping  essa era a minha vida até que um dia meu cunhado que era bem mais novo percebendo minha carencia e aproximou-se de mim no intuito de me confortar, então acabamos nos tornando bons amigos, alias muito mais que amigos no decorrer do tempo, porque ele sempre me tratou com carinho, me tratou com respeito e era muito atencioso para comigo, e cada vez que eu ia a casa de mes sogros ele me tratava de uma forma tão gentil que isso acabou me cativando,

Meu cunhado então passou a visitar-me em casa e sempre solicito com aquele jeito cativante, apesar dele ser 12 anos mais novo que eu , e eu o achava uma gracinha mas nunca imaginei-me envolvida sexualmente com ele mas por essas surpresas que a vida nos apronta aconteceu que eu tinha discutido com meu marido e estava com o astral bem pra baixo então meu cunhado que chamava-se Edson, chamavamos ele de Ed, chegou e me viu naquele estado, eu estava assentada em um sofá coma televisão ligada assistindo a novela da tarde, ele me vendo meio tristinha  assentou-se ao meu lado e começou a me consolar de uma maneira tão gentil que acabei encostando minha cabeça em seu ombro de forma que ele  me confortava e começou a passar a mão na minha cabeça, nos meus cabelos num carinho bem gostoso, e eu estava tão fragil que nem resisti quando meu cunhado começou a beijar meus cabelos, enquanto fazia um cafuné com as com as mãos estava tão gostoso que eu até fechei os olhos aceitando aqueles carinhos que estava perigosamente me deixando vulneravel.
Entre os carinhos então ele segurou meu rosto com as duas mãos e me beijou, eu retribui plenamente, então em pouco tempo estavamos nos abraçando ferrenhamente como dois animais famintos ao redor da comida, ele por ser um garoto  e estar com os hormonios todos a flor da pele e querendo comer a cunhada, e eu por estar carente então nos completavamos, então sem muitas cerimonias ele tirou minha blusa, meu soutiem, beijava meus peitos como um animalzinho mamando nos peitos da mãe, não demorou muito abaixou meu jeans junto com a minha calcinha, tirando-me toda a roupa deixando-me completamente nua, para em seguida retirar toda sua roupa tambem, quando pude visualizar o tamanho de seu pau, um pouco maior que o do meu marido, estando eu deitada ele deitou por cima de mim mesmo sem colocar a camisinha colocou seu pau no meio das minhas coxas enfiou tudo duma só vez com uma certa violencia mas não teve dificuldades em penetrar porque eu já estava melecada e começou a bombar ritimadamente cada vez mais forte cada vez mais gostoso eu tremia de tanto tesão eu estava sendo possuida por um garoto um garanhão em todos os sentidos com toda a força e todo o tesão que ele possuia, adorei sentir aquele pau dentro de mim, quando senti um jato quente inundar minha buceta, gozei na hora, adorei esse momento, eu estava transando com meu cunhado naquele momento não era por vingança ao meu marido que eu estava aceitando os carinhos do meu cunhado, era por carencia mesmo, mas ao terminar me deu uma crise de consciencia que eu falei pro Ed, que foi um momento de fraqueza mas que ele deveria compreender que não aconteceria mais ele então falou tudo bem, e ficamos nisso mesmo, terminamos fomos ao banheiro tomar banho ele quis entrar comigo eu falei que era melhor não então ele esperou sua vez.

Depois desse acontecimento, o Ed mostrou-se mais prestativo que nunca, ele sempre me acompanhava nas compras na igreja onde quer que eu fosse quando meu marido não estava junto ele se propunha a me acompanhar como ele nunca mais tinha tocado no assunto da nossa transa, achei que ele tinha se conformado em que tinha sido uma unica vez num momento de fraqueza, passaram-se alguns meses até que ele comprou um carro e em certa vez meu marido tinha ido viajar, eu estava sozinha em casa ele chegou em casa tomamos um café então ele me convidou pra conhecer o carro novo dele que estava estacionado na frente, fui então ver, ele falou vamos dar uma volta pra estrear, eu estava vestida com um vestido surrado que usava em casa, falei pra ele que estava mal vestida noutra ocasião eu aceitaria, mas ele foi insistente, e falou que que tem não vamos a nenhuma festa, vem... e puxou minha mão abriua porta e me fez entrar, quando ele deu uma volta no quarteirão eu falei vamos voltar então, ele imediatamente falou, assim não é testar, vamos ter que ir mais longe, eu protestei mas como estva sozinha ele prticamente me sequestrou quando vi estavamos saindo da cidade e ele  pegou a estrada, andamos até acabar a cidade um pouco alem ele encostou num local ermo estacionou e olhando pra im me disse que tal gostou? eu falei que sim que o carro era legal mas porque estavamos tão longe da cidade e naquel elugar, que ele deveria voltar.

Ele então me falou eu trouxe aqui propositalmente, falei propositalmetne porque?, ele falou eu queria ficar sozinho com voce porque desde o dia que tinha transado comigo queria repetir a dose mas que eu nunca mais tinha dado a chance a ele, então falei Ed não podemos porque sopu mulher do seu irmão é  isso ele então me falou Cris eu só quero uma ultima vez depois disso prometo nunca mais pedir, mesmo assim eu me recusei e falei me leva pra casa, ele então funcionou o carro e colocou em movimento destino a cidade novamente, quando estavamos entrando na cidade a beira da estrada tinha um Motel, ele nem perguntou nada, entrou no motel, pediu uma suite, nessa hora me apavorei porque eu sabia que não adiantava protestar mais, entramos ele colocou o carro na garagem, eu não saia do carro ele abriu minha porta me pegou pelas mãos e me conduziu ao quarto.

Entramos no quarto mas eu não me soltava, ele então assentou-se do meulado na cama, colocou o braço em volta do meu ombro.... e começou  a fazer-me caricias como na primeira vez, para me acalmar e a fazer carinhos em meu pescoço e meu cabelo, e dizia me meu ouvido Cris, fica tranquila vou ser carinhoso voce vai até gostar, eu não podia mas no meu intimo eu tambem queria, ele então deitou-me na cama e começou a beijar-me, enfiando a mão sob o decote de meu vestidinho de verão apalpando meus seios, dessa vez apesar dele ser muito novo, foi devagar, foi com carinho pra quebrar minha resistencia, o que não foi preciso muito porque eu já estava toda molhada com a situação e com os carinhos.

 ele então  habilmente baixou as duas alças do meu vestido e eu ainda deitada levantou meu quadril e retirou por baixo com,o eu estava sem soutiem fiquei só de calcinha, ali deitada, instintivamente me encolhi toda, afinal eu nunca tinha ido a um motel com nenhum outro homem que não fosse meu marido, e eu estava ali quase nua e sabia que ia ser possuida por aquele jovem garoto cheio de tesão, eu ia se comida e isso já era irreversivel, quando transamos da primeira vez foi por caus do momento que eu estava carente e me entreguei,  dessa vez eu teria que me entregar voluntáriamente porque não tinha mais como escapar, resolvi então que o melhor era deixar rolar e aproveitr o maximo daquele momento, Ed então deitou-se ao meu lado e começou a pássar a mão no meu corpo, acariciando os seios, a barriga o umbigo, até que começou amasturbar-me desajeitadamente que até ficou um pouco dolorido meu clitoris, tive que falar pra ele que fosse mais suave, com jeito, mas eu estava curtindo, pedi então pra ele me chupar ele meio que ficou constrangido eu perguntei então voce nunca chupou uma mulher, ele disse que não então eu insisti ele caiu de lingua na minha xana, eu naquele extase pegava a cabeça dele apertava conra minha xana, e com as coxas apertava e soltava, mesmo elemeio desajeitado eu consegui gozar, falei deita ai que vou retribuir, quando ele deitou seu pau tava duro como um marfim, eu então comecei a passar a lingua pela glande, depois descia até as bolas, deixei ele louquinho até que ele gozou, inundou minha boca com seu esperma, lambuzou minha cara tambem, tive que pegar uma toalha pra me limpar.

Em seguida sem pausa pra descanso  ele veio por cima de mim, posicionou seu pau na porta da minha xana e enfiou ocmo da primeira vez, enfiou forte que senti bater lá no fundo do meu  utero, tal era o tesão dele naquel e momento, ele bombava forte eu gemia de prazer, enquanto ele me comia eu puxei-o pra mim e beijei sua boca, com as unhas arranhei suas costas levemente, o que não era problema pra ele porque ele era solteiro, ao contrário eu não podia ficar marcada, e foi assim até que ele gozou novamente, então demos uma pausa deitados na cama lado alado ambos olhando os espelhos do teto do motel ele comentou que achava aquela cena excitante virou-se abraçou-me por traz ficamos de conchina,  pensei que depois de duas gozadas ele ia se acalmar e iriamos embora, quando senti o pau dele duro de novo tentando se acomodar entre minhas nadegas e ele acariciando meus seios, pensei comigo acho que ele tá querendo mais, e pior tá querendo-me enrabar por traz tremi receosa no momento por causa que eu sabia que o sexo anal era dolorido, eu nunca tinha feito mas tinha comentado com algumas amigas mais saidinhas.

Estando eu perdida entre meus pensamentos, ele começou a bulinar o meu cuzinho, mesmo sem nenhuma lubrificação previa encaixou a cabeça do seu pau e tentou penetrar, eu claro não deixei, falei pra ele Ed, aí não nunca fiz, e ele respondeu e eu nunca comi um cuzinho tambem, eu quero que vc deixe, falei então procure um lubrificante, deve ter no motel, ele pegou então um KY que estava numa prateleira a disposição dos hospedes, passou abundantemente, eu me ajeitei eitei-me de bruços, coloquei os travesseiros embaixo do meu quadril e falei, pode tentar mas se doer eu quero que pare tá, ele concordou, mas na hora que penetrou a cabeça que passou pelo meu anel anal quase morri de dor, a cabeça do pau dele era enorme, falei em desistir pra ele parar, mas ele segurou forte na minha cintura em vez dele parar ele segurou-me forte e enfiou mais ainda, urrei de dor, estava sendo rasgada, no meu cuzinho virgem e ele não parava, pelo contrario resolveu bombar, depois de algum tempo a dor diminuiu acho que meu corpo se acostumou com aquela vara resolvi então tirar proveito daquele momento e rebolei no pau dele, eu sentia um misto de dor e de prazer, até que ele gozou novamente, eu não gozei dessa vez, mas senti algum prazer tambem, apesar da dor.

Quando terminamos saimos do motel e no caminho de casa eu falei Ed, hoje foi a ultima vez tá, não insista por favor, ele concordou, mas só naquele momento quando estava satisfeito porque depois de algum tempo ele começou a visitar-me novamente sempore nas horas que meu marido estava trabalhando, mesmo eu não aceitando a situação ele meio que me chantageava e acabavamos transando, isso aconteceu mais uma, duas... várias vezes, isso foi até que eu fiquei gravida, meu marido não sabe mas esse filho não é dele, é de meu cunhado, mas eu não contei a verdade nem para o meu marido nem para o meu cunhado, depois que fiquei gravida e tive o filho afastei-me do meu cunhado, e sempre que ele vinha em casa eu dava um jeito de despistar, ou dizia que ia cuidar do bebe.






3 comentários:

  1. legal não parece uma história ilusionista, me identifico com a história, por que tive um caso assim muito parecido.

    Patrício.

    ResponderExcluir