domingo, 1 de outubro de 2017

EU SÓ QUERIA ENGRAVIDAR DE OUTRO, MAS QUASE ME DEI MAL

Me chamo Moira, sou descendente de italianos, tenho cabelos escuros, um corpo bonito  38 anos atualmente, e o que aconteceu comigo é algo que acontece com muitas mulheres de não conseguir engravidar, o problema não era comigo eu acho que era com o marido, mas ele nunca quis fazer um exame de espermograma, mas eu fiz um exame de fertilidade e tinha certeza de que o problema não era comigo, então resolvi tomar  uma atitude de uma produção independente, não sou nenhuma puta safada e não gosto de fazer sexo só pelo sexo, confesso que eu gosto sim de sexo, resolvi unir o útil ao  agradável.

    Na época eu estava casada  a mais de 10 anos, nesse tempo todo eu queria ter um filho mas não engravidava de jeito nenhum o problema não era comigo porque fui ao ginecologista e fiz todos os exames que atestavam que eu ovulava e o problema não era comigo mesmo, mas  meu marido machista  gostava da ideia de não ter filho, assim segundo ele nos dois ficávamos mais livres pra tudo, sair, quando quiséssemos  viajar e segundo ele um filho atrapalharia, mas eu queria muito um filho ainda mais porque eu já estava na casa dos 35 anos, e quanto mais tempo passasse mais a gravidêz seria de risco, pedi ao meu marido que fizesse o espermograma, caso fosse com ele o problema poderiamos apelar para uma clinica de fertilidade etc ...  mas ele se recusava dando desculpas tipo  falta de tempo, mas eu sabia que o verdadeiro motivo era porque  não queria filhos, como eu tinha quase certeza de que o problema pra ter filhos era com ele,   eu sempre o procurava quando eu estava no período fértil e nada de engravidar. insisti por muito tempo então decidi que iria ter uma produção independente sem que meu marido soubesse, afinal como diz o ditado o que os olhos não vê o coração não sente.....

Comecei então a selecionar os possíveis pais para o meu filho,  teria que ser um caucasiano que se parecesse um pouco com  meu marido para quando a criança nascesse ele não tivesse motivos pra desconfiar,  eu queria um homem que fosse atlético de bom porte físico alto, porque assim a chance de eu ter um bebe lindo seria maior mesmo porque eu modéstia a parte sou uma mulher bonita, esguia e de corpo bem definido, então os DNAs misturados meu e do pai dariam um filho perfeito, comecei minha pesquisa pela empresa onde eu trabalhava selecionei  alguns possíveis candidatos que eu aprovaria pra ser o pai do meu filho, mas descartei a ideia porque a empresa não era tão grande assim, vai que essa pessoa contasse pra alguem que tinha transado comigo eu iria levar fama de puta infiel, e alem desse cara querer continuar me comendo alguemmais que soubesse poderia me chantagear para conseguir o mesmo, e meu medo maior era que poderia cair no conhecimento do meu marido, comecei a estudar uma segunda opção,  eu frequentava uma grande igreja que não vou citar o nome  com mais de 2500 membros em cada reunião de forma que a maioria do pessoal não se conhece entre si, cada vez que eu ia as reuniões selecionava um monte de  candidatos em potencial, dai vinha a questão eu que teria que de certa forma seduzir esse candidato e cairia no mesmo problema de um candidato da empresa, então descartei também essa opção.  mas alguém da minha igreja nem pensar, comecei a procurar, eu teria que transar com  um completo estranho para não criar nenhum vinculo,

Comecei a pesquisar na internet nessas salas de bate papo onde os caras querem apenas um caso rápido lembrei-me então que tinha uma amiga do tempo de faculdade chamada Tathiane, e a gente se
conversava de vez em quando, porque depois da faculdade  mantivemos uma amizade saiamos juntas algumas vezes de vez em quando, mas na faculdade eramos mais intimas e foi na faculdade que ela  me confessou que trabalhava como acompanhante de executivos, eu já desconfiava  que ela  era uma garota de programa de luxo e era assim que ela mantinha os estudos e um certo luxo que ela estava acostumada, e ela nunca casou, e continuava a fazer programas, acho que por causa da grana que ela jamais ganharia mesmo formada, alem do que os clientes dela eram clientes regulares, executivos  finos, como depois da faculdade nos afastamos naturalmente cada uma seguiu seu rumo, mas nunca perdemos o contato, e eu casei eu nunca falei ao meu marido sobre o que  Tati fazia pra ele era apenas mais uma amiga, apesar de ela ter quase a minha idade ela nunca deixou a profissão, então eu pensei nela e vi nela a solução para o que eu queria, acabei por convida-la pra gente fazer um happy hour num fim de tarde qualquer e ela aceitou, entre uma conversa e outra eu comentei com ela do meu desejo de engravidar , expliquei a ela o porque, expliquei também porque eu não queria uma produção independente com algum meio conhecido, e falei-lhe de que eu estava escolhendo porque queria um pai qualificado e alguém que não ficasse no meu pé depois.

A Tathi entendeu o que eu pretendia e antes que eu falasse ela me sugeriu que eu me passasse por uma acompanhante uma garota de programa digamos assim, e até com certo entusiasmo ele me disse que poderia apresentar-me para  algum cliente dela e que frequentemente eles davam festinhas e sempre eram em dois ou mais e  era comum pedir mais de uma garota, como ela já tinha uma freguesia fiel, sempre  tinha contato com outras  amigas para esses eventos etc e tal   principalmente quando eles queria uma festa particular, e me perguntou, o que você acha da ideia? Como eu estava sondando o terreno, o fato dela sugerir foi melhor do que se partisse de mim a ideia, eu respondi que era uma boa ideia já que eu não queria transar com nenhum conhecido nem de longe, ela falou se você quiser eu posso arranjar, ela olhando pra mim elogiou minha aparência disse-me menina voce está muito bem nem parece que vc está com 35 anos, está enxuta e com o corpo perfeito os homens vão babar por você, e eles pagam bem, eu falei dinheiro não é o problema não preciso, ela complementou agora só depende de você se voce topar , apesar de ser o que eu estava procurando na hora da verdade estava relutante,

Fiquei pensativa por um momento e ela percebendo minha indecisão falou fica tranquila não tem riscos meus clientes são homens a maioria executivos e de classe, finalmente me decidi e  falei eu topo, mas voce vai ter que me orientar, foi então que ela me falou, mas tem um pequeno problema os clientes normalmente querem serviço completo,  frente e verso, perguntou se eu tinha algum problema em sexo anal, falei pra ela que não porque eu fazia regularmente com meu marido e se era o preço a pagar, ainda brinquei só espero que eu não pegue nenhum cara com pau grande demais porque anal com pau grande deve doer demais,  curiosa eu perguntei se ela já tinha feito, ela disse sim, perguntei se doeu demais, ela respondeu só na primeira vez, depois ela falou-me  se é assim se prepara, fiquei confiante pensei comigo que ela  não iria me jogar numa fria, na hora eu disse que topava com a condição de que eu não aceitar o dinheiro mas a Tathi me convenceu que eu deveria aceitar pra dar mais credibilidade ao papel que eu iria me prestar, só que eu esperava engravidar logo na primeira transa, eu sabia que não seria fácil, e se isto não acontecesse eu não sei se teria coragem para outra tentativa como garota de programa, e tinha outro problema quando a Thati me ligasse eu teria que sair a noite como eu iria explicar ao marido, mas eu fiquei  aguardando a Tathi me avisar eu já tinha inventado uma desculpa e preparado o maridão eu disse-lhe que em breve  teria uma palestra, seria um evento da empresa num hotel, urso de aperfeiçoamento,como varias empresas fazem, a data estava em aberto, comecei então já a preparar o terreno pra minha saida noturna sem que o marido fosse junto.
Já na quarta feira ela me liga e avisa que na sexta ela tinha um cliente que queria duas acompanhantes, se eu iria ou se ela precisava arrumar outra, amiga, se eu ainda estava a fim de levar  minha ideia adiante, falei que sim, era tudo ou nada mas fiquei de confirmar a noite depois de falar com o marido, cheguei em casa a noite
falei pro marido que o tal evento iria acontecer na sexta se tudo bem pra ele se eu chegasse mais tarde, talvez passasse da meia noite mas eu pegaria um táxi, ele concordou, então fiquei mais tranquila, na mesma noite  liguei pra Tathi e perguntei que tipo de roupa eu deveria usar, logo imaginei alguma coisa ousada tipo a gente vê nos filmes, ela falou então nada disso, vc não vai vestida como prostituta, vc deve ir vestida sobriamente como uma dama eles adoram uma mulher vestida tipo secretária executiva coloque de preferencia um vestido, salto alto, homens adoram mulher de salto, e me deu todas as dicas.

Chegou o dia então eu estava aflita, estava quase desistindo da ideia, como seria transar com alguem completamente desconhecido, como eu faria, deitaria abriria as pernas e deixaria o cara me penetrar, eu teria que retribuir carinhos? Teria que beijar, lembro no filme uma linda mulher o papel da Julia Roberts ela disse ao galã que transava fazia tudo mas não beijava porque o beijo era muito intimo, pensei em desistir mas a minha vontade de engravidar me fez seguir em frente, no dia eu coloquei um vestido basico preto, um pouco acima do joelho, coloquei um sapato de salto e fui com a Tathi até um hotel 5 estrelas, nos anunciamos na recepção já nos mandaram subir até a suite que nos esperavam, chegamos lá eles nos abriram a porta e entramos, eu achei que  logo que entrássemos eles iriam nos abraçar tirar nossas roupas e transar ou coisa assim porque eu não sabia como funcionava as coisas.

Mas eles foram de uma gentileza e de um finesse que me surpreendeu, nos assentamos na ante-sala da suite, serviram-nos uma bebida, não sou de beber, mas tive que acompanhar, logo na primeira dose eu já estava sentindo os efeitos do álcool  quando me deram mais bebida eu inventei uma desculpa e recusei a segunda dose, descobri que o nome dos dois eram Armando e Diego, o Armando escolheu a Tathi, fiquei com o Diego que era um homem dos seus 40 anos, 1.75 de altura, moreno descendente de europeus, espanhóis pra ser mais especifica, estava como eu queria ele começou a acariciar meus ombros enquanto o Armando fazia mais ou menos o mesmo com a Tathi, nervosa eu nem estava prestando atenção nos outros dois, porque estava de olho fechado só imaginando o que ia acontecer a seguir, meu pensamento era, estavamos em 4 num quarto de hotel, havia só uma cama de casal, será que iriamos transar os 4 na mesma hora na mesma cama? Mas o Armando estava em outro quarto e depois de bebermos ele levou ela pra o quarto dele e ficamos eu e o Diego que continuava a me acariciar sem parar.
Estando eu ainda perdida em meus pensamentos senti ele abrindo o fecho e o zíper do meu vestido, as alças caíram em meu ombro, eu estava sem sutiã, ele enfiou as mãos em meus seios e começou a acariciar, nesse momento meu nervosismo deu lugar a um prazer que eu achei que não sentiria com alguém estranho, ele estava sendo tão atencioso e carinhoso que me excitou, comecei a molhar a calcinha, parece que ele sentiu meu êxtase e me levou até a cama, deitou-me e retirou o resto do meu vestido deixando-me só de calcinha nesse momento pensei na loucura que eu tava fazendo mas já era tarde demais eu já estava uma situação que não havia como retornar então só me restava curtir aquele momento e deixar acontecer.eu não saiba como estava deixando-me ser conduzida, eu estava feliz por ter achado no Diego um homem carinhoso que  não 
era do tipo  afoito que ia direto aos finalmentes apesar de eu estar no papel de prostituta ele estava me tratando como uma namorada, caprichava nas preliminares e me dava muito prazer, resolvi retribuir  e só depois que ele me deitou foi que retirou minha calcinha e começou a beijar-me de cima abaixo, até parar no meio das minhas coxas, começou a chupar minha vagina mesmo estando ela molhada, ele não tinha nojo, lembrei que meu marido nunca havia feito isso, o que me deu mais tesão ainda, arreganhei  as pernas e deixei ele trabalhar, enquanto ele me chupava enfiou levemente um dedo no meu anus e começou a massagear, logo depois senti que ele enfiou todo o dedo em mim,  preparando o caminho para o que ia acontecer depois, eu já sabia disso  a Tathi já havia me avisado que os homens gostam de comer uma bundinha, por isso  eu já estava preparada e  deixei acontecer,  depois dele me fazer todas aquelas caricias que ele me pediu pra abaixar sua calça e a cueca para  lhe fazer um boquete. quando abri a sua calça vi um volume enorme e quando baixei a
sua cueca quase cai de costas ao ver o tamanho daquele falo, era muita falta de sorte logo na minha primeira  pegar uma tora daquele calibre, enorme e grosso  não seria fácil, aguentar aquilo tudo na vagina imagine a hora que ele quisesse me comer por traz,  eu tinha certeza de que  eu  iria sentir muita dor só não sabia quanto de dor eu sentiria, até pensei em desistir, mas como desistir se naquele momento estava nua num hotel com um homem, que estava me pagando,  não tinha como então o negocio foi tirar o melhor proveito da situação, abocanhei aquele falo que mal cabia em minha boca, comecei a chupar a cabeça e passar a língua sob a glande,... enfiar aquela tora toda em minha boca era impossível mas procurei fazer o melhor, comecei a punhetar com a boca e com as mãos até que ele ameaçou gozar em  minha boca, mas eu não deixei, queria que dodo o semem dele ficasse na minha vagina e assim teria mais chance pra engravidar, então com jeitinho falei que queria aquele leite todo dentro de mim, me deitei na cama e pedi pra ele vir por cima, pedi pra ele me possuir assim, como ele estava bem excitado atendeu logo o meu pedido, ele até pegou a camisinha pra colocar eu lhe falei vem logo não perde tempo colocando não então ele jogou a camisinha no 
chão  e veio sobre mim, abri bem as pernas e entrelacei em torno da sua cintura para fazer ele penetrar toda aquela tora em mim até bem no fundo pra aumentar as chances, no inicio até senti um pouco de desconforto pelo tamanho daquela tora, mas meu corpo se acostumou com aquela tora descomunal que entrou forçando a passagem por entre meus lábios vaginais,   mas a cada vez que ele dava uma estocada  forte sentia uma certa dor, e a cada estocada que batia no fundo do meu útero  eu soltava um gemido abafado, pedi pra ele ir com  calma disse-lhe  porque o pau dele era grande demais, ele até foi legal pra quem está pagando por sexo, e não forçou a barra, finalmente meu corpo se acostumou com o tamanho do membro dele e por incrível que se pareça nesse momento eu comecei a ter prazer, tanto que nem pensava em meu marido,  nem em minhas imaginações fantasiosas eu  me via sendo penetrada por uma vara daquele tamanho quando o desconforto passou eu já tendo prazer e curtindo, ele então em movimentos ritmados bombava não muito forte e eu rebolava feito uma louca facilitando a penetração daquela  tora até que gozou dentro de mim como eu queria, quando ele deu uma estocada bem fundo entrelacei minhas pernas em sua cintura para não deixar escapar nenhuma gota e ele inundou-me com seu semem, senti o jato quente me invadir e eu também gozei gostoso, tal era meu tesão que eu tinha até esquecido que estava transando pra engravidar e não por prazer, mas confesso que foi muito bom porque eu nunca tinha tido um prazer igual nem com meu marido, logo que ele gozou e tirou o pau de dentro de mim eu comecei a acariciar seu corpo, peguei seu membro comecei a punhetar eu queria fazer ele gozar de novo e quem sabe assim ele desistisse de me comer a minha bundinha por traz, confesso que eu estava com medo daquela vara me penetrando por trás , então masturbei-o  com a boca e com as mãos cada vez mais rápido até que ele gozasse na minha boca, eu sabia que todo homem tem essa e punhetei-o de forma que ele gozou  pela segunda vez dessa vez na minha boca.  Como ele tinha gozado já achei que não teria mais sexo naquela noite mas ele descansou  só um pouco e  logo estava me acariciando de novo, e me abraçou por trás e  começou a acariciar minha bunda, dizendo que queria experimentar meu cuzinho, 
fiquei apavorada, afinal ele tinha um membro muito avantajado eu não sei se aguentaria aquela vara em meu traseiro, implorei-lhe que não me comesse por trás, reclamei do tamanho do pau dele, mas não teve jeito ele restava decidido e me pegou meio que forçando a barra, deitou-me de bruços na cama, quando eu vi que não tinha jeito, que ia ser enrabada concordando ou não, pedi pra que ele lubrificasse bem, não economizasse KY, e pedi para ir devagar senão nada feito, ele lubrificou bem, colocou-se sobre mim e a cabeça daquela tora imensa na porta do meu anus, eu sem opção me preparei pra receber aquele invasor, agarrei-me ao travesseiro cerrei os dentes e deixei que ele me penetrasse, quando passou a cabeça senti uma dor danada, reclamei pedi pra ele ir mais devagar, mas ele parece que estava alucinado e socou todo aquele membro dentro de mim sem dó nem piedade, me senti arrombada, aquela tora parecia uma cunha tentando me dividir em duas, pedi pra ele parar porque eu não aguentava, mas ele como um animal socava cada vez mais fundo, socava toda aquela rola até o fundo e tirava quando tirava aliviava a dor, mas ,logo ele socava de novo, eu estava sendo estuprada, arrombada e literalmente eu estava entendendo da palavra de estar fodida, o que era pior era que eu estava sendo fodida, estuprada   meu próprio consentimento porque eu topei me prestar aquele papel, e nem reclamar eu podia, fiquei muito aliviada quando ele gozou, mas não tirou de dentro, soltou o peso do seu corpo sobre o meu e aquela vara foi murchando aos poucos, meu anus doía pra caramba, quando eu fui pro banheiro me limpar vi que estava sangrando, e por uns tempos eu não poderia fazer anal nem com o meu próprio marido.

Quando olhei no relógio já passava da 01 hs da madrugada, fiquei pensando em meu marido que estava em casa, peguei o celular liguei pra Tathi perguntei se eles já tinham terminado se podíamos ir embora ela falou que sim, nos despedimos, o Diego então abriu a carteira me passou 3 notas de cem reais e me pagou, eu nem sabia qual era o preço dum programa, só depois fiquei sabendo com a Tathi o preço que ela cobrava, enquanto voltávamos pra casa a Tathi me perguntou e aí, gostou da experiencia acha que vai conseguir ficar gravida? Respondi que quanto a gravidez eu só saberia um mês depois, mas que eu iria lembrar da experiencia por um bom tempo e contei o porque, quando voltei meu marido já estava dormindo, ainda bem porque eu não tava a fim de transar mais uma vez naquela noite, alem do que se transássemos ele notaria que eu estava mais larga,  mas felizmente ele já estava dormindo.

Mas não foi desta vez que consegui engravidar, mesmo porque eu não estava no meu dia mais fértil, no ciclo seguinte minha menstruação desceu   fiquei decepcionada, mas de certa forma já era esperado porque se eu não tinha engravidado em todos esses anos de casada seria ingenuidade minha achar que numa primeira e unica transa eu engravidaria, fiquei num dilema, eu queria engravidar mas pra engravidar eu teria que continuar a fazer programas ou teria que arranjar outra maneria que eu achasse mais segura, só que não achei nenhuma opção que fosse melhor que essa, mesmo porque eram clientes e depois de transarem cada um ia pra sua casa e nada de cobranças, era isso que eu queria, então fiquei na minha até que um dia a Tathi me liga e diz Moira, eu queria falar com vc,
lembra-se daquele cliente que fomos atender mês passado, pois ele me ligou e tem um evento no fim de semana no sábado a tarde parece que é uma despedida de solteiro.., e ele me ligou quer que eu atenda ele de novo, e me pediu pra te levar, ela deu uma risadinha e falou você deve ter causado boa impressão na cama,  na hora me lembrei do tamanho da vara do Diego e não estava muito a fim de repetir a experiencia, falei que não tava a fim e expliquei o porque, mas ela disse que o Diego era de outra cidade e dessa vez era o Armando e provavelmente outros rapazes, relutei e disse mas despedida de solteiro vai ter vários homens e só nós duas, ela me falou que já havia feito despedidas antes, eles adoram que se faça um streap pra eles , rola bastante bebida e o noivo é que tem que transar na frente dos amigos, novamente falei isso não me parece uma boa ideia, parece mais uma suruba, mas ela insistiu que dessa vez o cache seria maior porque passaríamos a tarde toda e  iria até umas 9, 10 hs da noite, então pela insistência  dela acabei aceitando, com a ressalva que só se eu conseguisse sair sem levantar suspeitas do marido, restava agora eu dar um jeito de sair de casa sem despertar suspeitas.

    Como meu marido gostava de jogar bola aos sabados a tarde inventei uma desculpa que iria no shopping com a Thati, e provavelmente pegar um cinema o que me daria uma desculpa pra ficar mais tempo fora se fosse preciso, então com tudo combinado, no sábado por volta das 2 hs sai de casa, deixei meu carro na garagem porque iriamos de taxi, devido a facilitar e não ter que deixar o carro na rua a Tathi sempre ia de taxi, mesmo porque quem pagava eram os clientes mesmo, pra não dar bandeira em casa eu disse que iria de onibus, fui até o ponto de ônibus peguei o ônibus mas desci alguns pontos a frente e peguei o táxi, entro do taxi liguei pra Tathi pra ela me ficar pronta, quando cheguei ela já estava me esperando entramos no taxi e seguimos, perguntei qual hotel a gente ia, ela me respondeu que dessa vez não era no hotel, iria ser no apartamento do Armando que era separado e morava sozinho, chegando lá o porteiro do prédio nos anunciou subimos, ele morava no 6 andar, quando entramos pude notar que era um apto bem aconchegante, tinha uma ampla sala de estar, um sofá enorme, o chão todo acarpetado com aqueles carpetes bem felpudos e macios, e o barzinho completava  o ambiente que já estava iluminado a meia luz.

Entramos e o Armando nos apresentou um rapaz jovem acho que não tinha 25 anos ainda, e trabalhava  área de informática notei que era bem tímido  notei também a aliança na mão direita, provavelmente aquela festinha particular era coisa do Armando  uma especie de presente para o garoto que ia se casar, achei que ia ter mais gente mas estavamos só os 4 pra meu alivio, o anfitrião ofereceu uma bebida enquanto bebíamos o Armando brincava com nos duas e falava, quem das duas vai dar um trato no Gilberto aqui e ria, ainda dizia ele é um cara certinho e nunca pulou a cerca, na hora que olhei para o Gil senti uma certa atração mas não disse nada, a Tathi sabendo que eu queria engravidar e que o Gil era um bom candidato então falou, deixa que a Ela (eu) vai ensinar umas coisas ao Gil e nós olhando pro Armando o abraçou e começaram a se amassar e a beijarem-se ali mesmo. Como eu não estava acostumado com a situação fiquei meio em saber como proceder com o Gil como estávamos sentados lado a lado  coloquei a
mão sobre sua coxa, acariciei levemente seu membro que estava duro, ele então meio que perdeu a inibição
me abraçou, beijou meu pescoço enquanto sua mão já apalpava meus seios, olhei pro lado a Tathi já estava seminua da cintura pra cima e o Armando chupava seus seus  seios e masturbava a por debaixo do seu jeans o Gil vendo a cena tb se encorajou e tirou minha blusa e como eu estava de saia ele enfiou a mão por baixo da saia e dentro da minha calcinha, novamente eu estava toda molhada porque a situação era nova e excitante pra mim, era a primeira vez na minha vida que eu iria fazer sexo no mesmo ambiente com outro casal do lado, então eu o convidei pra irmos por quarto e usarmos a cama, ele aceitou, ao contrário da vez anterior como Diego, o Gil nem sequer fez preliminares, foi direto ao ponto se colocando em cima de mim, posicionou seu pau na porta da minha vagina e socou tudo duma vez só, e dessa vez o pau dele que era padrão não me incomodou como da vez anterior que quase fui arrombada, ele bombou até gozar dentro de mim, nem foi preciso pedir pra ele não usar camisinha mesmo porque com toda aquela jovialidade e fúria nem se lembrou, ainda nem tínhamos terminado direito entra o Armando e a Tathi no quarto e deitam-se na mesma cama que estávamos  eu fiquei pensando no porque, logo eu descobri, o Armando estava a fim de transar comigo também, o Diego deve ter falado alguma coisa pra ele sobre mim que deve ter despertado nele um tesão por mim, a principio eu não queria mas ele me pegou começou a alisar me corpo enquanto a Tathi fazia o mesmo com o Gil, pensei comigo que estava no papel de garota de programa então eu não poderia recusar já que a Tathi estava aceitando numa boa, achei melhor curtir, eu nunca tinha
transado no mesmo ambiente com mais ninguém eu  também nunca antes havia dado pra dois homens no mesmo dia, na mesma transa era uma experiencia nova, então eles deitaram-se e pediram pra gente cavalgar em cima deles, o que fizemos, ajeitei o membro do Armando na porta da minha vagina, membro esse que era maior que o do Gil mas mesmo assim não teve dificuldades para penetrar-me porque eu tava bem lambuzada e lubrificada, comecei a cavalgar eu e a Tathi lado a lado, parece que esse fetiche excitava nossos dois homens eles não demoraram a gozar de novo, senti o jato quente do Armando inundando minha vagina, era o que eu queria estar cheia de espermas pra aumentar a chance de eu engravidar, já tínhamos transado duas vezes e  quando achei que tinha acabado eis que o Armando me colocou de bruços, estava bem claro que o que ele queria era comer minha bunda, o pior é que o membro dele não era muito
 comprido mas era quase tão grosso quanto o do Diego  fiquei apavorada, mas sabia que não sairia dali sem  ter dar a bunda pra ele resolvi então que relaxar era a melhor solução,  ele então colocou a cabeça no meu cuzinho e começou a forçar a entrada, apesar de eu fazer regularmente com meu marido confesso que me incomodava um pouco o fato de fazer anal com outro homem, afinal eu queria engravidar e  não ser enrabada, mas fazia parte do pacote quando aceitei essa aventura, melhor então seria tirar o máximo do proveito, relaxei para poder entrar mais facil, fui me acostumando com aquele invasor aos poucos, fui rebolando pra facilitar a entrada, olhei para o lado a Tathi tb estava dando o cuzinho para o garoto o que me deixou mais a vontade, então rebolei até que entrou todo aquele membro em mim, meu corpo já estava aceitando aquele invasor, ele então começou ritmadamente a bombar , eu já estava sentindo até prazer, rebolava mais e mais, até que gozamos finalmente, estávamos exaustos, percebi que a Tathi tb tinha
terminado com o garoto, .. desfalecemos ali mesmo na cama sob a luz do abajur cochilamos um pouco, mas eu não podia dormir mesmo porque tinha hora pra chegar em casa, quando olhei no relógio eram 22 hs, cutuquei a Tathi, mostrei o relógio ela entendeu que deveríamos voltar, com jeitinho nos despedimos deles, eles nos pagaram dessa vez um cachê mais generoso, e fomos embora, pegamos um taxi que me deixou primeiro em casa, todos estavam acordados, começaram a fazer perguntas tipo onde estava, falei que assisti um filme, perguntaram detalhes eu tive que disfarçar pra não entrar em contradição, enfim no fim deu tudo certo mesmo porque não veio minha menstruação no mês seguinte, fui ao médico fiz exames e constatei a gravidez,  só não de qual dos dois eu engravidei já que naquela noite trransei com os dois e os dois gozaram dentro de mim, desde então nunca mais tive alguma aventura semelhante e meu marido nunca ficou sabendo hoje meu garotinho tem 8 anos a Tathi me ligou algumas vezes depois mas eu disse que tinha alcançado meu objetivo e que era passado aquela aventura, ou seria uma loucura.

A CRENTE QUE PASSAVA SEMPRE NA MINHA RUA

Eu sou separado e desde então moro sozinho sou independente e gosto dessa vida porque posso fazer o que quiser quando quiser e com quem quiser sem a marcação cerrada de mãe ou esposa, tenho um ótimo trabalho que me proporciona essa independência, e confesso que eu sempre tive uma atração por mulheres crentes a caráter, quando digo a caráter me refiro a vestimenta, saias até o joelho ou abaixo, normalmente meias escuras e botas, misso me atrai e muito, mas eu nunca fui de ir a igreja alguma nem crente nem católica,  e na rua de casa onde minha mora quando vou lá quando cai as tardes de domingo, observo um vai e vem de frequentadores de uma igreja congregação que tem lá perto, mas eu  sempre fui indiferente aquela movimentação toda mesmo porque nunca me liguei em crentes, pra mim eles sempre foram xaropes do tipo de bater na sua porta pra  tentar te  converter segundo eles, sempre fui muito arredio.

Mas numa tarde eu estava passando a tarde de domingo na casa da mamãe, e estava na frente do portão conversando com alguns amigos  quando vi passar uma mulher e duas crianças,  minha primeira avaliação que ela devia ter uns 30
e poucos anos, máximo 35, dona de uma beleza singular, e muito atraente, seu corpo  curvilíneo destacava sua cintura e seu quadril, era o tipo da mulher que chamaria de gordelicia, ainda mais dentro de uma saia com babadinho e uma blusa branca colada ao corpo que eram separados por  um cinturão largo destacando ainda mais sua silhueta o que lhe dava mais charme ainda, não teve como evitar, observei de cima abaixo cada detalhe, observei que  tinha peitos médios apontando pro alto ainda bem firmes, uma bunda mais gostosa ainda  alem daqueles cabelos compridos típicos das mulheres daquela igreja, e quando passou por mim fiquei  observando os movimentos enquanto ela desaparecia virando a esquina, e aquela morena foi motivo da conversa por um bom tempo entre eu e os amigos dizendo o quanto ela era gostosa.

Passei o resto daquele dia com a imagem daquela mulher na mente, não sei porque desse dia em diante passar as tarde de domingo na mamãe virou rotina, eu tinha esperança de ve-la novamente e dei sorte porque ela sempre passava por ali sempre com os dois filhos mas nunca vi o marido acompanhando-a, até que um dia quando um dos filhos se veio até a grade que cercava o terreno e pegou uma flor que minha mãe costumava cultivar e estava do lado de fora, ela então chamou a atenção dele, no que eu aproveitei a chance e a acalmei dizendo que não tinha problema, crianças não fazia por maldade etc e tal, foi ai que travamos o primeiro contato.

A partir daquele dia ficar aos domingos a tarde naquele horário por ali esperando uma oportunidade de ve-la virou rotina depois daquele dia acabamos  estabelecendo uma relação de amizade mas apenas de oi quando ela passava, nunca tivemos a oportunidade de uma conversa mais longa, a não ser quando eu elogiava os filhos dela, isso a deixava bem satisfeita eu podia perceber., e quando ela passava ela já tomava a iniciativa de me cumprimentava, até um dia ela parou eu estranhei, mas ela me convidou para assistir um culto na semana seguinte dizendo que haveria um pregador de fora que era um ex detento, foi só nesse dia que eu soube o nome dela, chamava-se Damaris, eu ate fui nesse dia que ela me convidou, mas não foi por causa do tal pregador, foi só por causa dela, era a minha chance de  me aproximar um pouco mais dela.

Mas frequentar qualquer tipo de igreja não era do meu feitio, só que depois que eu fui naquele dia consegui uma melhor aproximação, porque depois daquele dia sempre que ela passava na frente da casa da mamãe e eu estivesse ali ela mesmo já tomava a iniciativa de me cumprimentar, as vezes quando ela passava um pouco mais cedo até dava tempo pra uma conversinha curta, com o passar do tempo descobri que ela era casada tinha 34 anos, e que  seu marido não frequentava a igreja com ela porque não gostava e outras coisas da vida dela, apesar de a essa altura nossa amizade já estar bem solida eu nunca me insinuei pra  ela apesar de deseja-la desde o primeiro dia, alem do que ela sempre agiu de uma forma séria sem dar qualquer chance a algo mais do que a amizade. 

Por outro lado em nossas conversas mesmo breves, eu pude notar que ela era muito carente, percebi que mesmo ela  sendo muito atraente   o marido vivia para o trabalho e preferia o trabalho do que ir com ela  o que era seu grande desejo,  percebi o quanto ela estava carente, e eu estava disposto a suprir essa carência, nossa amizade discreta continuou assim até que um dia deu certo de a encontrar sozinha no ponto de ônibus que ia para o centro, parei meu carro ofereci carona, ela não queria mas eu insisti tanto que ela acabou aceitando, quando ela sentou ao meu lado notei que  sua saia momentaneamente subiu ate o meio de suas lindas coxas foi inevitavel eu dar uma bela secada, e  estava usando uma fina blusa branca de malha que deixava latente o contorno de seu sutiã negro de rendas por baixo que mostrava sutilmente que ela estava com os  bicos de seus seios bem durinhos não sei se pela excitação por que estava na companhia de outro homem ou se por outra causa.
perguntei-lhe dos filhos e ela me disse que a mãe sempre ficava com eles quando ela precisava sair, e conversamos durante o trajeto de durou uns 20 minutos direto coisa que nunca fizemos antes... ela me disse que tinha que ir fazer umas compras e pagar contas, nesse dia fui mais atrevido e falei-lhe que eu tinha a tarde toda livre, perguntei se eu poderia acompanha-la pra mim seria um privilegio e depois a gente poderia tomar um lanche, claro que ela não aceitou a ideia, mas eu sei ser insistente e acabei a convencendo a pelo menos tomar um lanche depois das compras dela, ela disse que me ligaria assim que tivesse livre, vi ali então uma chance de me aproximar ainda mais dela, passei então meu numero e ela completou que ligaria a cobrar porque tava sem crédito, respondi que se ela quisesse eu colocaria créditos pra ela mas ela não aceitou.

Fiquei fazendo hora em um  shopping até que por volta das 15 horas ela me ligou, fui até ela e novamente ela entrou em meu carro e novamente eu não consegui tirar os olhos das coxas dela quando sua saia subiu um pouco, notei que ela percebei e ficou meio sem graça, me dirigi até uma Subway e montamos um sanduíche cada um, ao terminar  eu lhe falei que a levaria pra casa  mas ela acho que na hora pensou em alguma coisa que recusou dizendo-me que   ela tinha medo de que alguém a visse sozinha com outro homem etc e tal, falei pra ela deixar de ser boba era só uma carona,  até  brinquei com ela dizendo que me comportaria como  um cavalheiro porque eramos apenas amigos e o que que tinha se alguém a visse, e falei ainda que pra não correr riscos eu a deixaria um quarteirão antes.

A caminho para casa perguntei pra ela se  ela não se incomodava se eu desviasse um pouco só ela concordou sem perguntar  onde a gente ia, ou o que eu ia fazer, então eu falei se ela tinha muita pressa em chegar em casa, ela disse que não queria demorar muito mas se chegasse em casa antes de escurecer tava tudo bem, então eu me dirigi a periferia da cidade onde havia uma concentração de moteis e propositalmente  parei antes em uma rua pouco movimentada, porque na minha mente em ficar nem que fosse um pouco só com a Damaris,  e se o clima pintasse eu já estaria perto dos moteis.

Quando paramos me ajeitei no meu banco ela percebeu meu olhar correr pelo seu corpo e ajeitou a saia que mostrava parcialmente suas coxas, colocou uma sacola de compras em seu colo, fiquei meio chateado por ter sido impedido de continuar tendo a visão cde suas pernas morenas, maravilhosa, mas entendi sua reação.... ,afinal ela era crente e casada e essa era uma reação  normal para alguém como ela. 


Minha intenção de seduzi-la estava clara, ela queria ir embora mas eu insistia e ficamos por um tempinho só conversando banalidades como sempre,  eu não conseguia tirar os olhos de suas pernas apesar de estar vendo apenas os joelhos. fiquei de pau duro, e e ela notou isso e ficou muito sem jeito apesar de que ela também olhava ainda que que discretamente,  até que  alguns minutos depois ela  me perguntou voce não ia em algum lugar?, respondi que era só uma desculpa pra ficar um pouco mais com ela, então ela me surpreendeu quando disse, e agora o que faremos, falei-lhe que não faremos nada, eu queria só ficar um pouco mais a sós com ela, ela respondeu que sua família iria ficar preocupada, eu falei que a gente ainda tinha umas 4 horas antes de anoitecer, porque era horario de verão, isso a tranquilizou,  e tocando seu cabelo suavemente ela virou-se de frente pra mim e tirou a bolsa de seu colo  que estava atrapalhando e colocou no banco traseiro, liberando minha visão de seus peitos e coxas, quando ela notou que eu a estava olhando e praticamente babando ela ficou sem jeito, mas notei que ela novamente olhou para o volume que estava sob as minhas calças.

Estava ela na minha frente só nos dois, acariciei seus cabelos compridos e sedosos que caia sobre seus ombros, devido a ela ter se movimentado deixava metade das coxas a mostra, não resisti tamanha tentação, minhas caricias se concentraram suavemente por trás de sua nuca ela fechou os olhos e estava aceitando meus carinhos, mas quando tentei beijar seus lábios, ela se assustou e impulsivamente  tentou se afastar de mim, mas segurei sua nuca firme e dei um beijo de verdade, o que  ela timidamente retribuiu enquanto a beijava passei a mão em seus ombros em seu colo e tentei tocar seus  peitos e ela

tremia,  levei a mão em sua coxa ainda por cima do vestido deslizei suavemente do joelho até as nádegas, fiquei por um tempo assim até que meti a mão entre as coxas por baixo do vestido enfiei a mão até sentir a calcinha, quando enfiei um dedo por baixo da barra e comecei a brincar em seus pelos pubianos,  senti seus cabelinhos nas minhas mãos ela se arrepiou toda eu mordia seu pescoço e lambia sua orelha,quando tentei tocar a sua buceta mas ela resistiu-me dizendo que aquilo não, porque jamais faria aquilo com o seu marido porque  era errado, parei só que eu estava louco de tesão tinha que comer aquela mulher, se eu forçasse talvez ela desistisse de vez, decidi seduzi-la aos poucos até deixa-la no ponto de não negar mais nada, devido a já termos nos beijado falei então vamos ficar só nos beijos e nas caricias tá, ela falou só beijar né.... sem mão boba tá, quando ela me falou que beijar tudo bem, eu vi que  no fundo ela também estava querendo o mesmo que eu porque sua respiração estava ofegante, era questão de tempo, 

os vidros do meu carro eram revestidos com película escura, então abracei-a com força e beijei sua boca de novo, que dessa vez foi um beijo correspondido, nossas liguas entrelaçaram,  disfarçadamente fui enfiando minha mão dentro de sua blusa para tocar-lhe os seios, já não houve menor resistência, toquei suavemente o seu peito e os biquinhos, abri dois botões de sua blusa de modo que facilitou eu tirar um dos seios pra fora,  e chupar suavemente o bico que estava duro como meu pau, ela chegou a gemer baixinho me deixando  ainda mais maluco de desejo, enquanto eu chupava ela segurou forte e apertou minha cabeça contra ao seu peito e começou a gemer baixinho, não resisti levei novamente a minha mão em suas pernas  em direção a sua xaninha apesar dela ainda resistir fechando as pernas fortemente,  eu forcei a barra, enquanto nossos lábios estava colados, eu forçava tentando faze-la com que abrisse as coxas para eu atingir meu objetivo, insisti tanto que ela finalmente ela abriu a guarda afrouxando um pouco eu cheguei até meu objetivo que era sua buceta, quando a toquei por baixo da calcinha seu corpo tremeu, ela estava toda melada, apertei meus dedos em sua buceta e comecei a massagear o seu
grelinho, ela estava quasse gozando e dizia que nao, não podíamos nem devíamos fazer aquilo, não estava certo, e seu corpo tremia, puxei a barra da calcinha pro lado e novamente ela tentou resistir mas já não tinha forças quando comecei a enfiar o dedo ela não resistiu mais  começou a massagear meu pau por cima da calça, as vezes apertava com tanta força que chegava a doer, nesse instante notei que ela havia gozado, pois meus dedos ficaram lambuzados com seus líquidos vaginais, até se descontrolou e apertou meu pau com tanta força que chegou a doer um pouco.

Mas quando tirei meu  pau pra fora ela se  parou assutada e  se recompôs dizendo que era melhor a gente parar por ali mesmo porque aquilo não devia ter acontecido de jeito nenhum porque ela era casada etc e tal... mas não tirava  os olhos do meu pau que estava pra fora da calça, duro que nem pedra, sem dar tempo pra ela pensar beijei -lhe novamente  e mordi o seu peitinho, percebi que ela estava com  tesão mas  ao mesmo tempo com sentimento de culpa, tentando me afastar de todo jeito, mas eu argumentei com ela que ja que a gente tinha chegado aquele ponto porque não terminar e disse que ia sair dali pra irmos a um lugar mais seguro onde a gente podia terminar o que tinha começado, ela disse que queria ir embora mas eu disse que não, que ia terminar o que começamos, liguei meu carro e como eu tinha propositalmente estacionado perto dos moteis me dirigi a um deles, quando ela percebeu que eu tava entrando num deles se desesperou e pediu que eu não fizesse aquilo com ela mas já era tarde, peguei a chave na portaria e me dirigi a suite numero 8, me lembro até agora.


Quando estacionei o meu carro na garagem, sabendo o que a esperava la dentro ela não queria sair do carro eu falei tudo bem então se vc não quer
entrar a gente vai transar dentro do carro mesmo e e voltei para o meu banco, comecei a beija-la e e tocar seus seios, novamente enfiei a mão em sua bucetinha, nessas horas o tesão fala mais alto, então ela levou a mão em meu cacete e começou uma punheta muito gostosa enquanto ela me massageava meu cacete, enfiei a mão na sua chana ela tremia de tanto prazer, mas  não soltava o meu pau, foi quando eu falei baixinho em seu ouvido, Dâmaris ja trocamos caricias de todo jeito, vc sabe que a gente vai transar de qualquer jeito aqui dentro do carro ou confortavelmente na cama da suite se vai acontecer aqui dentro do carro ou no quarto, o quarto é bem melhor não acha, que tal a gene ir pra entro..., acabei convencendo a entrar e la fomos nós pra cama.

Achei que quando entrássemos no quarto ela ainda fosse ficar retraída, mas mal fechamos a porta atras da gente nos atracamos em beijos que dessa vez foi plenamente correspondido abri os botões da sua blusa  tirei seus peitos pra fora do sutiã e comecei a mamar agora ela já gemia de verdade, enquanto a gente beijava eu fui conduzindo em direção a cama, deitei-a e tentei tirar  sua calcinha ela ainda resistiu um pouco travando suas pernas dizendo me que penetração ela não queria , sussurrei em seu ouvido que eu ja tinha gozado quando ela me masturbou e que queria só esfregar que se ela não queria que eu a penetrasse eu me contentava em gozasse nas coxas... e coisa e tal.... ainda pra convence-la falei que se não houvesse penetração não haveria traição, acho que esse argumento a tranquilizou porque ela afrouxou um pouco suas defesas

Me ajoelhei a beira da cama e fui beijando suas coxas, desci até os pés, voltei pela outra perna subi beijando as pernas as coxas, depois lambi a sua virilha ela estremecia toda, ainda mais quando puei sua calcinha para o lado e lambi seu grelinho ela instintivamente fechou as pernas pressionando minha cabeça,
comecei a baixar sua calcinha ela ainda resistia, mas eu a tirei meio que a força, para em seguida me posicionar em cima dela e posicionei a cabeça do meu pau na entrada mas ela reclamou, lembrando-me que eu prometera que não faria, mas eu a convenci que não ia enfiar que eu queria só massagear o clitóris dela com a cabeça do meu pau, ela excitada permitiu, como estava bem lambuzada e lubrificada escorregava gostoso e ela abriu um pouco as pernas pra facilitar e eu esfregava a minha pica naquela buceta pra cima e pra baixo, ela fechou os olhos e estava curtindo aquela masturbação,  fui conduzindo a situação e sem que ela percebesse encaixei a cabeça de meu pau e disfarçadamente  fui introduzindo quando ela percebeu a minha intenção tentou  fechar e travar as pernas mas já era tarde eu já tinha o controle total da situação e já estava posicionado entre suas pernas de forma que mesmo que ela quisesse não conseguiria evitar, dei uma estocada tão forte que entrou tudo até o talo, ela reclamou dizendo que eu tinha prometido não ir até o fim, quando  na verdade ela mesmo não queria escapar tanto assim, mas mesmo assim começou a dizer pra mim pra parar para não fazer aquilo porque ela era casada, que não era certo, enquanto ela dizia isso tudo eu mandava ver, bombando caa vez mais rápido, enfiando minha rola até onde eu conseguia, bombando cada vez mais forte e fundo, até que ela mesmo já não queria mais resistir,  e começou a rebolar agasalhando totalmente minha rola, ao mesmo tempo que gemia baixinho e eu bombava naquela buceta maravilhosa e quando  falei que ia gozar, ela também acelerou seus movimentos, e acabamos gozando juntos

Depois de gozarmos ela se levantou, instintivamente arrumou a saia que estava toda enrolada no quadril, foi até o banheiro pra se limpar e quando voltou já estava recomposta, totalmente vestida e os cabelos penteados, eu ainda estava deitado pelado na cama quando ela se aproximou e e me falou que a gente não devia ter feito aquilo, e eu aproveitando da situação perguntei-lhe foi tão ruim assim?, Ela respondeu que não mas que jamais tinha entrado em um motel nem com o marido imagine com um homem estranho, no que eu retruquei, estranho não, somos amigos não somos? Ela continuou aquele chororô, pra lhe acalmar puxei-a pelo ombro fiz deitar ao meu lado e falei baixinho em seu ouvido, que tinha sido maravilhoso e que ela não tinha do que ficar re recriminando, até que ela olhando o relogio me ´pediu pra leva-la embora por causa do horário o que eu fiz prontamente. 


Depois disso achei que eu tinha forçado a barra um pouco e achei ainda que ela não mais mais passaria pela frente da  casa de mamãe pra não correr o risco de me ver outra vez,  mas para minha surpresa ela não mudou sua rotina e continuamos amigos e a nos cumprimentar como antes oi pra cá, oi pra lá como se nada tivesse acontecido...  apesar de eu tentar outro encontro  ela nunca aceitou.

A GOSTOSA DA MINHA CUNHADA

A algum tempo eu desconfiava que minha cunhada Flavia andava colocando galha no meu irmão, o pior que ela é uma gostosa e eu tenho a maior tara por ela, uma morena de 28 anos sempre usando shortinhos curtos que deixam a mostra um belo par de coxas grossas e uma bunda de parar o transito.

Meu irmão é supervisor de vendas e viaja direto, minha cunhada trabalha em um escritório de um despachante, que por ser pequeno só trabalha a Flavia e o dono a não rara as vezes eu passei em frente ao escritório e estava fechado, ela sempre dizia que quando ela ia ao Departamento de Transito levar algum documento e o chefe dela tinha algo por fazer ele fechava, mas eu por algumas vezes já vi ela no carro dela em outros lugares na periferia da cidade região dos motéis, eu sempre desconfiei que ela andava dando pro patrão mas nunca peguei eles no flagra, a não ser certa vez numa vez numa comemoração eu vi os dois num cantinho disfarçado e ele tentou beija-la só que ela não deixou mas também não ficou brava com ele foi ali que senti uma certa cumplicidade dos dois.

Mas a gota d água mesmo foi quando por ocasião do aniversário do meu sobrinho que foi comemorado numa chácara especialmente alugada para essa ocasião, uma multidão de convidados presentes, alguns conhecidos outros nem tanto, e o chefe dela que é bem mais velho que ela também foi sozinho porque ele era separado, enfim, nesse vai e vem de pessoas eu desconfiado fiquei só observando a atitude dela, ao fim da festa meu irmão foi levar a primeira turma que ele trouxera, depois que ele saiu eu vi quando ela a certo momento  dizendo que estava cansada se afastou até um canto ermo da chácara e eu de longe só observava, e vi que logo depois que ela se afastou o Cassio chefe dela minutos depois fez o mesmo e foi ao encontro dela, e eu não perdi nenhum lance, foi quando eu fraglei o Cassio beijando a Flavia, nesse momento ela percebeu minha presença, tentei disfarçar mas ela percebeu que eu tinha visto a cena.

e na segunda feira meu irmão como sempre pegava a estrada pra atender clientes e eu sabia que ela tinha pedido dispensa para ajeitar tudo que ainda sobrara referente a festa, então eu sabia que ela ia ficar em casa, e sabia também que meu sobrinho ia pra escola na parte da tarde, então eu fui trabalhar pela manhã e na hora do almoço eu inventei que estava com muita dor de cabeça e pedi dispensa pra ir ao médico, já com a  intenção de visitar minha cunhada e lhe passar o rodo.

Decidido levar meu plano avante toquei a campainha, a Flavia me atendeu,  aquele mulherão exuberante, linda como sempre, e neste dia ela estava com um vestido leve esvoaçante de forma que a deixava ainda mais tesuda, e nos pês um chinelo já que ela estava em casa, ao me ver ela logo percebeu que eu ia falar sobre o acontecido, antes que eu tocasse no assunto ela mesmo veio me dar explicações dizendo que eu não interpretasse mal, que ela só estava fazendo aquilo porque eles estavam com muitas dividas e o Cassio tinha lhe emprestado um bom dinheiro e eles não tinham como pagar, por isso ela estava a sua mercê, que se sentia como uma prostituta mas não podia fazer nada ele estava chantageando-a, é claro que eu não acreditei muito na história mas de fato meu irmão gostava de jogar e andou até metido com alguns agiotas, mas isso nem me interessava tanto, o que me interessava era comer a gostosa da Flavia.

E desde o momento que eu tinha entrado ali estava todo excitado e desejava a todo custo foder com a cunhada, eu não sabia nem como começar a cantada, e nem o porque mas esse desejo pela Flavia estava me levando a loucura, eu já estava fissurado, com a pica dura, ainda meio confuso com a situação e como agir, porque estaria traindo meu irmão, mas o meu desejo pela Flavia falava mais alto mas ainda assim não fui atacando, eu fui com cuidado para não receber uma recusa logo de cara, embora ela não pudesse falar ou fazer alguma coisa já que eu estava com a faca e o queijo na mão.


Eu já estava fissurado, pica duríssima, excitado ao extremo. Confuso diante daquela situação ela começou a me fazer ouvir o relato detalhado de minha cunhada que enquanto falava me preparava o café ela dizia que tinha se envolvido com o Cássio a principio por causa do empréstimo, e depois ela não tinha mais como recusar porque ele em um dos encontros deles tirou algumas fotos e ameaçava a jogar na internet caso ela resolvesse cair fora e com essa explicação ela tentava me convencer a não falar nada pra o irmão, eu aproveitei a oportunidade e falei tudo bem não vou contar nada mas isso só vai depender de você, numa clara alusão que eu a queria e ela entendeu o recado e falou, puta que pariu voce também vai me chantagear.


E dizendo isto ela se aproximou por trás da cadeira onde eu estava assentado, inclinou seu corpo deixando seus cabelos cairem por sobre meus ombros,  e num abraço sutil aproximou os lábios de meu ouvido e me falou quase num sussurro você não vai fazer isso comigo vai? Eu não resisti aquela provocação segurei em seu braço e num movimento eu a puxei de forma que ela caiu sentada em meu colo e coloquei minha mão em suas coxas, pude sentir a pele sob o vestido solto. Isso facilitou os meus propositos, eu tentava beijá-la mas ela de boca bem fechada dificultava que a minha língua penetrasse em sua boca, segurando forte com uma das mãos a outra levantava o vestido deixando a mostra sua minuscula calcinha, a coloquei de pé e tentei tirar o vestido por cima mas ela não facilitou ao não levantar o braço, só que ela sem sutiã vi seus seios nus diante de meus olhos, entumescidos, bicos durinhos, ela também estava excitada apesar da resistência, 

Meus lábios tocaram os seios de minha cunhada aos poucos fui vencendo sua resistência, Logo a Flavia já deixava  pequenos gemidos, enquanto com uma das mãos mantinha  o vestido levantado e com a boca chupando-lhe os seios, aos poucos minha cunhada foi cedendo consegui fazer com que ela levantasse os braços deixando o vestido escapar pela cabeça, e quando a vi só de calcinha, com aqueles peitinhos gostosos voltei a beijar-lhe e a essa altura ela já estava correspondendo, arfava quando  peguei seu corpo pela cintura, levantei e sentei-a na mesa com as pernas abertas, minha boca estava colada as suas, minha mão tocava-lhe   sua bucetinha depilada, e seu grelinho saliente e durinho e quando eu toquei-lhe começando uma gostosa masturbação ela implorou:

- Não faz isso comigo! - continuei meu exercicio de caricia e ela continuava dizendo  - Não! 
- Meu dedo  tocou a entrada da vagina forçando a entrada e logo após foi  pressionando e atritando lentamente seu clitóris e ela
- Não faz Isso! - Por favor! mas ela já estava entregue ao prazer e eu continuei, até que ela deu um leve suspiro e segurando forte minha cabeça se rendeu e me beijou ardentemente, um arrepio se espalhou por todo o corpo de Flavia que entre gemidos soltou um gritinho:

- Era o gozo se apossando daquele corpo  que se contorcia em espasmos, e rebolava de prazer enquanto meus dedos não paravam, ela já não tinha palavras. Eram gemidos, suspiros gritinhos de prazer com a intensidade daquele gozo  que naquele instante se entregou totalmente abrindo escancaradamente as pernas deixando-me a bela visão daquela vagina escancarada a minha disposição, e euque já tinha me livrado da roupa não rejeitei tal presente, me posicionei com meu pau ansioso por penetrar aquela gruta de prazer de forma que bastava uma estocada e meu pau a penetraria sem a menor dificuldade, e foi o que eu fiz, e depois que  eu meti bem forte comecei meus movimentos ritmados de vai e vem foi quando ela me surpreendeu e se soltou, demonstrando-se uma puta descarada falou

- Mete forte cunhadinho querido, não era esse seu desejo? Comer a mulher do seu irmão? Então me bate com carinho e me faz gozar, eu socava e socava até fundo. enfiava tudo que conseguia, e cada vez que ela falava eu investia com mais tesão ainda e eu ficava louco cada vez que ela me lembrava do mano. e quanto mais louco eu ficava mais eu queria aquela mulher, soquei, soquei até que ela explodiu em prazer sua expressão era de  êxtase. seu corpo tremia e sua vagina apertava meu pau em gostosos espasmos. 
Mantive meu pau dentro de sua vagina e em um ritmo  lento continuei a bombar, nesse momento ela me beijava o rosto, a boca. Parecia estar me agradecendo o prazer proporcionado. Ela me acariciava as costas, os cabelos. até que sem ela esperar  eu deitei seu corpo na mesa, ajeitei-a de forma  suas pernas levemente dobradas e sua bunda arrebitada pra meu deleite, toquei-lhe o seu buraquinho anal, dei uma cuspida para lubrificar e facilitar a entrada do meu pau, ordeno-lhe  que  fique assim mesmo  então encostei e forcei a entrada da cabeça da pica naquele cuzinho que deu uma piscada ao contato da cabeça do meu pau, ela se vira e me olha nos olhos, esboça um sorriso bem maroto  sem perder tempo eu forço a entrada,  ela fecha os olhos e cerra os dentes para aguentar minha pica invadindo-lhe o seu traseiro.


Ao mesmo tempo que minha pica está atolando em seu cuzinho, minhas mãos trabalham em uma longa sessão de carícias percorrendo todo seu corpo, primeiro pelos seios, coxas, abdômen, rosto. Levanto-lhe a cabeça, dou-lhe um beijo profundo que quando finalmente meu saco encosta em sua nádega  me sinto totalmente dentro dela, começo movimentos lentos, num curso bem pequeno e ela com os olhos fechados se entrega dessa vez bem quieta, calada enquanto eu soco minha pica no seu cu também lhe masturbo tocando seu clitoris, ficamos brincando assim por algum tempo e sinto arrepios em partes do corpo dela anunciando que minha cunhadinha logo vai gozar pelo cuzinho. E eu louco para gozar, mesmo assim seguro minha ejaculação para gozarmos 

juntos, então uso meus dedos, o indicador roçando-lhe o grelho e o polegar enfiado dentro da vagina, e lhe dou uma estocada bem fundo em seu cu, não deixando nenhum pedaço do meu pau de fora, o resultado é imediato  e ela reage com um gozo fenomenal, apetando minha pica dessa vez com o anelzinho do cu, mordendo com o esfincter que não resisto e inundo seu cuzinho com meu esperma, e eu enlouquecido de prazer lhe dou palmadas na bunda com a mão aberta de forma que gera um ruido característico de plac, plac  e xingamentos, mas quando dou leves tapinhas no rosto da esposa do meu irmão ela entra em ebulição, seu corpo inteiro se agita, ela fica vermelha e quando sente os fortes jatos de esperma lhe invadindo as entranhas,  retesa então todo o corpo me estimulando a socar mais rápido e mais fundo seu cuzinho sendo arrombado pelo meu pau.

Foi uma foda fenomenal. e nosso envolvimento não cessou nessa primeira vez, e hoje temos um triangulo amoroso, eu  virei seu amante, meu irmão o marido e o chefe da Flavia que ela explora com dinheiro, formamos uma simbiose perfeita. 

TRANSEI COM O PAI DE UMA AMIGA COROA ENXUTO

Meu nome é Kamila, eu tinha 19 anos quando aconteceu, hoje tenho 28 já sou casada e tenho uma filha pequena, sempre fui ativa sexualmente, tive vários namoradinhos, perdi a virgindade aos 14 anos com um namoradinho de adolescência, sempre fui uma garota que a rapaziada desejava, desde os 12 anos eu já tinha as curvas bem definidas, aos 16 já era uma mulher formada ainda hoje eu peso  56 quilos muito bem distribuídos, tenho cabelos pretos cacheados, não muito longos vai até os ombros mais ou menos, tenho olhos bem negros, pra contrastar com a cor da minha pele que é morena.

Moro no interior mas fui fazer faculdade na capital, e dividia um apartamento com duas  amigas também do interior, que eram minhas companheiras de todas as horas, mas meu circulo de amizades não se resumia a elas somente, na classe tinha varias outras amigas, e uma era mais chegada, o nome dela era Cíntia, e era comum irmos a casa dela fazer trabalhos, pesquisas etc, desenvolvemos uma amizade mais intima que eu frequentava a casa dela quase que normalmente, as vezes eu até dormia por lá, ela morava numa casa bem espaçosa e os pais dela eram uns amores, a mãe dela não trabalhava era comum ela sair passear em fins de semana as vezes ficava mais que um fim de semana, tipo emendava a segunda e a terça.

Notei que quando a dona Cris |(mãe da Cíntia) não estava o pai dela discretamente  espionava-nos e ficava me comendo com os olhos, quando eu olhava pra ele ele disfarçava, mas eu sentia um clima, mesmo porque certa vez a Cíntia foi no quarto procurar umas anotações de trabalhos antigos, fiquei na sala de estar, foi quando ele apareceu com um fogo no olhar, e um sorriso provocante embora ele não dissesse nada me deixou toda arrepiada, afinal apesar dele estar perto dos 50 anos não era do tipo asqueroso, ele era grisalho, um corpo bem definido pra sua idade, alias tinha até um certo charme, desde então  as vezes esse coroa pra mim era um tipo de fantasia sexual, como seria transar com um homem quase 30 anos mais velho que eu, será que ele daria conta, será que ele ainda tem fogo essas perguntas sempre vinham-me a cabeça, só que ele era pai da minha amiga, ficaria muito chato caso acontecesse algo.

Eu já frequentava a casa deles, passei a ser mais assídua, confesso que aquele coroa me comendo com o olhar me excitava, acho que ele nunca fez nenhuma gracinha por falta de oportunidade, afinal sua mulher ou a Cíntia sempre estava por perto o que dificultava qualquer chance, mas eu adorava ser desejada.
Num sábado eu fiquei sozinha pois  minhas amigas e companheiras de apto tinham ido pra casa dos pais no interior, dormi até tarde  levantei era mais de meio dia, fiz um lanche coloquei minhas coisas em dia e por volta das 17 horas, não tinha mais nada pra fazer, resolvi dar um pulo na casa da Cíntia  não porque tínhamos algum trabalho por fazer, mas costumávamos aos fins de semana passar as tardes juntas ou assistindo algum filme, ou tomando umas cervejas e jogando conversa fora, mas nesse dia ao chegar lá a Cíntia não estava, perguntei por ela o pai dela me disse que ela tinha ido com a mãe no sitio dos avós, me desculpei e disse então que voltaria outra hora, foi quando o Seu Carlos me falou, já que veio porque não entra, eu estava tomando uma cervejinha com esse calor vai bem, falei que até que ia bem, mas como ele estava só não seria legal, ele respondeu que bobagem, vc já é da casa, com esse argumento me convenceu e eu entrei, assentei-me na varanda onde ele tinha uma mesinha uma garrafa de cerveja aberta, ele buscou um copo e eu o acompanhei, como a garrafa estava no fim, ele buscou outra, e nitidamente percebi que ele não deixava meu copo vazio.

Depois de um tempo já estava escurecendo falei que eu ia voltar, foi quando o Seu Carlos me falou, pra que a pressa, você tem que voltar ogo mesmo? Eu respondi que não porque estava sozinha, senti que ao falar isso ele ficou animadinho pude até ver o brilho em seus olhos, então ele falou  podemos assistir um filme juntos eu tenho vários DVDs que aluguei pra assistir  já que também estava sozinho que adoraria se eu o acompanhasse, eu falei que se ficasse pra assistir o filme ficaria tarde pra eu voltar sozinha, ele então respondeu que não me preocupasse que ele levaria-me, ou então eu poderia dormir ali mesmo já que a Cíntia não estava eu poderia dormir no quarto dela.

Meio que relutante pela situação mas mesmo assim aceitei o convite, ficamos mais um pouco ai na área e entramos, o Sr. Carlos me falou que os Dvds estavam na estante  e que eu poderia escolher o filme se quisesse, e foi pra cozinha pegar uns salgadinhos pra beliscarmos  enquanto ele estava na cozinha dei uma olhadinha rápido , pelas capas vi que entre os Dvds de filmes tinha dois filmes sensuais, fiquei até meio constrangida, quando ele voltou perguntou se eu tinha escolhido, falei então que deixava ao critério dele, ele colocou então um filme chamado canções, esse filme não era porno mas era bem ousado, porque tinha algumas cenas em close
 que são dignas de filmes pornôs, era uma mistura de rock e fetiche, porque enquanto misturava cena de um palco com uma band de rock tocando a personagem estava na cama vendada e amarrada numa especie de fetiche em que o carinha acariciava o seu corpo, seus seios, embora não explicito mas a cena fechava um close onde se percebia claramente que ele estava chupando ela, logo depois ele a masturbava, essa cena era explicita e em close, e a cena desenrolou-se assim  até possui-la, mesmo não sendo um filme pornô as cenas  eram mais que quentes, eram incendiárias, e eram mais sensuais que se fosse um filme de sexo explicito, confesso que eu já estava excitada.

No decorrer das cenas o Seu Carlos foi se aproximando de mim, colocou uma mão em meu ombro e outra mão em minha perna, tentei me desvencilhar mas ele falou em meu ouvido, menina você me enlouquece, me deixa maluco cada vez que eu a vejo te desejava, e agora estamos só nós dois, dessa vez você não me escapa, e falando assim pegou em meus seios, tentei tirar a mão mas ele era forte e insistente, por mais que eu tivesse excitada, por mais que eu já tivesse fantasiado ter transado com um cara bem mais velho que eu, mesmo assim eu falei seu Carlos o Senhor é casado é pai da minha amiga, não faz isso, já imaginou se aparece alguém aqui, ele respondeu que se foda agora vou foder com você, quanto ao depois, que se foda também  você é muito gostosa estamos só nós dois aqui,  ele nem se importou e ainda disse, menina hoje literalmente vou te foder, alias vou foder com você, nem que seja a força, pra tentar desencoraja-lo eu falei, mas seu Carlos eu ainda sou virgem não faz isso,  ele falou então tá bom se vc for virgem eu coloco e gozo só nas coxas, me basta pdoer acariciar esse seu corpinho de menina,mas se não for eu vou enterrar minha vara em você , pensei comigo, fedeu  vou ter que dar pra esse coroa ele não vai desistir, pensei comigo então o jeito é aproveitar o máximo da situação, fechei os olhos e parei de reclamar eu estava pronta para o que der e vier.
O seu Carlos então tomou conta da situação, nesse momento sua mão já estava por dentro da minha calcinha, alisando minha xoxota e me masturbando, não aguentei com as caricias comecei gemer bem baixinho, ele sussurrou em meus ouvidos, eu sabia que iria gostar agora você vai ver o que um cara experiente pode fazer com uma garota, e me puxou em direção ao  seu quarto, chegando lá ele sem pressa tirou o resto da  minha roupa e me deitou na cama, vendou meus olhos e começou a fazer tal qual o filme começou a acariciar eu pescoço numa especie de massagem, sem pressa desceu até meu colo e meus seios, pegou um óleo e começou a passar por todo meu corpo, eu vendada estava super excitada sem sabe qual seria o seu próximo passo me deixei levar, logo ele chegou a minha gruta, passou a língua de leve, isso me fez tremer na hora logo ele enfiou a língua sem nojo em minha bucetinha que estava toda melada, isso me levou as nuvens, ele não tinha pressa, ele chupou-me como homem nenhum havia me chupado, quando tirou a língua colocou-se -se ao meu lado começou a masturbar-me, eu fiquei só imaginando qual seria o momento que ele iria me penetrar não demorou  muito ele tirou sua roupa e sua sunga deixando aquele mastro a mostra, as veias estavam todas pulsando de tanto tesão, 

Ele então colocou aquele mastro em minha boca não pensei duas vezes, lambia toda a cabeça e chupava passei alguns minutos ali mamando então ele retirou o pau da minha boca e posicionou na entrada da minha xana, eu pensei é agora, ele enfiou tudo numa estocada só, até o talo, não deixou nada de fora, senti a cabeça daquele pau enorme bater no fundo do meu útero  até então nenhum dos rapazes com quem eu tinha transado tinha um pau grosso e gostoso como o daquele coroa, e nenhum deles também tinham me feito gozar como aquele coroa estava me fazendo gozar, hora ele colocava, hora tirava sem pressa de gozar também , me deixando cada vez mais excitada, eu  pedi para que enfiasse tudo não deixasse nada pra fora, mas   foi metendo bem devagar numa especie de tortura pra que eu sentisse cada centímetro, para logo depois ele dar estocadas fortes e rápidas a cada estocada eu gemia, ele dizia, vou deixar essa buceta inchada de tanto meter com você  Aquilo me deixava mais louca de prazer, ele metia em mim e falava palavras obscenas como eu jamais tinha ouvido, aquele coroa com quase 30 anos mais velho que eu estava fazendo eu gozar feito uma louca, jamais imaginei que um homem me faria gozar daquele jeito.Quando ele colocou-me de bruços percebi a intenção dele  
que queria comer meu cuzinho, me apavorei porque realmente no cuzinho eu era virgem  jamais tinha dado a alguém, e falei isso pra ele ele sarcasticamente riu e me falou, ah é, virgem que nem a buceta que vc disse que era??? Naquele momento eu percebi que minha mentira anterior iria me fazer perder as pregas co cu, insisti que era verdade mas ele não quis saber, cuspiu na porta lubrificou com saliva colocou a cabeça do pau na porta, pegou-me pela cintura levantou minha bundinha pra enfiar aquele pau, tentei tirar o meu cu da reta e acabei ficando quase de quatro, eu vi estrelas quando a cabeça passou, saiu lagrimas dos meus olhos sem que ele desistisse, pedi por favor que ele parasse que tava doendo demais, mas ele nem me deu ouvidos estava louco e foi enfiando aos poucos aquele mastro em mim, quando entrou tudo ele me falou, viu.. nem foi tão difícil assim e dizendo assim começou a bombar cada vez mais forte e a cada bombada que ele dava sentia ele me rasgar ao meio, mas meu corpo acabou acostumando com aquele intruso de forma que a dor já não era mais insuportável, não vou dizer que gozei assim naquele dia porque no dia seguinte fiquei o dia inteiro com o cu ardendo, só que algum tempo depois voltei a repetir a experiencia com um namorado que tinha um pau um pouco menor, me acostumei e confesso que agora gosto.

Depois dessa sessão de sexo ele cansado deitou-se na cama ao meu lado, ficamos assim uns 20 minutos descansando, eu não falava uma só palavra pensando no que tinha acontecido, foi loucura, ele era pai da minha amiga, era quase 30 anos mais velho enfim bateu-me um certo remorso  mas ao mesmo tempo que batia um remorso eu pensava como esse coroa metia bem, me fez sentir mulher realizada eu gozei várias vezes coisa que eu nem sempre gozava com os namorados mais novos, comparando as situações eles eram mais viris, mas eram muito rápidos, dispensavam as preliminares e iam aos finalmente, enquanto o seu Carlos foi carinhoso, não pulou nenhuma etapa, apesar dos seus 50 anos ele tinha um corpo bem definido e não foi ruim.

Quando me levantei fui tomar banho coloquei a roupa ele ainda estava na cama estendido, falei Seu Carlos, eu preciso ir já é tarde, ele então me falou porque não dorme aqui mesmo, você disse que está sozinha lá, então fica aqui dorme no quarto da Cíntia ou na minha cama e deu uma risadinha, e amanhã nem precisa acordar muito cedo, acabei concordando em ficar no quarto da Cíntia  afinal que mais poderia acontecer que já não tivesse acontecido, deitei-me então liguei a TV em pouco tempo eu adormeci, pela manhã por volta das 9 hs da manhã a porta do quarto se abre, era o Seu Carlos, com uma bandeja de café da manhã nas mãos, ele tinha acordado mais cedo pra fazer um café e e trouxe, achei aquilo o máximo de cavalheirismo, ele me acompanhou no café assentado ao lado da minha cama. Quando terminamos de tomar o café ele colocou a bandeia ao lado e
começou a acariciar-me, eu estava só de camiseta e calcinha foi fácil ele retirar tudo logo eu estava nua e ele continuava acariciando me corpo, como no dia anterior sem pressa começou a beijar meu pescoço, dava leves chupadas pra não deixar marca enquanto chupava meu pescoço suas mãos acariciavam meus seios, logo depois ele também lambia e chupava meus seios eu ia as alturas, em meio aos lençóis e acolchoados ele abriu minhas pernas e começou a chupar-me, lambia meu clitóris de baixo pra cima como um cachorrinho, isso me levava as alturas, como no dia anterior eu já estava toda molhadinha, o cheiro de sexo já invadia o ambiente, eu estava ali passiva recebendo seus carinhos, se na noite anterior foi bom aquela manhã estava sendo maravilhosa, o seu Carlos sabia como fazer pra deixar uma mulher satisfeita sexualmente, apesar da minha pouca idade perto dele eu me senta uma mulher realizada plenamente, as vezes eu apertava minhas coxas na cabeça dele de tanto prazer que ele me proporcionava, não sei se ele estava caprichando pra poder me fazer desejar transar com ele outras vezes ou se estava caprichando porque era o jeito dele mesmo, só sei que naquele momento ele poderia fazer o que quisesse comigo eu estava entregue para 
 aquele homem, eu desejava que ele enfiasse aquele pau gostoso dentro de mim outra vez, que se dane que ele era pai da amiga, que se dane que ele era casado, o fato é que ele era muito bom de cama, sussurrando eu implorava que ele me penetrasse, ele então se posicionou em cima de mim, posição papai mamãe, abri bem as pernas, em torno da sua cintura e esperei por aquela vara, porem ele não enfiou duma vez só, ele começou a passar a cabeça na minha vagina, no meu clitóris numa masturbação com próprio pau dele, isso me deixava ainda mais louca até que envolvi minhas pernas em torno da sua cintura e fiz com que ele penetrasse forte, ele bombava cada vez mais rápido e forte até que gozou dentro de mim, eu já tinha gozado umas duas vezes, ele então tentou comer minha bundinha outra vez, dessa vez eu implorei que não o fizesse porque ainda estava dolorida da noite passada, e disse-lhe que realmente atras eu era virgem por isso estava doendo, ele como cavalheiro não insistiu, afinal ele já tinha me comido de todas as formas na noite anterior e pela manhã de novo a buceta, foi uma experiencia ótima.

Depois desse dia continuei frequentando a casa deles, o seu Carlos era discretíssimo e eu também  afinal ele era casado, acabamos nos encontrando mais algumas vezes enquanto durou a minha faculdade, repetimos a experiencia em um motel, ele era muito atencioso e carinhoso, as vezes me trazia um presentinho tipo perfume de marca, outras vezes lingerie pra que eu usasse no motel com ele, eu nunca precisei de nada mais que isso.



BY
contoseroticossensuais.blogspot.com.br