sexta-feira, 2 de junho de 2017

MEU MARIDO QUERIA ME VER DANDO PRA OUTRO

Ola sou leninha casada a  18 anos com Jose, ambos temos  42 anos. e tudo que sei e faço sobre sexo aprendi com meu marido, ele foi meu mestre e udo que sei foi meu marido que me ensinou é claro com minha cumplicidade também senão não teria graça.


Tudo começou logo depois de casarmos, quando para apimentar a relação assistíamos filmes pornos que me dava um tesão enorme principalmente quando o ator  era homem de pau grande. e normalmente os atores tem pau maior que a média dos outros homens, e meu marido  Jose percebeu essa minha tara, e na hora das nossas transas ele socava o pau na minha buceta com fé e vontade e sempre perguntava  se eu chuparia um pau daqueles, e se eu aguentaria um pau daquele tamanho na , minha buceta que sempre latejava de tesão e  eu respondia que sim. 



O tempo foi passando até que ele revelou que queria me ver fodendo com outro, na hora falei pra ele que ele estava louco, e ele continuava me provocando,  tive outra surpresa quando ele que tinha tirado varias fotos minha de calcinha fio dental sem sutiã, e  tinha postado em um desses sites de anuncios de casais, fez isso  sem me consultar e  varios homens já tinham mandado mensagens  querendo foder comigo, e meu marido me mostrando as fotos deles me despertou um tesão, alguns se mostravam nus e com um membro avantajado,fui ficando com tesão,  e com a concordância do meu marido  acabei me exibindo na Web Cam pra outro homem me comer virtual., eles se masturbavam e eu vendo aqueles homens se masturbando na minha frente  eu quase gozava, mas não gozava porque eu queria depois era meter  melhor ainda com Jose meu marido.

Nesse clima maluco eu fiz  Fiz varias exibições pra vários homens e o que eu mais quera era era um negro de pau grande mas nunca apareceu nenhum, até então eu nunca tinha transado com outro homem, mas a ideia me excitava, e eu sabia que meu marido me liberaria caso  achasse a pessoa certa alguem pelo qual eu me interessasse, e sem que eu soubesse o José já tinha até marcado um encontro para realizar a fantasia de sexo a três, ele falou comigo eu até concordei em ir, mas quando chegou a hora eu não tive coragem de ir, meu marido ligou pro tal cara pediu desculpa e eu não fui, na verdade sempre fui uma puta na cama para meu marido  e até tenho a fantasia de fazer uma dp.só que eu não tinha coragem.


Mas essa louca fantasia foi tomando forma na minha cabeça e aos poucos acabei aceitando a ideia de transar com outro homem na frente do meu marido, algo  que por ele já teria acontecido bem antes, até que um dia de tanto ele insistir eu falei pro José meu marido que ele podia marcar com quem ele quisesse que eu aceitava, e naquele dia parece que ele ficou mais tarado em cima de mim, e fizemos amor maravilhosamente.



A partir daquele dia ele retomou o contato com aqueles caras aos quais eu tinha me exibido, e ele veio até mim perguntando-me com qual deles eu escolhia para realizar a tal fantasia, como não tinha achado nenhum negão de pau grande, falei pra ele que o que mais me interessava era um moreno que parecia pagodeiro cabelos raspados corpo sarado e tinha um pau que não era muito grande mas era bem respeitável, meu marido concordou com a minha escolha e marcou com o tal cara cujo nome só vim saber no dia D, ele se apresentou como  Bira, e tudo aconteceu num motel.



Chegando ao motel ele veio com muita sede pra cima de mim, me beijando e tirando minha roupa afoitamente, me deixou nuinha em pelo  deitou-me na cama  abriu minhas pernas e começou a chupar-me, eu ia as nuvens cada vez que ele passava a lingua na minha xota, meu marido sempre me chupava, mas só o fato de ter uma língua de um completo estranho na minha xota me deixava com um tesão inimaginável, e meu marido deitado do outro lado da cama com o pau totalmente duro estava se tocando so contemplando a cena de ver a mulherzinha dele sendo chupada por outro homem, 

Até que ele não aguentando mais veio por cima e queria me penetrar, mas eu não deixei, não antes que ele colocasse uma camisinha afinal todo cuidado é pouco, eu não queria correr o risco nem de pegar alguma doença nem de engravidar, meio a contragosto ele colocou a camisinha e veio afoito pra cima de mim, apontou aquele pau duro que nem pedra na portinha da minha xota e não deu outra, ele enfiou tudo pra dentro numa estocada só, até senti a cabeça cutucar o meu útero causando-me uma sensação gostosa de estar sendo possuída na frente do meu maridão, eu abri bem as pernas, quase me arreganhando para agasalhar aquele pau gostoso que insistia em ir e vir, num ritmo frenético que parecia não se cansar nunca, porque ele socou e tirou pelo menos por uns 20 minutos me dando uma surra de pica como dizem por ai antes de gozar, quando ele gozou ele retirou o pau de dentro e caiu na cama para descansar um pouco, e eu continuei ali deitada nua de pernas abertas foi nesse momento que meu marido veio pra cima de mim num tesão incrível que eu até então desconhecia, socou o pau pra dentro sem nenhuma cerimônia enquanto o Bira ali deitado do lado descansava para logo depois iniciarmos uma outra sessão de sexo, então meu marido alucinadamente
enfiava e tirava, com movimentos mais bruscos, e não demorou muito para que gozasse também, eu sabia que ele devia estar em fogo porque assistiu minha foda com o bira se tocando, mas ele reservou seu gozo pra gozar dentro de mim, depois dessa sessão o Bira acordou com nova disposição e veio pra cima de mim novamente e numa nova sessão de sexo meu marido veio por trás, finalmente eu ia realizar aquela fantasia da DP, o Bira ficou deitado por baixo eu me encaixei bem e meu marido veio pôr trás, em poucos momentos eu já estava sendo comida pelo meu amante ocasional e enrabada pelo meu marido, aquilo virou uma suruba, logo depois eles trocaram de posições e novamente fui comida pelos meus dois homens, finalmente eu tinha realizado aquela louca fantasia.

É claro que meu marido continuava com as fantasias dele, eu tenho certeza de que a maioria das fantasias dele com outras mulheres por exemplo ele já tinha realizado ou iria realizar comigo ou sem mim, e com isso ele deixou-me as portas abertas para novas aventuras.


contoseroticossensuais.blogspot.com.br

ACHO QUE MINHA MULHER DEU PRA OUTRO CARA

Vou relatar algo que eu desconfio mas não tenho certeza, mas eu acho que minha mulher deu pra outro, mas até hoje nunca tive a confirmação embora eu tenha quase certeza,

Tudo aconteceu assim, eu e minha mulher na hora do sexo costumamos ter nossas fantasias, e uma das fantasias é dela quando em viagem dando pra outro cara e depois ela teria que contar pra mim, é claro que sempre foi apenas uma fantasia mas acho que ela levou a sério a tal fantasia porque recentemente ela teria que viajar para um curso de atualização na área  trabalhista, e ia ficar   uma semana inteira fora,, porque o cargo dela na empresa  exigia, e esse curso seria em B.H., e nós moramos no Rio, então combinamos que ela ligaria todas as noites pra gente namorar por telefone isso fazia parte das nossas fantasias

Já no primeiro dia quando a Mariana minha esposa me ligou, depois de conversarmos por uns momentos e colocar as informações em dia começamos a namorar e começaram as provocações e fantasias  eu comecei a provoca-la e falei, então amor, encontrou alguém interessante por ai? Claro que eu tava me referindo a sexo e ela sabia disso então ela entrando no clima me falou, amor ainda é primeiro dia, mas quer saber,  até que tem um negro, que senta ao meu lado, forte sarado e bem bonitão que eu até teria coragem de perder  uma meia hora, parafraseando uma brincadeira que eu sempre fazia com ela quando via uma mulher gostosa eu dizia pra ela que eu teria coragem  de perder uma meia hora com a tal fulana, aquela brincadeira na hora me deu um tesão e eu dei corda e falei, amor já imaginou  fazendo amor com um negão, ela respondeu fazer amor não, seria só sexo mesmo, amor eu faço com vc, eu provoquei-a ainda mais e falei é sua chance aproveita, ela ainda falou tem certeza de que vc deixa amor? Respondi  pra ela eu deixo mas você vai ter que me contar depois combinado, ela respondeu então tá bom vou fazer mas só porque voce quer, e nesse clima sensual acabei tocando uma punheta enquanto falava com ela, e foi assim na segunda e na terça e na quarta eu sempre  incentivando essa louca fantasia

Na quinta feira quando ela ligou depois de conversarmos um pouco entramos na área sensual e naquele climão provocante  eu perguntei e o tal negão? Ela respondeu ele é uma pessoa muito simpática, hoje já almoçamos e jantamos juntos  e provavelmente amanhã também, eu provocando ainda mais a Mariana enquanto tocava uma punheta perguntei pra ela e dai acha que vai rolar ou não, ela no clima falou seu bobo já rolou, me fiz de espantado e perguntei quando? Ela me respondendo disse que foi na noite anterior, quer saber como? Falei claro que quero, e ela começou a contar  que depois que a conversa que tinha tido comigo a deixou bem excitada, e que ainda era cedo e não tinha nada pra fazer no quarto de hotel e o tal negão tinha ligado pra ela convidando-a pra tomar um chopp já que BH era bem quente no verão, e ela aceitou.

Eu pra colocar mais lenha na fogueira perguntei como foi, ela me respondeu que tomou um banho e colocou uma calcinha minuscula e um vestido bem insinuante e foi, perguntei e dai como foi que aconteceu, ela respondeu que tomaram uns chopes, depois voltaram para o hotel, e na hora que iam se despedir ela a puxou contra si e a beijou, só por essa descrição eu já estava com o tesão a flor da pele, mas eu continuei perguntando e dai como foi a sequencia? Ela respondendo me falou bem ele entrou em meu quarto enquanto beijava meu pescoço, o tesão era tanto que entre a porta e a cama os dois já
estavam pelados, e o resto voce pode imaginar né amor, eu excitado e querendo saber o resto da história falei que minha imaginação estava fraca naquele dia que eu queria que ela mesmo me contasse detalhes então ela passou a contar que ele tinha pego ela, tirado-lhe o vestido o sutiã e a calcinha, depois tinha deitado ela de pernas abertas e deu-lhe uma bela de uma chupada na buceta até que ela gozou na boca dele, e depois dela ter gozado ele veio por cima e atolou aquele pauzão na buceta dela até que ela gozasse de novo, eu não resistindo mais de tesão perguntei e voce amor, tambem chupou ele, no que ela respondeu, claro amor, vc acha que eu deixaria barato, eu deu uma bela duma chupada no chouriço dele, e nesse clima acabei gozando enquanto ela me descrevia os detalhes, eu perguntei o nome do cara mas ela não queria dizer até que ela falou brincando que o nome dele era Ricardo, claro que uma alusão ao Ricardão, na sexta feria a gente não ia se falar por telefone porque depois do fim do tal curso ela pegaria o avião as 21 hs eu teria que pega-la no aeroporto perto da meia noite.

Na noite de sexta feira eu cheio de tesão resolvi dar uma bela foda com a Mariana naquela noite, e durante a foda rolou a fantasia com o tal Ricardão, foi uma transa maravilhosa, depois de termos transando começamos a conversar, foi quando eu perguntei a ela se ela realmente tinha transado com o cara, foi quando ela me falou, imagina amor, eu só falava aquilo ao telefone pra te deixar excitado porque eu sei que voce tinha esse tipo de fantasia, confesso que fiquei aliviado apesar da tal fantasia eu não estaria me sentindo bem usando um chapéu de touro, o engraçado é que a maioria dos homens tem a mesma fantasia mas na hora da verdade não se sentem muito confortáveis, e esse episódio estava quase esquecido quando por ocasião de fim de ano sempre havia uma festa de confraternização do pessoal do Administrativo e de RH patrocinado pela empresa onde Mariana trabalhava, e nesse ano seria num hotel fazenda onde todo o pessoal do do RH ia passar o dia nesse hotel alguns levaram até filhos, mas sempre tinha aquela turminha do eu sózinho tipo os solteiros.

Chegamos logo pela manhã, o dia estava calor, antes do almoço alguns resolveram caminhar nas trilhas ali existente, outros ficaram na piscina e alguns jogando truco, eu como gosto de jogar truco logo me enturmei nessa turma, quem ganhava ficava na mesa jogando quem perdia aguardava, então enquanto eu aguardava minha vez fiquei por ali espiando e tinha três rapazes bebendo e conversando sobre mulheres, quem tinha pegado quem na empresa até ai tudo normal mas o que me chamou a atenção foi quando um moreno sarado comentou com o colega que ele tinha pego a cavalona do RH, e o outro falou, eu duvido ela é casada e nunca deu moral pra ninguém na empresa, o tal morenão falou mas peguei, o outro interessado perguntou e como foi isso, o tal negro continuou, foi dificil, tive que xavecar por dois dias inteiro mas no fim ela acabou abrindo as pernas pra mim.
- Mas quando foi isso
- Foi no meio do ano quando a gente foi fazer aquela atualização lembra-se?
- Claro que me lembro era pra eu ter ido mas acabou indo você...
- Então foi a melhor coisa que poderia ter me acontecido, peguei aquela gostosa do RH
- Qual delas?
- Ah, a Ana,
     Na hora eu gelei porque a Mariana tb era conhecida por Ana, uma forma abreviada do nome dela.
     e eles continuaram..
- Mas ela não é casada? Ela nunca deu mole pra ninguém aqui na empresa,, eu duvido muito.
- Só não tenho como provar mas pode acreditar aconteceu.
Dai esse tal moreno começou a contar vantagens do tipo que ele nos dois primeiros dias deu em cima discretamente mas ela não dava brechas e de repente no terceiro dia quase que por encanto a Ana liberou geral, etc e tal.

Eu passei aquela tarde toda com um grilo na cabeça, mas eu não podia fazer nada, até que a  noite na hora da gente transar depois da transa começamos a conversar e eu entrei no assunto e perguntei novamente, amor, naquela viagem vc deu mesmo pro tal negão??? Mas ela foi inflexível, dizendo que só tinha fantasiado aquilo no telefone pra me agradar, eu não tive coragem de dizer a ela o que eu tinha ouvido, mas pelo que ouvi eu tenho quase certeza de que ela realmente transou com aquele cara.


TRANSEI COM UM RADIALISTA

UMA TARDE COM UM RADIALISTA

Me chamo Carla e vou relatar uma historia romântica que aconteceu comigo a uns 3 anos atrás, eu conheci o Renato em um  site de jogos, foi assim, um belo dia eu recebi um convite de amizade pelo meu perfil eu aceitei, e depois a gente começou a conversar eu descobri que ele era um locutor de rádio na cidade de Campinas-Sp, acabamos encontrando um monte de afinidades, ele era um amor de pessoa, conquistou-me, como dizem foi amor a primeira vista, ou seria melhor a primeira teclada,, essa afinidade foi crescendo, trocamos o numero do celular, e a gente se comunicava quase todos os dias, eu embriagada por essa paixão mesmo virtual ouvia o programa dele pela internet, era de madrugada, mas ele sempre me oferecia uma musica, com isso foi me conquistando a ponto de me fazer ter vontade de trair meu marido, ele era tão romântico e apaixonante, 

Eu tinha uma amigona chamada Kelly, daquelas que a gente confia qualquer tipo de confidencia, eramos tão confidentes que eu sabia de alguns cachos dela mesmo sendo ela tambem ser casada como eu, e eu comentei com ela sobre o Renato, meu amigo, comentei que eu estava tendo um affair com esse amigo, e que esse amigo queria me ver, então a Kelly me incentivou a levar essa loucura adiante, e para que eu tomasse coragem ela me falou que ela mesmo já tinha tido mais de um encontro fora do casamento, disso eu já sabia, então comprei a ideia dela.

Na primeira vez que ele propôs um encontro comigo, claro que eu fiz um charminho mesmo querendo muito também me encontrar com ele, eu sabia que esse encontro rolaria sexo, ele nunca fez segredo disso, ele sempre me disse que gostava de mim como mulher, mas me desejava na cama e pra ser sincera eu também desejava-o, mesmo tendo nos visto apenas por fotografias, e pela WEB CAM, ele era um moreno sarado, atraente, gostoso, e muito sedutor, mesmo eu sendo uma mulher casada estava decidida a conhece-lo mesmo sabendo que ia rolar sexo nesse encontro, principalmente porque eu estava carente, meu marido que viaja bastante, por dias e até semanas, já não comparecia como devia na cama e na hora do sexo, eu queria e precisava de um carinho de sentir-me desejada e amada, Renato, me proporcionava isso  , o problema é que eu moro em Blumenau-SC, bem longe de Campinas, esse era o maior empecilho para essa aventura, ele era casado e segundo ele ele nunca tinha viajado sem a mulher que ficasse mais de uma noite fora, e ele me desafiou a ir ve-lo eu já estava decidida a encontra-lo, se ele não podia vir tomei coragem e resolvi ir até Campinas.

Mas para isso eu teria que ter uma desculpa, eu tava muito a fim mas não via muitas opções como eu explicaria em casa viajar ficar dois dias fora, foi quando a Kelly que tinha parentes na região de Campinas se propôs a ir comigo, a desculpa era que eu iria com ela pra acompanha-la na visita dos parentes, seria um passeio de dois dias, traçamos o plano, compramos passagens aéreas com antecedência para podermos pegar um bom preço, avisei a ele que eu tava indo, marcamos o encontro para um fim de semana, logo no sábado cedo eu peguei o avião no aeroporto, antes do almoço já estávamos desembarcando no aeroporto de Viracopos, o Renato, já estava nos esperando, ele nos pegou, fomos direto a um hotel, reservamos um quarto pra mim e outro para a Kelly, deixamos as bagagens, foi nesse quarto que rolou o primeiro beijo, uma delicia, logo fomos os três almoçar num restaurante .

Retornamos ao Hotel, eu e o Renato  fomos para nosso quarto e a Kelly para o dela, não sei o que ela ficou fazendo mas eu mal entrei no quarto ele já veio pra cima de mim, me beijando com uma volupia deliciosa, nossas línguas se entrelaçavam, enquanto ele me beijava tocava meus seios, apertava com força que chegava até doer um pouco, mas naquela volúpia toda eu nem estava ligando em sentir um pouco de mistura de dor e prazer, mas não demorou muito era só prazer, ele aos poucos foi tirando minha roupa e eu a roupa dele, nessa volupia toda me ajoelhei e lentamente desabotoei a calça dele baixei sua cueca e dela saltou uma piroca dura, abocanhei-a e comecei a mamar, como uma bezerra faminta, eu fazia movimentos de vai e vem com a boca, numa masturbação bucal, seu segurava com uma mão e com a boca eu mamava, isso durou alguns minutos até que ele me conduziu até a cama, empurrou-me sobre ela e eu que já estava nua, ele abriu minhas pernas e retribuiu a caricia chupando minha xoxota, eu estava subindo pelas pareces, aquele homem que eu desejei virtualmente agora era real, não tínhamos muito tempo então aproveitamos da melhor forma que podíamos que era transando, depois dele me dar uma bela chupada e lambida, veio pra cima de mim e posicionando seu pau na borda da minha xoxota foi enfiando, até que socou ele todo pra dentro de mim e começou a bombar, ritmado, mas cada vez mais forte e mais rápido, minha xoxota piscava de tanta excitação, na hora fiquei só imaginando o que a Kelly estaria fazendo no quarto dela, mas nem me preocupei, o negocio meu era o Renato senti-lo plenamente e curtir a cada momento que desse, afinal seria apenas uma tarde.

Ele enfiava e tirava sem parar aquela pica dentro de mim, a gente mudava de posição a toda hora, ele por cima eu por baixo, depois eu por baixo e ele por cima, de quatro, de bruços, papai mamãe, frango assado etc... eu estava realizada ele sabia como fazer e como tratar uma mulher, o problema maior foi quando ele quis me comer o cuzinho, não que eu nunca tivesse feito anal, mas era que eu tinha feito uma cirurgia a algum tempo atraz e jamais poderia fazer sexo anal novamente sob o risco de perder mais do que as pregas, expliquei para ele ele compreendeu , mas mesmo assim me pediu pra só brincar na portinha como se fosse penetrar, de tanto ele insistir eu até deixei, mas.... ele não se contentou em só brincar no meu cuzinho, tentou penetrar assim mesmo, quando eu percebi dei um pulo pra frente e cortei o barato dele, mas ele que já tinha gozado algumas vezes acabou por não insistir mais.

Passamos a tarde toda ali naquele quarto de hotel, ao cair da noitinha ele foi embora afinal ele não queria chegar muito tarde em casa pra não levantar suspeita, logo que ele se despediu liguei pra minha amiga Kelly, e ela veio até meu quarto, ao ver meu quarto todo desarrumado, roupas de cama amassadas, e algumas até no chão, deu uma risadinha sarcástica e falou, pelo jeito a festa foi boa, claro que ela imaginava tudo que tinha acontecido naquele quarto durante a tarde, e como duas boas amigas eu contei tudo pra ela detalhe por detalhe, no fim ela até confessou que tava com inveja de mim porque ela ficou de vela enquanto eu curti o bem bom.


contoseroticossensuais.blogspot.com.br

MULHER CRENTE TAMBEM TRANSA

Eu sempre achei lindo essas mulheres crentes que se vestem sobriamente, saias na altura do joelho ou abaixo, cabelos longos, verdadeiras mulheres proibidas, mas que despertam o desejo da maioria dos homens, eu nunca imaginei que um dia conseguiria eu conheceria uma dessas e mais ainda, eu conseguiria leva-la pra cama. 

Eu conheci a Suzana quando um amigo me convidou pra ir a igreja deles, confesso que a principio eu não queria ir porque eu não era chegado a essa coisa de igreja, porque eu gostava de baladas, gostava da minha cervejinha, e devido a insistência dele eu fui, depois descobri que a igreja dele até permitia beber cerveja, pra meu espanto que achava que os crentes proibiam tudo, mas emfim, voltando a nossa historia apesar dela morar no mesmo bairro nunca tínhamos travado qualquer tipo de contato, só de de vez em quando que ela passava na rua de casa a caminho de uma igreja cujo nome não vou relatar por questões éticas, mas eu   sempre que a via ela estava sozinha sozinha ou com outras amigas eu as olhava e sempre comentava  com algum colega algo assim tipo que mulher mais gostosa, mas ela era casada e estava sempre acompanhada de três crianças  pequenas, era uma escadinha, mesmo tendo tres filhos ela ainda mantinha um corpo curvilíneo, mas apesar de acha-la lindamente gostosa sempre fiquei na minha porque nunca até então eu tinha ido a uma igreja crente e pra dizer a verdade até tinha certo receio, principalmente porque os homens sempre estavam de terno e as mulheres cabelos compridos e usavam véu,  então igreja crente não me atraia, só fui aquela vez por insistência do amigo.
Mas era inevitável de que eu a visse cada vez que passava na frente da minha casa, afinal a tal igreja era era  na mesma quadra que eu morava, na verdade eu até gostava das cantorias acompanhadas de uma banda, sempre gostei de musica, mas enfim...certo dia numa tarde eu estava na frente de casa  distraído e quando ela passou me chamou a atenção porque naquele dia ela estava com uma saia Jeans e uma bota até quase a altura do joelho, esse figurino me deixava atraído, alias sempre fui atraído por mulheres um pouco mais cheinhas ela  realmente tinha uma beleza singular não tinha uma beleza tipo estonteante mas era muito atraente, seu corpo era bem curvilineo apesar de estar um pouquinho acima do peso o que lhe dava mais charme ainda, uma verdadeira gordelicia, e a saia jeans que ela usava era bem ajustada comprida mas bem colado em seu corpo que destacava seu quadril,  fiz uma varredura completa percebi que tinha uma bunda bem gostosa, e cabelos  compridos e quando passava pra ir  a igreja eu ficava o tempo todo observando os movimentos dela e daquela bunda arredondada dentro do vestido.

Comecei a observar melhor e quando ela  passava por ali com os dois filhos mas nunca vi o marido, a gente até se cumprimentava, mas timidamente e de maneira muito formal, e virou rotina eu sair na calçada bem na hora que ela passava só pra poder ve-la, e quando ela passava sempre me cumprimentava mas daquela maneira formal e continuava seu trajeto  um dia ela um pouco mais cedo me cumprimentou eu puxei conversa perguntando do meu amigo, nesse dia ela trocou algumas palavras comigo, aproveitou renovou o convite pra eu ir na igreja deles naquela semana porque haveria uma programação especial de aniversário, e eu fui, e a partir daquele dia incentivado pelo meu amigo eu até participei de alguns cultos deles e com isso eu poderia reforçar os laços de amizade com a Suzana, que já não era mais aquela mulher formal em relação a mim, e sempre que a gente se encontrava ela se soltava mais, eu pra ganhar a sua confiança brincava com as crianças, as vezes eu dava uma balinha que propositalmente já guardava em meu bolso, e com esse gesto fui ganhando a sua confiança cada dia mais.

Com o passar do tempo fui conhecendo-a melhor, por exemplo descobri que ela tinha 36 anos,  era casada o filho mais velho adolescente tinha 13 anos, o o meio tinha 10 e o caçula era o temporão, ainda de colo, descobri que  seu marido só ia a igreja com ela de vez em quando por ser policial militar e trabalhar por escala e alegava que por causa do trabalho não dava pra frequentar, mas ela desabafou dizendo que no fundo ele não ia porque não gostava mesmo, e ainda disse bem que eu devia ter ouvido minha mãe, casei com alguém que não era da igreja deles agora tenho que aguentar, 

Apesar de nossa amizade já bem consolidada, eu por respeito nunca  me insinuei pra  ela apesar de deseja-la secretamente, mas o principal motivo era porque eu era casado e a igreja era muito perto de casa. alem do que ela nunca me deu brecha, se por um lado eu nunca tinha insinuado naca com ela por outro lado eu pude notar que ela era levava uma vida sofrida dividida entre os afazeres da casa e da igreja, sozinha porque o marido não compartilhava com ela esse entusiasmo pela igreja, ela  sendo uma mulher  muito atraente   tinha um marido que preferia o trabalho a acompanha-la principalmente na igreja,  pensei comigo mesmo, esse cara tá pedindo pra levar chifre, porque quem não dá a devida atenção logo logo vai reclamar de outro ocupando o lugar dele, enfim,  no fundo eu é que estava  doido pra lhe  dar essa atenção intima.

Nossa amizade foi crescendo, até que  certo dia deu certo de eu estar por perto da casa dela de carro, e vi que ela estava seguindo sozinha para o ponto de ônibus, que ia para o centro, eu nem ia para o centro mas arrisquei parar  o meu caro e oferecer uma carona, faltava poucos metros para ela chegar ao ponto e a principio disse-me que preferia ir de ônibus pra não dar o que falar, eu disse-lhe para deixar de ser boba, ninguém ia falar coisa alguma que aquilo era coisa da sua cabeça, de tanto eu insistir ela acabou aceitando  a carona.

Enquanto eu dirigia bem lentamente  rumo ao destino, ela olhou pra mim como se a consciência dela estivesse acusando algo, me disse  que  não ficava bem  ela aceitar carona, temia que alguém a visse dentro de um carro sozinha com outro homem etc e tal, mas eu brinquei com ela dizendo que não se preocupasse com os outros, eramos apenas amigos o que mesmo que alguém nos visse o que mal havia nisso, e acabei acalmando-a, deixei-a no terminal de onibus, ela me disse que ia pagar algumas contas no banco, reclamou que provavelmente teria fila etc e tal., eu disse-lhe que tb não ia demorar muito e se ela quisesse eu daria carona de volta o que a principio ela recusou dizendo que não sabia exatamente a hora que terminaria tudo, então eu deixei o numero do meu celular e falei, não tem problema vc me liga quando tiver voltando eu te pego aqui mesmo no terminal, ela se despediu e saiu.

Na verdade eu nunca achei que ela me ligaria por causa da timidez dela, mas fiquei na minha fazendo hora mesmo achando que ela não ligaria fiquei por ali, quando por volta das 4 da tarde meu telefone toca, quase explodi de emoção, era a Suzana, me dizendo que já tinha terminado o que veio fazer e que se eu quisesse poderia pega-la no terminal, eu me espantei porque ela nem perguntou se eu poderia. 

Enquanto a gente estava voltando pra casa eu falei pra ela se ela não queria tomar um lanche em algum lugar, ela não queria parar medo se ser vista, mas havia um shopping no trajeto falei que a gente poderia parar no shopping assim se alguém nos visse dentro do shopping não haveria problema algum, mesmo relutante ela aceitou, e la fomos nós, ela tomou um milk Shake e eu um sorvete, depois a gente foi pra casa, e no trajeto de volta  falei pra ela se ela não se incomodava em a gente parar um pouco pra gente conversar, para meu espanto ela concordou, então escolhi uma rua bem deserta para parar, foi de proposito porque eu queria era ficar com ela sozinho nem que fosse um pouco só,  parei e me ajeitei no meu banco notei que  seu vestido ao sentar subiu ate o meio de suas coxas, e que coxas lindas, depois de alguns minutos de conversa coloquei a mão em suas pernas ela tremeu,   pude observar  que por baixo da blusa branca quase transparente que ela usava, os bicos dos seus seios enrijecerem, dentro de um sutiã negro de rendas que mostrava sutilmente os  bicos durinhos de seus seios ela notou meu olhar correr pelo seu corpo então ajeitou a saia cobrindo a parte que estava a mostra da sua coxa, fiquei meio chateado por ter sido privado dessa visão maravilhosa, mas me contive, afinal ela era  casada e crente,  essa reação era normal na posição dela. 


Ficamos por uma meia hora conversando sobre banalidades e eu de pau duro não conseguia tirar os olhos de suas pernas e dos seios, percebi que ela notou minha excitação e ficou muito desconsertada, mas também notei que ela em silencio sempre olhava mesmo que disfarçadamente em direção do volume dentro da minha calça ela pediu-me para que a gente fosse logo pra casa porque sua família iria ficar preocupada, falei que não era tão tarde assim, era apenas 4,30 da tarde, e qualquer coisa que ela ligasse pra casa e avisasse que ia chegar um pouco mais tarde isso a tranquilizou, evirou-se de frente pra mim mas continuava com a bolsa no colo, eu delicadamente retirei a bolsa e coloquei no banco de trás, depois disso fiquei olhando fixamente para os seios dela e ela  ficou um pouco vermelha, notei que ela também mesmo que disfarçadamente olhou para o volume sob as minhas calças, ao vê-la ali na minha frente só nos dois ela com aqueles  cabelos longos e sedosos caindo sobre os ombros, e com metade das coxas de fora não resisti, comecei a acaricia-la de leve atrás de sua nuca ela a principio aceitou meus carinhos, depois beijei-a suavemente nos lábios, ela se assustou tentou me afastar, mas segurei sua nuca firme e dei um beijo mais ousado, ela timidamente retribuiu o assedio acariciei seu colo e tentei descer até seus  peitos na hora ela começou a tremer, levei a mão em sua coxa deslizei por baixo do vestido até sentir a calcinha, enfiei um dedo por baixo da barra comecei a brincar em seus pelos pubianos ela se arrepiou toda eu mordia seu pescoço e lambia sua orelha,quando tentei tocar a sua buceta ela resistiu e falou que aquilo não, que jamais faria aquilo com o seu marido e que aquilo era errado, e que eu também não devia porque eu e ela eramos casados e empurrando-me pediu para eu parar.

Eu parei só que eu estava louco de tesão tinha que possuir aquela mulher, então eu aliviei um pouco a pressão, mas sem deixar de tentar, eu falei mas só beijar não é traição, beijar podemos não é mesmo? Ela pensou um pouco e falou o problema é que não para no beijo, eu insisti um pouco mais dizendo que seria apenas um beijo só, até que ela resoluta me permitiu mais um beijo percebi que ela lá no fundo também estava querendo o mesmo que eu porque respiração estava ofegante.
os vidros do carro estavam embaçados e a chuva continuava. Abracei-a com força e beijei sua boca de novo, dessa vez ela correspondeu, foi quando eu percebi que tinha vencido suas frágeis defesas, enquanto beijava aproveitei para enfiar minha mão dentro de sua blusa, e do sutiã, dessa vez ela não afastou minha mão como antes,  baixei a alça da sua blusa e acariciei suavemente o seu peito depois inclinei-me e  mordisquei levemente o bico que estava tão duro quanto meu pau, ela chegou a gemer baixinho me deixando  ainda mais doido, enquanto eu chupava ela apertou minha cabeça de encontro ao seu peito e começou a gemer mais forte, não resisti levei novamente a minha mão em suas pernas  em direção a sua xaninha mas ela resistiu, só que dessa vês eu forcei a barra  na direção a sua bucetinha, finalmente ela abriu as pernas e quando a toquei por baixo da calcinha ela gemeu, seu corpo tremeu, ela estava toda melada, apertei meus dedos em sua buceta e comecei a massagear o seu clitoris, ela estava quasse gozando e dizia que nao era certo, que não podíamos nem devíamos fazer aquilo, ela  estava certa mas eu ignorei, seu corpo tremia, puxei a barra da calcinha pro lado e novamente ela tentou resistir
mas já não tinha forças quando comecei a enfiar o dedo ela não resistiu mais começou a massagear meu pau por cima da calça, as vezes apertava com tanta força que chegava a doer, até que eu retire-o para fora da calça ela se assustou e parou, se recompôs e falou que era melhor pararmos que aquilo não podia acontecer, mas não conseguia tirar os olhos do meu pau que estava fora da calça, duro e todo babado. não dei tempo pra ela pensar beijei novamente sua boca e mordi o seu peitinho, ela estava com muito tesão e ao mesmo tempo com muita culpa, só que
nessas horas o tesão fala mais alto, e fiz com que ela me chupasse gostoso, o que ela fez meio que timidamente a principio mas logo se soltou, nesse instante notei que ela havia gozado, porque meus dedos que a masturbavam-na ficaram lambuzados com seu caldinho, ela estava descontrolada e continuava chupando o meu pau  tirei o meu pau quando pus a mão entre suas coxas ela abriu pra facilitar o meu trabalho enfiei novamente o dedo naquela bucetinha enquanto ela me chupava até que  eu gozei , melando todo meu colo pórque  na hora ela tirou a boca, peguei uma flanela que tinha no porta luvas do carro e limpei  o esperma. Ela não soltava o meu pau, abaixei toda sua blusa e comecei a mamar em seus peitos de novo, agora ela já gemia a vontade, tentei tirar a sua calcinha ela ainda resistia resistiu e não deixou, sussurrei em seu ouvido que eu queria só esfregar que não iria enfiar e me contentava se gozasse nas coxas... e coisa e tal.... ela não disse sim mas eu consegui tirar a calcinha dela, nesse momento ela já sabia que não tinha volta, reclinei bem o banco que ela estava, pra eu ter espaço entre o banco e o painel, pulei para o bando do lado e com ela deitada me posicionei e fui logo metendo o meu pau no meio de suas coxas,  posicionei a   
cabeça do meu pau na entrada e tentei enfiar mas ela ainda tentou resistir em vão, para acalma-la eu disse que não ia enfiar que só faria uma massagem no clitóris dela com a cabeça do meu pau, ela excitada me permitiu, como estava bem lambuzada e lubrificada meu pau escorregava gostoso pra la e pra cá,  ela relaxada abriu um pouco mais as pernas pra facilitar meu trabalho de esfregar  a minha pica na buceta dela, aos poucos fui introduzindo a cabeça, quando ela percebeu que eu ia colocar de qualquer jeito tentou  fechar as pernas mas era tarde eu já estava posicionado entre suas pernas não tinha mais como ela evitar, e numa estocada entrou tudo, ela reclamou dizendo que eu tinha prometido não fazer aquilo, mas  na verdade ela mesmo já não desejava mais escapar, mas mesmo assim começou a dizer pra mim  parar e não fazer aquilo porque ela era casada, que não era correto ela ceder aos desejos de outro homem,  mas mesmo reclamando não parava de gemer baixinho e de se mexer em movimentos que não eram de repudio, minha rola estava totalmente dentro dela que começou a gemer alto de forma que até  fiquei com medo de alguém escutar mas eu bombava naquela buceta maravilhosa  tirava e socava de novo,  falei que ia gozar,ela acelerou os movimento,quando gozei ela gozou junto, depois de gozarmos ela se limpou com a mesma flanela, arrumou o o cabelo, vestiu a calcinha e ajeitou o vestido, nesse clima ela me disse que não ter feito aquilo, e pediu-me para leva-la pra casa.


Tudo isso não demorou mais do que 15 ou 20 minutos mas foram os 15 minutos mais maravilhosos da minha via, depois disso achei que não a veria novamente porque eu tinha forçado a barra e que ela tinha ficado muito envergonhada, mas não foi assim porque para minha surpresa ela continuou sua rotina normal como se nada tivesse acontecido, e continuamos a nos cumprimentar como antes ...  apesar de eu tentar outro encontro novamente ela não queria aceitar, e para que eu conseguisse sair com ela de novo tive que usar de uma chantagem, ameaçando contar nossa aventura pra alguem, notei que ela tinha mais medo de que alguem da igreja soubesse do que o proprio marido. mesmo ela a contra gosto tenha concordado em sair comigo outras vezes sendo ambos casados procuramos ser discretos para preservar a familia.

.
.
.
.
contoseroticossensuais.blogspot.com.br

MEU ENTEADO ME PEGOU A FORÇA, EU GOSTEI

O MEU SEGUNDO CASAMENTO ME TROUXE SURPRESAS QUE EU NUNCA IMAGINAVA PODER ACONTECER.... ACABEI TRANSANDO COM MEU ENTEADO

         
Me chamo Vanda, hoje tenho 43 anos e , quando me casei pela primeira vez, eu tinha recem completado 18 anos e meu marido tinha 23, sou de Londrina-Pr, mas meu marido era do Mato Grosso do Sul e trabalhava numa fazenda no pantanal, claro que eu tive que me mudar pra lá, só que meu casamento não durou muito tempo porque fazia 3 anos que moravamos lá ele sofreu um acidente de carro, ele tinha ido buscar combustivel na cidade para os tratores naqueles tambores de 200 litros como ele sempre fazia, mas a estrada sem asfalto, num dia de chuva  fez com que em determinado trecho da estrada ele derrapasse e batesse no barranco, e os tambores rolaram pra cima da cabine esmagando-o, e por só termos tres anos de casados não tivemos filho.
Eu voltei pra minha cidade como eu era nova  ainda estava com 22 anos, logo conheci uma pessoa bem mais velha que eu, ele tinha 35 anos era desquitado  e me casei de novo,como ele era cerca de 13 anos mais velho que eu já tinha um filho de 10  anos chamado Evertom, do qual eu ajudei a acabar de criar, e desse segundo casamento depois de 5 anos  tivemos  um filho, que por ser caçula  era o xodó nosso e dos avós, e por isso  vivia mais na casa dos avós que na nossa, e quando fizemos 10 anos de casados nosso caçula tinha 5 anos e o Evertom já tinha 20, e só estudava nao trabalhava ao contrário do meu marido que viajava direto a serviço,por ser essas viagens constantes e demoradas, as vezes ele ficava 15 dias fora e quando chegava mal ficava em casa por uma semana logo tinha que viajar de novo, porque ele era mecanico de manutenção , ele ganhava bem mas não parava em casa.
Eu ficava em casa e cuidava dos afazeres domesticos, e eu tambem limpava o quarto do Evertom, e perebi que ele tinha revistas pornograficas de sexo explicito, tinha tambem playboy e outras, escondidas, então imaginei que ele se masturbava constantemente, eu já tinha percebido pelas manchas amareladas na cueca, mas enfim... era natural da idade dele, mas fiquei mesmo surpresa quando limpando o seu guarda roupa descobri que ele tinha uma foto minha só de biquini que tiramos na praia, eu só não sabia que ele tinha mandado revelar, fiquei matutando em meus pensamentos porque será que esse garoto tem minha foto de biquini entre seus pertences?? Isso não tava me cheirando bem, mas mesmo assim continuiei achando normal pra idade dele desejar a mulher do pai dele, afinal eu não era nenhum tribufu, eu estava acima do peso mas tinha as coxas grossas bem torneadas, eu tinha os quadris largos mas tinha uma cintura que marcava ue me deixava muito atraente para os homens,  mas achei que era coisa do meu pensamento.

Como meu marido viajava constantemente e nessas viagens constantes eu me sentia muito sozinha, quem me fazia companhia era apenas o meu filho e o Evertom que quando não estava estudando ficava em casa, e foi numa dessas viagens do meu marido num fim de semana eu estava meio pra baixo, e por ser uma sexta feira o meu caçula estava na casa da minha mãe eu me sentia muito  sozinha, o Evertom estava em casa quando estavamos jantando pouco conversamos, ele percebeu que eu estava triste, após a janta começou a me ajudar nas tarefas domesticas como ele sempre fazia, começou a retirar a mesa, a varrer o chão, e eu me pus a lavar a louça da janta, estando eu na pia o Evertom se aproximou colocou a mão em meu ombro e falou, Vanda, hoje vc tá meio jururu, porque?? Eu desconversei continuei lavando a louça, ele então começou a passar a mão suavemente em meu cabelo por traz, senti uma sensação esquisita mas estava gostando daquele afago,
Quando terminei de lavar a louça, e de arrumar a cozinha fomos assistir a novela da noite, e numa daquelas cenas de beijos e sexo que o casal principal protagonizava ele comentou que achava sem graça, eu espantei e perguntei porque? Ele me respondeu porque não tem graça só ver que ele preferia ao vivo e a cores... como tinhamos liberdade em conversar sobre qualquer assunto eu respondi que tambem, mas que pra mim seria mais dificil porque o pai dele não estava em casa, ele sorriu marotamente e disse o pai não está mas o filho está, no que imediatamente respondi.. vou fingir que não ouvi isso, que não ouvi sua cantada indireta, ele sorriu novamente e disse, indireta não.. é direta mesmo.... confesso que fiquei vermelha na hora, eu já com meus 45 anos sendo desejada por um garoto de 20, ainda mais que ele era meu enteado, apesar de eu estar na seca e a situação me esxcitava, não adimitia a possibilidade, eu nunca tinha traido o meu marido, e não seria agora que eu ia começar ainda justo com o filho dele...

Mas a cena da novela continuou quente, percebi que pelo volume embaixo da calça, o Evertom estava excitado e continuva as indiretas.... achei melhor ir tomar banho pra depois dormir, fui ao meu quarto, peguei uma calcinha lilmpa e uma toalha, entrei no banheiro do meu proprio quarto, tomei um demorado banho, e sai só de calcinha e a toalha enrolada no corpo quando sai do banheiro eu vi o Everton sentado na minha cama, perguntei como voce entrou aqui.... estava trancada..... ele falou não estava não.... fiquei ruborizada porque eu tinha certeza que tinha trancado.. pedi pra que ele saisse... mas ele não obedeceu é claro, eu vi estampado na cara dele o que ele queria transar comigo... só que
eu não estava disposta a satisfazer seus desejos, achei muita petulância dele já tert entrado  no meu quarto sem ser convidado.... foi quando ele se colocou em pé dirigiu-se a mim e de surpresa puxou a toalha, eu num gesto instintivo segurei a toalha tapando os seios, ele me agarrou e  me deu um beijo na boca, falei que se ele não saísse do meu quarto eu iria contar pro pai dele, ele arrogantemente falou, pode contar ele não vai acreditar... e dizendo isso me jogou contra a cama,, e numa fúria voraz, retirou a toalha que me cobria parcialmente me deixando apenas de calcinha, ...  pulou em cima de mim, abriu minhas pernas a força tentando arrancar minha calcinha, eu me debatia que nem desesperada pra me livrar daquele assédio mas ele era mais forte que eu e me subjugou, até que ele rasgou a minha calcinha e conseguiu retirar era a unica peça que estava impedindo-o de me penetrar,  , e enfiou aquele pau duro que nem um  pé de mesa na minha xana, apesar dos meus protestos, eu dizia que iria contar pro pai dele então ele falou, que se foda meu pai, agora eu vou até o fim e depois vc conta mas agora vai ter que dar pra mim, e segurando-me bem forte tentava me penetrar e eu tentando evitar a todo custo.

Percebendo que não haveria como evitar mesmo resolvi que o melhor mesmo era tentar aproveitar aquele momento afinal eu não estava traindo eu estava sendo subjugada por um garotão, logo   eu uma mulher no alto dos meus 45 anos estava sendo sendo possuida por um rapaz de 20 com toda a virilidade que eu já nem me lembrava mais de como era, apesar da experiencia dos meus dois maridos, eu já nem me lembrava mais de como era ser possuida por um jovem viril e com os hormonios a flor da pele, então deixei-me ser possuída, já não resisti mais e deixei ele enfiar aquela vara livremente, e posso dizer que era uma vara mesmo, porque o pau dele era maior e mais grosso que o do pai, mesmo eu estando sendo subjugada, eu estava gostando daquilo, apesar de eu não demonstrar mas ele percebeu qe eu tava gostando e falou, mamãezinha gostosa, tá gostando de levar vara do filho tá..  de certa forma isso me irritava porque ele tava certo, eu estava excitada mesmo apesar da situação, foi então que ele gozou abundantemente dentro da minha xana, e isso me deixou com medo porque ele não usou camisinha e eu poderia engravidar... e isso seria terrivel.

Depois que ele gozou levantou as calças e saiu do meu quarto meio cabisbaixo, como quem tinha se arrependido da cagada que tinha feito, e saiu sem dizer nada... eu levantei-me fui tomar banho novamente, e fui deitar, mas não consegui dormir pensando no que tinha acontecido, na minha cabeça um dilema deveria ou não contar pro meu marido , e outro pensamento tb tinha me vindo a cabeça e me torturava, porque eu tinha gostado, seria certo isso, fazia tempo que eu não me excitava da maneira que fiquei excitada, apesar de eu ter gostado não poderia acontecer de novo, outro pensamento ele não usou camisinha, e se eu ficasse gravida, seria uma catástrofe, como eu explicaria, lembrei-me então da pilula do dia seguinte e resolvi que iria tomar, e perdida nesses pensamentos adormeci.

Depois desse acontecido passaram-se dois meses eu não contei ao marido, e o Evertom não falou nada nem tocou no assunto, a rotina da casa continuava a mesma apesar do meu enteado me evitar, sempre que estavamos sozinho, e com isso foi me aguçando um desejo pelo rapaz, mesmo porque eu ficava na seca a maior parte do tempo, e a memória daquele dia em que fiquei super excitada me fazia imaginar como seria se tivesse sido sexo consentido e não fosse forçado como da primeira vez, e quando eu ia dormir sozinha eu ficava excitada com esses pensamentos e acabava me masturbando imaginando uma transa consentida com o Evertom, até que num dia estávamos só nós dois perguntei pra ele, porque estava me evitando, ele falou que estava envergonhado da atitude que tinha tomado naquele dia, eu então o tranquilizei dizendo que ele não se preocupasse porque se eu não tinha contado pro pai dele não contaria mais, e que era normal na idade dele cometer algumas loucuras, foi  então que eu vi um brilho nos olhos dele como se na hora ele imaginasse que eu na verdade estava dando o sinal verde pra ele tentar mais uma vez, então ele me disse, Vanda apesar de voce ser mulher do meu pai eu te acho uma mulher gostosa, sempre te desejei, e voce já deve ter percebido isso, e se tiver oportunidade vai acontecer de novo, por isso eu to evitando voce, era exatamente isso que eu esperava ouvir, então era só eu mexer com os pauzinhos que ele tomaria coragem e novo e me procuraria, então  eu respondi que ele não se preocupasse com isso, dei-lhe um beijo na face maliciosamente quase no cantinho da boca e fui pro meu quarto tomei um banho coloquei uma lingerie bem sensual e fui deitar mas não tranquei a porta, fiquei imaginando se ele tinha entendido o recado e teria coragem novamente.
           Não demorou meia hora minha porta se abriu, ele entrou estava só de cuecas, pensei comigo meu plano deu certo, então ele aproximou-se da minha cama deitou ao meu lado e tentou beijar-me, apesar de eu tambem querer aquele momento eu não podia ceder logo de cara então fiz jogo duro e falei-lhe que não deviamos e nem podiamos afinal eu era madrastra, ele nem se importou e tascou um beijo de lingua, eu o afastei suavemente e disse, Evertom não é que eu não queria mas não podemos ele falou, Vanda eu sei que voce tambem quer senti isso quando falou comigo e me deu aquele beijo entendi que vc tb queria, eu lhe falei então que.. tudo bem mas que ele teria que usar camisinha e  o que acontecesse entre nós  deveria ser segredo total essa era a minha condição, ele nem falou nada concordou acenando com a cabeça e imediatamente me atacou novamente com aquela euforia que lhe era peculiar, e beijou minha boca, retirou a minha calcinha quase rasgando como na primeira vez, e tentou me deitar em cima de mim para enfiar aquela vara novamente sem qualquer preliminar, então eu lhe falei que se íamos fazer dessa vez tínhamos que fazer certo com tudo que tem direito, mas sem camisinha nada feito, ele concordou. eu falei pra ele que ia ter  que ensinar-lhe umas coisinhas antes da transa.

Assentei-me a beira da cama coloquei-o em pé na minha frente, abaixei a sua cueca comecei a lamber as suas bolas, passando a lingua no seu pau a partir das bolas até a cabeça do pau, quando cheguei na cabeça coloquei-a em minha boca e enguli aquela vara todinha foi até a garganta, e com as mãos na base do seu cacete comecei a punhetar rapidamente até que ele gozou ainda dentro da minha boca, inundando com sua porra que tive que engolir parcialmente, ... senti suas pernas tremerem  quando ele gozou, mesmo depois de ter gozado ele continuava com a pica dura que nem uma pedra pronto pra proxima sessão de sexo que prometia haver entre a gente.

Deitei-me na cama então e pedi pra ele beijar-me todinha, começando pelo pescoço, barriga, passando pelas coxas até o dedão dos pés, ele então começou a me beijar e fez como eu tinha pedido, quando ele voltou beijando minhas coxas, estava na barriga eu falei quero que chupe minha buceta, notei que ele tinha um certo nojo, então perguntei se ele nunca tinha chupado uma buceta ele disse que não ele disse que não, eu falei então se quer comer a minha buceta vai ter que chupar e lamber antes, então ele timidamente começou a chupar-me isso me excitava essa falta de experiencia, então depois de chupar-me peguei uma camisinha que tinhamos no criado mudo pra emergencia, mostrei a ele ajeitei-me e falei, agora voce pode comer a sua mãezona, voce fez por merecer, nem precisei dizer duas vezes, ele desajeitadamente colocou a camisinha depois veio por cima de mim afoito como era natural da sua idade. Eu abri as pernas e enrolei na sua cintura e apertei de forma que pudesse  sentir
todo aquele membro dentro de mim ele bombava furiosamente como queria atravessar-me com aquele membro duro, controlei e não deixei ele gozar para prolongar mais aquele momento, depois coloquei minhas pernas em seu pescoço e os meus joelhos encostado no meu peito, eu estava sentindo o maximo sendo comida por meu enteado inexperiente e eu ensinando as maravilhas do sexo, ele enfiou o seu membro na minha xana com furia tal que me empurrava contra a cabeceira da cama, e com os movimentos fortes a cama até rangia naquele nhec nhec, ainda bem que não tinha mais ninguém, nem meu filho caçula porque estava na casa dos avós, senão teria acordado como barulho, eu estava adorando e curtindo cada momento, tal era minha excitação que eu já tinha gozado duas vezes e ele também tinha gozado.  umas duas vezes mas seu membro já não estava tão duro, brinquei com ele mostrando pro seu pau brinquei com ele dizendo será que ele aguenta mais uma sessão??? O Evertom disse com certeza, eu então falei=lhe meu filho voce já comeu uma bundinha antes? Alguma das suas namoradas já deu?? ele deu uma risada e perguntou porque? vai me dar?? vi que quando eu disse isso seu pau que estava meio mole ficou duro na hora, eitha garoto viril, proprio da sua idade, lembrei-me que  uma vez uma amiga me disse que o garoto nessa idade come até a mãe, então sua madastra com certeza, então estando nos dois ainda deitados ele me abraçou por traz me colocou de bruços então tentou colocar a cabeça do pau sem lubrificar, tive novamente que lhe ensinar,pedi que fosse até a penteadeira e pegasse um frasco de oleo pra lubrificar, feito isso ele poderia então..

Ele Lubrificou então e colocou se em posição de sentido como um soldado pronto pra batalha, ajeitei-me então arrebitei minhas nadegas pra cima, relaxei pra receber aquele membro, ele colocou então a cabeça e foi logo enfiando, confesso que apesar de fazer frequentemente com o pai dele, pela impetuosidade do Evertom doeu, pedi pra ele ir devagar áté eu me acostumar, e não demorou muito pra eu me acostumar com aquele membro dentro do meu cuzinho, a partir daí ele começou a bombar fortemente, cada vez mais rapido e eu rebolava como uma vadia.. até que ele gozou, então ficamos deitados na cama sem falar nada um para o outro mas eu podia ver nos olhos dele a satisfação,e eu tambem estava satisfeita,   finalmente eu sabia o que era gozar com o meu enteado num sexo consentido.

Fui tomar banho novamente, ele ficou deitado na minha cama, quando voltei ele estava dormindo, eu não quiz acorda-lo, eitei-me então do seu lado e adormeci... na manhã seguinte era sabado eu olhei pro lado vi aquele homem nu, na minha cama, e na noite anterior eu tinha transado, levantei-me fui fazer o café ainda de babydoll, estava eu na mesa tomando café quando ele tambem acordou e veio tomar café, como estavamos nós dois sozinhos, passamos o dia todo em casa, e transamos varias vezes dessa vez em lugares diferentes da casa, como a cozinha, no carpet da sala, no banheiro, só não transamos no quintal porque outras pessoas poderiam ver.... foi um fim de semana otimo ,,,,

Depois desse evento como o pai dele nunca soube de nada e continuava a viajar sempre, acabamos nos tornamos amantes  por uns 3 ou 4 anos, até que ele se casou, mas mesmo assim de vez em quando ele vem visitar a mãezona pra matar a saudade...



contoseroticossensuais.blogspot.com.br

TRANSEI COM O AMANTE DA MINHA MELHOR AMIGA

Essa é a historia de um triangulo sexual que vou passar a relatar, me desculpem os leitores não vou citar a minha cidade nem onde moro pra preservar-me porque moro em uma pequena cidade do interior e ha risco de alguém ligar os fatos e identificar-me autora da história.

Eu me chamo Carmem, tenho 49 anos sou baixinha, coxas grossas, apesar da minha idade eu tenho uma boa aparência  coxas grossas, seios médios firmes, e segundo me dizem não aparento a idade que tenho, e como todo mundo eu tenho uma amigona 10 anos mais nova que eu, ela é  daquelas confidentes, nossa amizade começou faz muito tempo que nem me lembro direito quanto,  essa amiga chama-se Kelly, é casada, mas é uma sapeca em matéria de sexo, é atirada, gosta de sexo e que eu sei ela já teve alguns casos fora do casamento principalmente porque ela me comentou que seu casamento já não ia tão bem, faltava o tempero aquele algo mais, mas eu quero comentar sobre um em especial, ela tem 39 anos, e estava de affair com um cara 10 anos mais novo que ela, mas ainda não tinha saido com ele ainda, por sermos amigonas ela me confidenciou que tinha conhecido o Alvaro em uma festa e me contou que já tinham saido algumas vezes,  como eramos amigas e confidentes ela me contava que o Alvaro era um amante sensacional, e falava maravilhas dele, mas a principal coisa que me chamou a atenção foi quando ela me contou que o Alvaro tinha um membro de dar inveja a qualquer ator pornô, eu curiosa perguntei que tamanho era o membro dele, ela me respondeu que não tinha medido mas que seguramente era o maior que ela já tinha conhecido, e arriscou uns 22 cms eu acho.

Devido a nossa amizade uma dava cobertura a outra quando a gente precisava sair pra qualquer coisa, desdee um passeio qualquer até uma escapadinha de pulada de cerca, é claro que ela tinha confiança em mim e eu nela, então ela certa vez  tinham marcado um encontro com ele, e para ter cobertura pediu-me para leva-la com o meu carro porque ela não queria dar bandeira em casa, acabei aceitando essa missão, fomos até o local marcado que era noutra cidadezinha distante uns 20/ 30 kms da nossa, justamente por morarmos numa cidade pequena e havia riscos de alguém ver e ela não queria isso.

Chegamos ao local marcado o Alvaro já estava lá marcamos em uma lanchonete a beira da estrada, entramos, pedimos um lanche enquanto lanchávamos a gente conversava, eu comecei a observar melhor o rapaz, tinha em torno de 1,70, corpo bem definido, era um belo exemplar de homem,
confesso que até fiquei com inveja da Kelly nesse momento, porque tudo indicava que depois dali eles iriam a um motel e eu ia voltar sozinha pra casa, em determinado momento a Kelly foi ao banheiro me deixando sozinha com o Alvaro, que safadamente me falou, e voce Carmem, tem skype? Posso te adicionar etc e tal, mandou um chaveco pra cima de mim, me senti lisonjeada por ele demonstrar interesse em mim, ele sabia que eu também era casada e falou adoro mulheres casadas, perguntei porque, ele respondeu porque as casadas são mais discretas e não querem compromisso só querem sexo, fiquei abismada com a ousadia dele ele estava me cantando na cara dura, mas ele tinha idade pra ser meu filho,  pra resumir a história depois que lanchamos como eu previa eles marcaram pra irem a um motel enquanto eu voltei pra casa excitada por saber a intenção deles. até então eu não tinha pensado na possiblidade dessa transa, mas a ideia me excitou.

Chegando em casa eu logo fui pesquisar no face dele, deixei um recado assim como quem não quer nada, no dia seguinte ele respondeu, e a partir dai começamos a trocar mensagens, depois o numero do telefone, em nossas conversas é claro sempre rolava o nome da Kelly porque ele tinha um caso era com ela, mas eu resolvi seduzi-lo, perguntei a ele o que ele achava de sexo com uma mulher mais velha, ele respondeu que não tinha nada contra, que alias a maioria das mulheres que ele costumava sair eram mais velhas e casadas, e ainda completou veja a Kelly por exemplo é mais velha que eu, e eu to transando com ela direto,  só que eu insisti dizendo mas a Kelly não é tão mais velha assim, eu sou bem mais velha que ela, claro numa clara alusão de que eu me referia a mim pra ver a reação dele, então ele me disse que não tinha nada ver que eu era tão gostosa quando a Kelly, bem... dai pra gente marcar um encontro não demorou um mês, deu certo do meu marido viajar nesse período e marcamos para uma quarta feira a tarde,, eu ia pegar ele no caminho fomos com meu próprio carro.

Chegamos ao motel, eu estava curiosa pra saber como era transar com um homem 20 e poucos anos mais novo que eu porque com meu marido era aquele arroz com feijão toda vez que a gente ia transar, e ele foi surpreendente, uma surpresa agradável eu sentir aquele homem jovem viril, de pau duro, grande grosso, me desejando, e começamos com preliminares que eu julguei não rolaria, mas ele foi gentil carinhoso, foi tirando minha roupa e eu a dele, até que ele me fez agachar para lhe fazer um boquete, e eu não me fiz de acanhada, me abaixei e coloquei aquele membro na minha boca e comecei a passar a língua carinhosamente pela cabeça do seu membro, pela glande, deixei ele louquinho de tesão, tão louco que ele não resistiu me pegou no colo e me conduziu
até a cama, me deitando, veio por cima de mim, e encaixou aquele membro durissimo que nem um marfim na minha xoxota, e foi enfiando, não encontrou dificuldades nenhuma porque eu ja estava bem lubrificada, e ele foi até o fim enfiando sem deixar nada pra fora, eu sentia suas bolas baterem em minha coxa, era o climax, e ele continuava, bombando, bombando, cada vez mais forte, aquela vara grossa e enorme batia no fundo do meu utero, eu sentia um misto de desconforto e de dor, mas o pior estava por vir quando ele começou a massagear com o dedo o meu cuzinho percebi logo que ele tinha intenções mais ousadas em relação a mim, não ia parar simplesmente num sexo como todos fazem, ele queria mais, e não eu outra, depois dele ter me possuido pela frente me colocou de 4 e disse que ia comer meu cú, eu esperneei, reclamei e disse que
no cú não, e que nem meu marido nunca deixei enfiar por trás, mas ele foi incisivo em chantagear ao dizer ou me dá o cú ou não tem próxima, fiquei sem saber o que fazer, eu tinha adorado a transa com ele, estava satisfeitíssima, eu queria ter próximas vezes então não me restou outra opção senão deixa-lo, resignada falei que ele poderia desde que fosse com jeitinho e não fosse apressado, então me ajeitei, pedi pra ele que ficasse parado eu faria o movimento de forçar meu corpo contra o dele e assim eu controlaria a penetração,  ele concordou e ficou numa posição de joelhos e eu de 4, ele apontou aquela cabeçorra para o centro do meu cu  fui me ajeitando para receber aquela tora mesmo eu no controle ainda doía pra caramba, eu estava sendo arregaçada, estuprada pra facilitar  fui rebolando, rebolando até que senti a cabeçorra passar pelo anel da esfincter, ele fazia movimentos bem de leve forçando a entrada um pouco mais e eu rebolando pra facilitar, isso durou alguns minutos apenas porque a certo  momento ele perdeu o controle segurou minha cintura e numa estocada forte enfiou o resto tudo duma só vez, o filha da puta arrancou duma só vez todas as pregas do meu cu, até sangrou, eu quase desmaiei de dor, vi estrelas, xinguei ele mas ele não tava nem ai, ele continuou segurando minha cintura e socando o pau com força, ainda me chamava de coroa safada, puta sem vergonha que agora estava metendo com  um pau de verdade e não com um pintinho que nem o do meu marido, o desgraçado era arrogante, mas eu estava me sujeitando a ser sodomizada por ele...

Aos poucos eu já tinha assimilado aquela dor intensa que se transformou numa dor gostosa, que me fez gozar, aquele garoto era um amante excepcional, nossa história durou mais alguns encontros, sempre que meu marido viajava eu ligava pra ele e se ele tivesse disponivel a gente ia pra um motel..., minha amiga nunca soube nada, pelo menos eu acho que não soube, se ele nunca disse eu tb não..  

.
.
contoseroticossensuais.blogspot.com.br

domingo, 7 de maio de 2017

EU E MINHA IRMÃ NUMA FESTA DE SWING

EU E MINHA IRMÃ NUMA FESTA DE  SWING


  
Minha familia sempre foi liberal, meu pai e minha mãe já nos orientava sobre sexo desde pequenos, sexo em casa não era tabú, crescemos nesse ambiente então o que pra alguns seria algo estranho ou no minimo condenavel pra gente era até normal, não que fossemos depravados mas tinhamos as mentes bem abertas nesse sentido, e  a historia q vou contar. me aconteceu num passado recente, minha irmã que tem  28 anos é casada com um carinha bem legal tambem e nos damos muito bem  minha irmã casada é muito gostosa .coxas grossas.bunda redonda seios médios bem durinhos e um corpo delicioso, tanto que mesmo eu sendo irmão já desejei aquele corpo algumas vezes em minhas punhetas quando eu era mais jovem.... .q por algumas vezes me peguei sentindo tesão por ela.ela e de parar o transito meu cunhado por sua vêz é do tipo bem malhado de academia porque pra dar conta da minha irmã tem que estar bem preparado.


E eu moro sozinho não malho nem frequento academias mas corro e jogo bola nos fins de semana com amigos, posso dizer que fui abençoado pela genetica da familia porque não tenho propensão a engordar então tenho um corpo razoavelmente legal, e posso dizer que dou sorte com as mulheres, claro não sou nenhum galã, eu tenho 1,73 de altura, sou moreno claro, e talvez por isso que aconteceu essa experiencia,  certo dia minha irmã e meu cunhado me convidaram pra ir numa festa com alguns amigos deles que ia acontecer num sitio, minha irmã pra me provocar disse que tinha levado uma amiga bem bonita especialmente pra me fazer cia claro que  eu aceitei eu adoro a natureza, e adoro mulher bonita, alem do que era num  sábado  a tarde e eu  normalmente e eu nunca fazia nada no sábado, e como não tenho namorada aceitei de boa segundo ela eles iam assar uma carne e tomar umas cevas, peguei o endereço, eu já sabia mais ou menos onde era e chegando lá fui recebido pela minha irmã e  pelas amigas dela que também eram casadas, apesar de todas estarem todas vestidas sobriamente sem nada exageradamente provocante, mesmo assim senti algo de estranho no ar com elas e seus maridos, na forma com que elas me olharam de cima abaixo, e de agir, como eu não gosto de me meter na vida dos outros deixei pra lá. 

Fui apresentado aos donos do sitio que já estavam em trajes de banho, um casal de alemães alto, a mulher dele era uma cavalona loira olhos verdes, bem mais alta que eu, fiquei só imaginando como seria transar com um mulherão daqueles em todos os sentidos, ela não tinha um corpo tão bonito quanto as demais mas mesmo assim não era de se jogar fora, ela usava um biquíni, observei atentamente, tinha pernas compridas, coxas proporcionalmente grossas bem torneadas, senti que ela tava me dando bandeira o que  me deu um tesão na hora mas fiquei na minha afinal ela estava com o marido, depois de ser apresentado para o resto da turma a comida já estava pronta e esperando-nos, um belo dum almoço com uma costela assada de dar água na boca, regada a muita cerveja, pra ser sincero cerveja e caipirinha rolava solta todos beberam bastante.

Depois do almoço  fomos ao vestiário  para trocar de roupa tinha vestiários e banheiros masculino e feminino, enquanto trocávamos de roupa observei que meu cunhado disfarçadamente estava sempre me olhando principalmente pra minha pica,  meio constrangido falei-lhe nunca viu? Ele respondeu desse tamanho não, e completou as mulheres vão adorar, não entendi nada na hora e estranhei ele falar elas vão, o normal  seria falar as mulheres devem adorar ou coisa assim, demoramos um pouco dentro do vestiário e quando saímos ao ver minha irmã com um biquíni  muito 
provocativo, mas nem liguei uma coisa com outra afinal
estávamos no calor era coisa normal todas as mulheres com biquínis tão pequenos que mal cobria a perseguida, e os homens babando em cima delas,  eu não conhecia todo mundo mas percebi algo no ar e a ficha começou a cair,...  desde que tinha chegado notei algo diferente,  minha irmã dirigindo-se a mim  deu um sorriso meio safado. pegou na minha mão e foi me apresentar pro resto do pessoal. todos casais simpáticos e por sinal só tinha mulher gostosa depois vim a descobrir que todos os casais eram realmente casados, de solteiro mesmo  só tinha eu e uma garota muito gostosa que minha irmã me apresentou como sendo a Sandra e disse-me já que todos aqui são casados ela que  vai ser seu par e lhe lhe fazer companhia, perguntei companhia pra que, ela sorriu e falou para uns joguinhos que vamos fazer mais tarde, e o clima foi tranquilo até a hora do almoço.
Logo depois do almoço como era época de verão todos caíram na piscina novamente, brincadeira pra cá brincadeiras pra lá era a maior passação de mão, percebi que nenhum dos casais estavam com seus respectivos cônjuges, o marido abraçava a mulher do outro o outro a mulher daquele e ninguém era de ninguém, a minha gata estava sempre ao meu lado, tão perdida quanto eu, mas logo que vi aquela azaração entrei no clima, mas logo sai da piscina e  fui assentar-me junto a mesa que a pouco tínhamos almoçado,  eu essa gata,  meu cunhado e minha irmã também vieram e assentaram ao meu lado e puxam assunto que  acaba rumando para o tema  em sexo .minha irmã fala pra mim.que sabia das minhas aventuras que uma ex-namorada minha contava tudo pra ela. e que uma vez ela me viu pelado e de pau duro e viu o tamanho da ferramenta .aquilo pra mim foi um choque fiquei sem reação ela falou pra eu não esquentar não que meu cunhado não ligava e que ela tinha contado pras amigas ali presente por isso fui convidado, e numa especie de agito ela falou  alto pra todo mundo ouvir, hei.. voces sabiam que meu irmão tem uma pica grande, as mulheres ali presente se entusiasmaram toda e os maridos não estavam nem ai, então ela falou-me baixinho só pra que eu ouvisse,  que muitas vezes ela mesmo já  ficou com vontade sentar e de mamar  na minha pica, todo mundo entrou no clima e a gata que tava ao meu lado na mesa com a gente começou a me provocar, pediu pra ver a minha pica se era aquilo tudo q minha irmã tinha dito, e completou que se fosse ela mesmo ia mamar muito nela, fiquei assustado com aquela liberação repentina de todo mundo, achei que eles estavam querendo
curtir com minha cara,  fiquei meio que sem jeito mas a gata  me disse pra olhar ao redor, todo mundo já estava praticamente pelados e minha irmã a beira da piscina no maior amasso com o dono do sítio olhei pro outro lado  vi aquela loira  cavalona a gostosa de pernas aberta e meu cunhado arrancando a parte debaixo do biquíni dela pra lhe chupar, e em segundos ele já estava de boca na buceta dela, olhei de novo pra minha irmã ela já estava com a pica na boca fazendo o maior boquete, excitado mas assustado com aquela liberdade toda  tentei me levantar  mas aquela gata gostosa  foi mais rápida, agarrou na borda da minha sunga e abaixou .nem preciso dizer que já tava de pau duro então me liberei, dei-lhe o maior beijo de língua enquanto metia a mão em suas tetas.

Naquele momento eu pensei já quem tá na chuva é pra se molhar, logo aquela delicia de mulher já estava mamando na minha pica, me ajeitei  em pé escorado na mesa e a gata mamando, mas  logo em seguida, veio  a dona da casa aquela cavalona gostosa que eu imaginei como seria meter com ela, parece que eu ia descobrir já já, ela então se abaixou tomou o lugar da outra gata que tava mamando, e começou a mamar na minha pica e falou, meu gato, hoje voce é o convidado especial 
e  hoje aqui ninguém é de ninguém,  aquilo me deu mais tesão.vendo 2 gatas mamando na minha pica ,sendo  umas delas casada e o marido olhando tudo me deu mais tesão ainda eu socava com força até a
garganta mais minha pica era grande e ela não conseguia engolir tudo de uma só vez depois de um tempo eu  senti alguem massagear as minhas costas olhei era minha irmã.... maninho minha vez de te dar um trato. vou realizar meu sonho de mamar numa  pica enorme eu nunca chupei nenhuma desse tamanho, sem cerimônias pegou na minha pica falou pras outras pra deixar ela me dar um trato, o marido da grandona viu que minha irmã tava abaixada numa posição com a bunda apontada pra ele, pegou ela por trás e meteu a rola na buceta dela, meu cunhado pra não ficar de fora fez a gata que estava comigo lhe fazer outro boquete,  minha irmã ajoelhada ali com boca na minha pica .quase explodi de tanto tesão, parece que por ser irmã o pecado era mais gostoso e a adrenalina foi lá no alto, olhei pro lado pra ver a reação do meu cunhado ao ver a cena mas ele já tava enfiando a pica na loirinha gostosa que a pouco estava lhe chupando, olhei novamente pro meu cunhado ele então  fez um gesto de positivo pra eu ir fundo, a cavalona ali do lado só observava-nos, então eu tirei a pica da boca da minha irmã ue estava sendo fodida pelo dono da chácara, eu peguei a cavalona e tirei o seu minusculo biquini deitei ela ali mesmo no chão e meti a rola até o fundo naquela loirona que gemia e urrava gostoso, ela uma cavalona acho que o marido não tinha uma pica que a satisfizesse eu estava ali pra satisfaze-la, depois que eu gozei, minha irmã veio pro meu lado e  falou devolve a mulher pro marido terminar o serviço que eu te quero, quero que voce me foda a buceta,  eu tarado vendo meu cunhado fodendo a loirinha e o dono da casa fodendo a mulher dele era uma suruba só, na hora nem pensei direito minha irmã deitou-se em cima do banco abriu as pernas e puxou-me pra cima dela mas ela era minha própria irmã falei baixinho em seu ouvido só pra ela escutar que ela
era doida que a gente era irmão não tava certo, ela falou deixa de ser careta e mete essa vara, enfia tudo quero sentir, comecei a bombar bem forte até que gozei, senti que minha irmã tambem tinha gozado pelas contrações dos nervos da buceta dela, ela então puxou minha cabeça e falou ao meu ouvido,mano, você foi convidado justamente por causa do tamanho da sua pica, depois que eu contei pra mulheres daqui o tamanho da sua ferramente elas ficaram loucas por você e todas querem experimentar, será que dá conta???? Falei-lhe, vou tentar fazer esse sacrifício.... e falando assim dei mais algumas bombadas antes de sair de cima, puta que pariu como é gostoso comer a buceta de irmã, é diferente de tudo que eu já tinha sentido.

 Depois de um tempo minha irmã me puxou pra loirinha  e me  falou agora é sua vez, e me deixando pegou o marido dela e falou-me  pra fuder a amiga obediente eu coloquei aquela gatona loirinha mas  queimada do sol,
ela devia passar horas a beira da piscina coloquei-a então de 4 dei umas palmadas de leve na bunda dela, dei uma lambida na buceta, apontei meu pau pro centro daquela buceta rosadinha segurei-lhe nos peitos e empurrei a pica de uma vez só ela deu um grito de tesão todos olharam e riram gritando soca a pica nessa puta safada, soca sem dó nem piedade e com minha pica enterrada totalmente naquela buceta toda melecada, comecei a bombar forte,  falei q ia gozar ela pediu pra eu gozar nos peitos tal era minha euforia gozei em cima dela que minha  porra foi na cara peitos cabelos.parecia como ficamos melecados fomos tomar banho mas a orgia rolava solto minha irmã com o dono da casa meu cunhado com a mulher dele deixei eles lá ...dei um mergulho na piscina meio ofegante  sentei numa cadeira para descansar.... mas   os donos da casa se aproximam e o marido perguntando porque eu não peguei a mulher dele e se eu queria fuder com ela  eu disse que queria muito ai ele pegou ela e falou ela agora e sua pode fazer o que vc quiser do jeito que você quiser.

Apesar de eu já ter transado com minha irmã e a loirinha gostosa e gozado, mesmo assim fiquei com tesão, aquela cavalona, eu sempre gostei de mulher grandona, pensei comigo eu vou comer o cu dessa cavala na frente do marido, se ele gosta de ver vai ver eu enrabar sua
mulher,  minha pica que já estava dura parti pra cima daquela mulher enorme chupei os peitões enfiei dedo na buceta no cu, eu que já estava descontrolado e falei abaixa e chupa que nem uma puta, chupa essa pica na frente do seu marido ela respondeu com a maior cara de puta, eu quero agora satisfazer meus dois garanhões, acho que ela se referia a mim e ao marido.e chupou gostoso minha piroca como uma criança chupa um sorvete, lambuzava-se toda e o marido dela sentado sendo chupado pela minha mana, e a loirinha sentada numa pica do meu cunhado.
Sentei na cadeira e m deitei fiz a cavalona sentar em cima da minha pica e cavalgar gostoso.... mas me controlei pra não gozar novamente e assim manter minha ereção, logo ela gozou e eu não satisfeito falei agora é hora de me dar o rabo ela provocativa me disse será que eu aguento, falei aguenta sim, uma potranca como voce aguenta meu pau e muito mais, então ela ficou de quatro eu cuspi no cu dela e na cabeça do meu pau, como eu já tinha laceado com o dedo coloquei a cabeça e não tive muitas dificuldades pra colocar o resto tudo pra dentro, ela rebolava e pulava como uma cabrita, soquei meu pau até o fundo ela urrou, não sei se de dor ou de prazer, mas esse urro dela me deixou ainda mais excitado, comecei a bombar forte, cada vez mais forte quando percebi que ia gozar, tirei o meu pau pra fora, pra manter a ereção.... ela já tinha gozado senti isso pelas contrações enquanto eu comia o seu cuzinho.

Depois de  fode-la olhei pro lado e vi a bundona da minha irmã arrebitada e falei que eu queria fode-la na bunda  ela ela não gostou muito, e mesmo contrariada ela liberou, então fui na direção da minha irmã e falei ....agora minha maninha já que gosta de putaria eu  vou dar um trato nessa bunda gostosa que voce tem, ela falou que apesar de gostar da ideia ela não
aguentaria minha pica, era muito grande pra enfiar no cu dela ,  eu falei aquenta sim quer ver, deitei-a de ladinho, segurei-a pela cintura, passei um gel que me deram, e soquei a cabeça da minha pica pra dentro,  aos poucos comecei a socar a pica nela quanto mais eu socava mais ela urrava e chorava,  pedia pra eu acabar logo que ela não aguentava a dor, eu falei biscatona voce não queria foder com uma pica de verdade, então aguenta... ela implorava pra que eu tirasse, mas eu só tirei quando gozei.

Depois da gente transar ela perguntou pro meu cunhado se ele tinha gostado de ter visto ela sendo sodomizada, se   era isso q ele queria, ele disse que sim, que tinha adorado, depois ficamos ali todos conversando, então minha irmã confessou que só tinha me trazido porque ela tinha falado do tamanho da minha pica e as outras mulheres ficaram todas acesas, ela só não imaginava que teria que aguentar minha vara no cu dela, e não sabia como eu tinha dado conta das 3, mas ainda faltava a cavalona dona do sitio, é claro que o vigor dos meus 27 aninhos me
ajudaram muito, como eu estava exausto fiquei deitado na esteira a beira da piscina,  a grandona vem em minha direção e fala agora vc vai terminar o q começou e caiu de boca até minha pica ficar dura de novo, e depois sentou na minha pica, soltou o seu corpo em cima da minha pica até que minha pica sumiu na buceta dela, e depois na mesma posição ela literalmente sentou em cima do meu pau até que meu pau tambem sumiu dentro do rabo dela,  ela foi a unica que conseguiu agasalhar minha pica toda  tanto na frente como atrás. e elogiou a minha performance, não aguentei mais e gozei naquele rabão. 

Nem preciso dizer que aquele sitio virou um point, pelo menos uma vez por mes eles promovem um swing e eu sou a atração principal, minha irmã já trouxe outros casais cujas mulheres insatisfeitas com o tamanho da ferramenta do marido se consolam comigo..., não rara as vezes sou convidado pra um menage....
interessadas meu e-mail é  
vincentmix@hotmail.com

Então se algum casal tiver essa fantasia, deixe um comentário e e-mail que entro em contato pra realizar..... mas aviso logo não curto homo nem sado........ meu negocio é  mulher..


.